segunda-feira, 16 de novembro de 2009

A agonia de um campeão

Em 20 de abril de 1914 era fundado no Recife o Sport Club Flamengo, seu padrão era calção branco, camisa preta, com uma cruz branca no peito esquerdo, resquício do antigo Cruz Branca do qual se originou, o nome resultou da simpatia dos seus fundadores ao homônimo carioca, completando assim o surgimento dos três clubes que mais tarde conquistariam o título estadual criados neste ano, as demais foram o Santa Cruz em 3 de fevereiro e o João de Barros (atual América) em 12 de abril, além de dividirem o mérito pela criação da Liga Sportiva Pernambucana que anos mais tarde se tornaria a Federação Pernambucana de Futebol.

Antecedente a criação da liga o Flamengo começava suas atividades esportivas e no ano seguinte o alvinegro enfrentaria por duas vezes o Santa Cruz no Campo do Derby até então o local era conhecido como Campina do Derby, nas duas oportunidades a equipe saiu derrotada, primeiramente no dia 30 de maio quando perdeu por 1 a 0 e em seguida na data 20 de junho quando fora vencido por 3 a 0 . No dia 16 de julho daquele mesmo ano era enfim fundada a Liga Sportiva Pernambucana com a participação de poucos dirigentes. Foram eles, Aristeu Accioly Lins, Eduardo Lemos e Otávio Silveira, representantes do João de Barros; Antônio Miranda, Joaquim Chaves e Herotides Xavier, representantes do Flamengo; Bruno Burlini, Olinto Jácome e Severino Arruda, representantes do Centro Sportivo do Peres; Alcindo Wanderley, representante do Santa Cruz, e João Ranulpho e Oswaldo Antunes, representantes do Agro Sport Club do Socorro. A reunião, organizada pelo João de Barros, aconteceu na casa do desportista Aristeu Accioly Lins, tesoureiro da agremiação promotora e que o elegeu como presidente provisório da entidade. Pouco tempo depois o Torre e a Colligação Sportiva Recifense se filiam enquanto o Agro se desligava oficialmente da instituição dando as devidas condições para a realização do torneio.

A estréia do Flamengo ocorreu em 15 de agosto com a vitória por 2 a 1 diante do Perez e ao termino do primeiro turno tanto o alvinegro, quanto o Santa Cruz e Torre estavam empatados na liderança do certame com as mesmas quantidades de pontos e sem nenhuma derrota. Com a excursão do América carioca que chegou ao Recife no dia 10 de novembro a competição foi paralisada para a realização de amistosos com a equipe rubra após sua partida o torneio é reiniciado, mas devido a proximidade do fim do ano a comissão resolveu não realizar o segundo turno e sim um triangular final com as equipes que dividiam o primeiro lugar. No dia 5 de dezembro, o Flamengo vence o Santa Cruz por 6 a 2 ficando próximo do inédito título que se confirma quando vence o Torre por 3 a 1 em 12 de dezembro. O time campeão estadual contava com a seguinte escalação: Luiz, Alves, Albuquerque, Frederico, Ruy, Abdon, Waldemar, Gastão, Taylor, Percy Fellows e Lelis.

Em nota o Diário de Pernambuco publica em 14 de dezembro a seguinte matéria:

"Encerrou-se anteontem, com a vitória do Sport Club Flamengo contra o Torre Sport Club, o campeonato da Liga Sportiva Pernambucana, instituído para o football. Depois de uma série de matchs emocionantes, que trouxeram em constante delírio o público esportivo do Recife, teve o Flamengo coroado os seus esforços e firmada a sua força dentre os seus dignos adversários nas lutas pacíficas do esporte. O Flamengo do Recife quis ser o êmulo do seu congênere do Rio, e vencendo a tática do Santa Cruz e a tenacidade do Torre, soube guardar para si os louros da vitória - e as "louras medalhas."

Com uma campanhabrilhante de cinco vitórias, dois empates e nenhuma derrota o time do tenente Colares, que pelos os poucos registros deveria ser o provável presidente, sagra-se campeão invicto. Como era ardoroso defenso do amadorismo perdeu muitos de seus jogadores para times profissionais e por ironia do destino os patativas (como eram conhecidos), depois do título conquistado transformou-se numa equipe fraca que passou a sofrer goleadas históricas. Dentre os maiores vexames está a maior goleada de todos os Pernambucanos por 21 a 3 diante do Náutico em 1 de julho de 1945, um 16 a 0 diante o Sport em 1938, um 14 a 0 diante do Santa Cruz em 1949 e uma derrota por 15 a 2 diante do América em 1944.

Apenas em duas oportunidades o clube conseguiu terminar em terceiro lugar isso nos anos de 1927 e 1931, a falta de recursos obrigou o alvinegro pedir licença da federação em 1939, 1942 e 1948, com o passar do tempo os maus resultados foram se agravando acumulando quatro penúltimos e sete últimos lugares até que em 1949 totalmente falido o Flamengo encerra definitivamente sua trajetória no futebol pernambucano ponto fim a uma longa agonia.

3 comentários:

  1. Flamengo, Torre e Traywans... Três campeões pernambucanos que já não existem.

    ResponderExcluir
  2. Flamengo, Torre e Traywans... Três campeões pernambucanos que já não existem.

    ResponderExcluir
  3. ainda me lembro e muito bem da bela sede do flamengo, na av 17 de agosto, em casa forte, onde hoje está sediado o CPOR.. por volta de 1954, 55, eu menino de 8 a 9 anos passava todos os dias por ali.. a antiga mansão, já com as portas todas fechadas, mas o escudo do flamengo fixado à altura do primeiro andar da imponente casa, mostrava que ali foi sediado um dos pioneiros do futebol pernambucano, o alvi-negro de casa forte !

    ResponderExcluir