quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

América x Central: A hora de se redimir


Depois da acachapante derrota para o Vitória no último domingo, chegou a hora dos jogadores e comissão técnica levantarem a cabeça e mostrarem o mesmo empenho e vontade do início do campeonato.

O confronto se dará nos domínios alviverdes, mas não se espera jogo fácil. O Central está invicto na competição e tem um time equilibrado e oportunista. O time centralino também tem uma das melhores defesas da competição. Com apenas três gols levados no campeonato, o sistema defensivo centralino tem garantido pontos importantes como visitante.

Por outro lado, o América tem o segundo melhor ataque da competição. Junto com o Vitória são nove gols acumulados até aqui. Sistemas ofensivos que são superados apenas pelo Náutico. E o desempenho seria ainda melhor se não fossem os gols mal anulados contra o Vitória e o Afogados. Temos também um dos artilheiros do pernambucano e esperança absoluta de gols esmeraldinos: Caxito.

Resta agora não ter a apatia e desatenção verificada no primeiro tempo contra o Vitória. A derrota foi decepcionante, mas tem que ser superada para encarar o novo desafio. Queremos o América do jogo contra o Salgueiro, contra o Santa e até mesmo o América do jogo contra o Náutico. Não o time bobo que vacilou contra o Vitória e que entregou o jogo contra o Afogados.

Há uma chance real do América chegar à quarta colocação e ficar na zona de classificados que decidem as quartas-de-final em casa. Mas há uma necessidade ainda maior de ter foco, disciplina e muita dedicação. Já perdemos duas chances de liderar o certame. E a cota de vacilos já se esgotou perigosamente.

Vamos América, hoje é dia de se definir o que quer ser nesse campeonato.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Vitoria 5x2 América: Desequilíbrio e apatia

Desempenho pífio e decepcionante resume o América na Arena de Pernambuco | Foto: Rafael Melo 


Do sonho da liderança a sétima colocação do certame. Do orgulho de se ter uma das melhores forças ofensivas no estadual a preocupação por ter a defesa mais vulnerável até aqui. Este é o América, que vimos no gramado da Arena de Pernambucano. Neste domingo, totalmente apático  e desnorteado, deixando o Vitória nos colocar na roda e  assumir com justiça a liderança do Campeonato Pernambucano com uma  avassaladora goleada por 5×2 contra o América pela quinta rodada do Campeonato Pernambucano.

Com uma nova formação aplicada por Roberto de Jesus, o América acabou não mostrando a que veio. Machucado, Bili deu espaço a Emerson ao lado de Caxito. No meio-campo Kadir e Iran deram a vez a Alisson e Cléber, mas infelizmente quem entrou em campo mesmo foi a apatia. Sem o mesmo foco e objetivo de partidas anteriores, a derrota alviverde foi construída ainda nos primeiros minutos de bola rolando, com uma apresentação questionável dos que fizeram o esquema defensivo. As laterais estavam uma avenida, a zaga batendo cabeça e o goleiro alviverde mais uma vez apresentando falhas individuais. O resultado foi ver o time esmeraldino sendo derrotado com uma diferença de três gols antes dos trinta minutos.

O Vitória começou a desequilibrar logo aos dez minutos com Geovane recebendo livre a bola dentro da área, numa troca de passe com Thomas Anderson, que bateu rasteiro contra a meta de Felipe. Quatro minutos depois o mesmo atacante do Vitória recebeu em velocidade e chutou novamente superando o goleiro esmeraldino.

Por volta dos 20 minutos o América até esboçou uma reação, diminuindo o placar na Arena de Pernambuco, mas por uma infelicidade de um dos assistentes na lateral do gramado, o gol legal de Caxito originado em contra-ataque acabou sendo injustamente anulado, alegando impedimento e que poderia ter mudado ao rumos da partida, todavia, o que se viu foram os "donos da casa" ampliar ainda mais o marcador, com um chute forte fora da área marcado aos 26 minutos por Paulo Victor. Mais uma falha do goleiro esmeraldino, que foi encaixar a bola e acabou a deixando escapar para dentro do gol.

