sábado, 9 de janeiro de 2010

Hoje é dia de João Cabral de Melo Neto

Há 90 anos, neste mesmo dia 09 de Janeiro nascia no Recife o maior dos torcedores Esmeraldinos, João Cabral de Melo Neto.
Além de poeta, João Cabral chegou a ocupar posição de center-half, ou, como se diz hoje, a posição de volante, e foi uma promessa do futebol pernambucano. Nele, disposição física e apuro intelectual conviveram sem crises ou antagonismos. Na adolescência, jogou pelos times América do Recife e Santa Cruz. Em 1935, aos 15 anos, foi campeão juvenil pelo Santa Cruz Futebol Clube (Imagem à esquerda, acervo da família Cabral de Melo). Da obra poética de João Cabral pode-se mencionar, ao acaso, pela sua variedade, os seguintes títulos: "Pedro do sono", 1942; "O engenheiro", 1945; "O cão sem plumas", 1950; "O rio", 1954; "Quaderna", 1960; "Poemas escolhidos", 1963; "A educação pela pedra", 1966; "Morte e vida severina e outros poemas em voz alta", 1966; "Museu de tudo", 1975; "A escola das facas", 1980; "Agreste", 1985; "Auto do frade", 1986; "Crime na Calle Relator", 1987; "Sevilla andando", 1989. Foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras em 15 de agosto de 1968, tomou posse de sua cadeira em 6 de maio de 1969. No final da década de 80, descobriu que sofria de uma doença degenerativa incurável, através de uma forte dor de cabeça constante que causaria, aos poucos, a perda da visão, fazendo-o parar de escrever, ficar depressivo, e a vontade de falar (“Não tenho muito o que dizer", argumentava) No dia 09 de Outubro de 1999, no Rio de Janeiro, aos 79 anos, encoberto com a bandeira do América-RJ e com a tristeza de não rever o Campeão do Centenário forte como antes, em sua juventude. Um dos momentos marcantes de seu velório foi o discurso proferido Arnaldo Niskier, no "Salão dos Poetas Românticos", na Academia Brasileira de Letras, onde foi velado seu corpo:
"Fecham-se os olhos cansados do poeta João e não conseguimos realizar o sonho que agora desvendo: ver o America Football Club voltar aos seus dias de glória. Nem o daqui do Rio, nem aquele que era a sua verdadeira paixão: o America do Recife."

Um comentário:

  1. Parabéns pelo blog. Excelente. Pelo seu passado de glórias e tradições, o América merece.

    ResponderExcluir