terça-feira, 25 de dezembro de 2007

Devoção Americana

América tu nunca irás morrer 

Viverás eternamente em nossos corações 

O verde e branco correm em minhas veias 

Como o sangue de um bravo guerreiro imortal! 

O verde do gramado é teu manto sagrado 

Espalhando aos ventos o valor do teu passado 

Reproduzem lutas e conquistas de uma equipe campeã! 

No inicio teu nome era um mito, 

A estrela solitária que a bandeira tremulava

Era a glória de Recife no infinito a brilhar! 

És a fonte de vida da história 

Coberto de glórias que um dia voltará a explanar 

No mais auto dos pilares a tremular.

Campeão do centenário, 

Campeão dos campeões 

Não deve nada a ninguém! 

No campo, lutando 

Espalhando emoções 

Dentro das linhas vibrando 

São onze corações 

És ouro, é o sangue do guerreiro 

É a devoção de todas as torcidas 

Que por ti aclamam América do meu coração! 

Allan Lemos.

Passado de glorias, presente difícil, futuro incerto (trecho)

Fundando em 12 de Abril de 1914, ainda com o nome de João de Barros Futebol Clube, em decorrência de ter surgido numa casa situada na avenida de mesmo nome, e hoje chamado de América Futebol clube, quase foi o primeiro penta campeão pernambucano, ainda em agosto de 1915 passou a ter a denominação de atual a pedido do desportista Belfort Duarte, ligado ao América carioca, que veio ao Recife buscar apoio para poder fundar a Federação Nacional de Esportes, antecessora da antiga CBD. 

Situada atualmente na Estrada do Arraial, no bairro de Casa Amarela, possui seu uniforme as cores verde da camisa e meias verdes, seu mascote é o periquito, foi seis vezes campeão estadual e figurou durante muito tempo na primeira divisão estadual e no cenário nordestino, tendo participado e sido campeão também do troféu nordeste de 1923, além das taças municipais, e suas participações nas divisões nacionais, como em 1972, 1989 e 1991 quando estive na segunda divisão do campeonato brasileiro de futebol, além da traça de prata de 1981 e da terceira divisão em 1990. 

Contudo o presente do América tem sido difícil já a alguns anos na segunda divisão de Pernambuco e fora das disputas regionais e nacionais, na segunda divisão desde de 1995, o clube encontra-se hoje inclusive fora do pernambucano da série A2, onde nesse processo é possível destacar a tentativa de um grupo de torcedores pernambucanos, que sequer virão o América em seus tempos de glória contou nem por isso menos apaixonados que pensam em criar uma associação de amigos do clube e querer se juntar a diretoria e a comunidade pernambucana no tento de ajudar o América, que ele volte a brilhar para que seu futuro possa ser diferente de seu presente e na medida do possível possa dar alegrias só de vê-lo jogar novamente, buscando sempre um passado de glórias, mas acima de tudo construindo um presente diferente para que nosso amado América possa ainda existir num futuro não tão distante. 

Fonte: História Sobre o Tempo

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Depoimento de João Cabral de Melo Nelo sobre o América

"Há os que gostam de ver futebol porque gostam de ver o time predileto ganhar. Mas acontece que meu clube é o América. Ganha tão pouco... Então, gosto de futebol não para ganhar. Gosto pelo espetáculo. Eu era América no Recife. Quando voltei para o Rio, era normal que fosse América também. Joguei um campeonato pelo América, no Recife. O Santa Cruz tinha chegado ao fim do campeonato empatado com o Torre, um clube que nem existe mais. O Santa Cruz não tinha center-half. Então, descobriram que a minha mãe era fanática pelo Santa Cruz, embora nunca tenha ido a um jogo de futebol. A diretoria do Santa Cruz, então, foi pedir à minha mãe que me fizesse jogar pelo Santa Cruz. Joguei."
João Cabral de Melo Neto