O festival de terror continuou aos 30 minutos com Thomas Anderson ampliando a vantagem do Vitória através de um chute cruzado é só não entrou mais bola no gol de Felipe porque o Vitória não quis. O único gol alviverde no primeiro tempo foi contra, aos 35 minutos marcado contra por David, zagueiro de sangue esmeraldino que dispensa apresentações a torcida do América.

Na volta do intervalo o América voltou um pouco melhor, mas nada que esboçasse alguma esperança de empate, nem mesmo com a expulsão de Geovane, autor de dois gols, logo no início do tempo complementar. A defesa do América continuava batendo cabeça, deixando o time do Vitória solto usando e abusando de sua velocidade e, aos 23 minutos, Thomas Anderson puxou um contra-ataque em velocidade, driblou o zagueiro e foi derrubado, ampliando o placar para 5×1 através de cobrança de pênalti. O último gol alviverde foi marcado por Caxito, que derrubado dentro  da grande área, bateu o pênalti sofrido e converteu em mais um gol, fechando desta forma o placar em 5x2.

Precisando corrigir de agora estes erros bisonhos da defesa, o time comandado pelo técnico Roberto de Jesus tem pela frente mais duas pedreiras, o Central vivendo um bom momento, no Ademir Cunha e o Sport na Ilha do Retiro. Com um campeonato surpreendentemente equilibradíssimo, a gordura conquistada nas três primeiras rodadas já foi queimada e nos deixa uma interrogação sobre qual América podemos confiar: aquele América aguerrido e de muita luta das quatro primeiras rodadas, ou neste América desequilibrado e apático que assistimos na Arena de Pernambuco.

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Vitória x América: Mais uma decisão


Depois de praticamente uma semana de trabalho, o América vai entrar em campo pra enfrentar o Vitória e retorna ao palco da estreia do campeonato pernambucano 2018.

As circunstâncias do último resultado ainda latejam na memória do torcedor. O América abriu uma vantagem expressiva, vacilou e cedeu o empate. Mas pior do que isso, a torcida viu o time perder os três pontos por erros absurdos da arbitragem. Miopia para um impedimento inexistente, gol mal anulado foram o tempero que tiraram do América a figuração entre os líderes do certame.

Mas Roberto de Jesus e o elenco tiveram tempo de superar os problemas e a semana foi de ajustes e acertos. Esperamos que os acertos venham nos locais certos e na mentalidade do time dentro de campo. Menos vacilos em momentos cruciais do jogo podem nos dar ainda posições melhores. O excesso de falta na entrada da área levou o América a desperdiçar pontos importantes no certame.

No último jogo contra o Náutico o Vitória mostrou que conhece os atalhos do gramado da Arena Pernambuco. O inquilino temporário do novo estádio chegou com velocidade diversas vezes e fez boas finalizações. Mas também tem seus problemas no sistema defensivo. Só que esses problemas ainda não custaram tanto ao tricolor das tabocas: o Vitória permanece invicto no certame, após quatro jogos.

Superar o adversário nos seus domínios vai seria um feito e tanto. Até agora apenas duas equipes tiveram esse êxito como visitantes.

Mas a torcida tem esperança. As lembranças de América e Vitória são positivas quando em situações de decisão. Embora o duelo seja muito equilibrado.

O jogo terá transmissão ao vivo pela TV da FPF que o torcedor pode conferir clicando aqui.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Dilema de um América vencedor

Caxito, o camisa 11 do América, tem sido a esperança e garantia de gols. Foto: globoesporte.com
Um América com início empolgante de campeonato como não se via há tempo. Só para não ser injusto, em 2016 o América fez uma campanha inicial irretocável, terminando a primeira fase invicto. Mas naquela oportunidade ele não havia enfrentado os "grandes".

Então, a façanha Alviverde comandada por Roberto de Jesus é louvável e inédita na história recente do América. O principal fato desta campanha vitoriosa é ter o melhor ataque da competição, um mérito dividido apenas com o primeiro colocado, o Náutico. E as bases pra isso são fáceis de entender. O América tem um bom time montado do meio para frente e bons finalizadores. Dos pés e cabeça de Caxito e Bagagem saíram cinco dos sete gols marcados até aqui. Caxito é um dos principais artilheiros da competição e já mostrou muito competência e tranquilidade para finalizar, como no primeiro gol do Náutico ao reposicionar o corpo no ar para cabecear uma bola que já tinha passado da sua posição. Um lance de muita dificuldade.

Mas o grande dilema é: ao passo que marcamos muitos gols, levamos muitos também. Isso está segurando a disparada do América na competição. Esses gols trouxeram significativos prejuízos de pontos. Os seis gols somados custaram ao América três importantes pontos que nos dariam a posição isolada da tabela. É óbvio que o rendimento do América indica que o time perdeu muito mais pontos, mas a estimativa de três pontos se baseia nos resultados "quase definidos" que se reverteram em desastres. Exemplo, o último gol tomado contra o Náutico aos 48 minutos do segundo tempo que custou um pontinho já quase ganho.

A questão é que, analisando os seis gols levados pela zaga alviverde, três deles foram de bolas paradas. Gols que poderiam ter sido evitados apenas com uma mudança de comportamento dos defensores na frente da área. Como foram os casos contra o Náutico e a situação indireta que levou ao gol do Afogados, no último domingo.

Diante disso, fica a dor de cabeça para Roberto Jesus curar. O que fazer para ajustar o sistema defensivo e garantir que a produtividade do ataque se converta em asas mais potentes que garantam ao periquito um voo muito mais altaneiro?

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

America 1x1 Afogados: A arbitragem não nos deixou vencer


Jogando no estádio Ademir Cunha,  America recebeu o Afogados, em jogo válido pela quarta rodada do Campeonato Pernambucano.  Embalado com os últimos resultados, o Periquito recebia em seu ninho a Coruja do Sertão. É só não saiu vitorioso em seus domínios graças a uma arbitragem grotesca, liderada por Deborah Cecília.

Inversão de faltas, cobranças de tiro de meta quando na verdade era escanteio, pênalti bisonho a favor do time visitante, pênalti na cara da arbitra a favor dos donos da casa não assinalado, impedimentos inexistente e a anulação de um gol legal nos acréscimos foram o leque de lambanças realizados pelo quarteto de arbitragem selecionado para a partida no Ademir Cunha e que infelizmente acabaram refletindo em um placar que prejudicou sensivelmente o América. Não fosse cagada atrás de cagada cometida o América terminaria na liderança isolada e não apenas isso, daria um passo importantíssimo para fugir das últimas duas colocações. Reflexo de um amadorismo e despreparo da arbitragem local, que ano após ano consegue aparecer a cada jogo de forma negativa.

Dentro de campo, o América começou melhor e abriu logo dois gols de vantagem em menos de 30 minutos, com Thiago Bagagem e Caxito. Logo aos três minutos de jogo Bagagem, através de cobrança de falta, abriu o placar para o Alviverde da Estrada do Arraial. Bem articulado em campo, o time comandado pelo técnico Roberto de Jesus conseguia impedir qualquer reação dos donos da casa. Em um destes lances o Periquito avançou em contra-ataque e, em uma tabelinha entre Bagagem e Caxito, o meia alviverde recuou a bola para o centro esmeraldino chutar de fora da área e ampliar para o Campeão do Centenário, ainda aos 20 minutos de jogo. Gol de Caxito, o seu terceiro gol no estadual.

Após o segundo tento americano, a impressão de quem estava na arquibancada era de que a qualquer momento o Mequinha faria seu terceiro gol. Ficou apenas no âmbito da impressão mesmo, pois após o segundo gol esmeraldino o leque de erros e absurdos da arbitragem deu início logo no primeiro gol do Afogados.

O primeiro gol do Afogados iniciou através de uma cobrança de pênalti. Com a barreira situada dentro da grande área, a bola explodiu em um dos defensores alviverdes que compunha a parede humana. Cobrança de falta mal cobrada que originou em um pênalti! A bola explodiu na mão do jogador do América, que estava colada ao seu corpo, mas para Deborah Cecília, a penalidade existiu. Eltinho que nada tem haver com a lambança da árbitra apenas pegou a bola e chutou dentro do gol de Felipe.

Com a diferença de apenas um gol, o Afogados retornou a campo acreditando que poderia sair de Paulista ao menos com um empate nas malas, rumo ao sertão. E de fato conseguiu. Jogando pra frente e colocando o América recuado nos minutos iniciais, o Periquito começou a apostar no contra-ataque. Em uma destas investidas para pegar a Coruja desprevenida, a defesa alviverde encontrou Bagagem praticamente sozinho. Vale aqui ressaltar que todos os jogadores do América, estavam atrás da linha de meio de campo e apenas um jogador do Afogados em sua área, mas sabe-se por qual motivo o primeiro assistente Marcelino Castro visualizou Caxito impedido, quando Bagagem o deixou livre, sozinho contra o goleiro do Afogados. Lance de muita polêmica e que desestabilizou todo o time do América dentro das quatro linhas.

Com o Campeão do Centenário sem aquela atenção redobrada do primeiro tempo, o Afogados soube aproveitar e empatou aos oito minutos do segundo tempo, novamente com Eltinho, após cobrança de escanteio. Após o empate, o que se viu foi ambas as equipes em busca do terceiro gol e uma arbitragem perdida dentro de campo. A cada ataque do América a sensação na arquibancada era de uma arbitragem jogando contra os donos da casa, invertendo jogadas e assinalando impedimentos onde não existiu.

Na luta e com muita raça e valentia, o América achou o terceiro gol, em cobrança de falta. Deborah apontou para o centro do campo validando o lance. O bandeirinha correu para o centro para o reinício do jogo. Comemoração dos jogadores dentro do gramado e da torcida na arquibancada. Gol que culminaria  na liderança isolada do América na quarta rodada, independentemente do  resultado que viria a acontecer nesta segunda-feira, entre Sport x Pesqueira. Mas sabe-se lá por qual motivo a arbitra volta atrás na sua decisão  manda voltar e anula o gol alviverde.

Diante de uma árbitra sem convicção nas marcações e com assistentes aparecendo negativamente no jogo inteiro, o América saiu do Ademir Cunha derrotado. Diante de uma arbitragem contra, nem na raça e na justiça a vitória veio. Um empate com gosto amargo de derrota.

FICHA TÉCNICA: AMÉRICA 2x2 AFOGADOS DA INGAZEIRA
Campeonato Pernambucano - 4ª rodada | Estádio Ademir Cunha, Paulista

AMÉRICA: Filipe; Ricardinho, Walter Guimarães, Julio Cesar e Wallacy; Bia, Kadir (Alisson), Tiago Bagagem e Iran (Cleber); Bili (Emerson) e Caxito | Técnico: Roberto de Jesus
AFOGADOS DA INGAZEIRA: Evandrizio; Thyego (Willian), Arlan, Oseas e Thalison (Algodão); Madson, Roger, Douglas e Tarcisio (Evandro); Eltinho e Charles | Técnico: Pedro Manta

ARBITRAGEM: Deborah Cecilia; Marcelino Castro, Victor Matheus de Lavôr Paes Barreto; Kleber de Souza Batista Duarte
GOLS: Tiago Bagagem 3"1T e Caxito 19"1T (AFC); Eltinho 36"1T; 8"2T (AIFC)
CARTÕES AMARELOS: Julio Cesar, Ricardinho e Tiago Bagagem (AFC); Madson (AIFC)