quinta-feira, 26 de maio de 2011

O América e o Ademir

Dois anos de parceria e um único resultado: saldo mais do que positivo. Nessa assertiva se resume a relação entre o América e o Ademir Cunha ou como bem poderíamos chamar, o Cunhão Alviverde!

Durante seus quinze anos de ocaso e após a saída do Jefferson de Freitas na década de 1990, o América peregrinou por várias cidades em busca de um porto seguro. Na maioria encontrou uma boa acolhida e um apoio vibrante por parte dos munícipes. Mas certamente em Paulista o Mequinha viveu seus melhores dias nos últimos anos. Duas temporadas e duas vitórias: um vice-campeonato em competição oficial da FPF (coisa que não acontecia desde a década de 1970) e uma permanência empolgante e heróica. Além das vitórias em campo o América conseguiu resgatar o orgulho de ser Esmeraldino em jovens que só ouviram as histórias de um clube corajoso e cativante. Quase não temos do que reclamar.

Mas os benefícios não ficaram apenas do lado da Estrada do Arraial. O Ademir Cunha se revitalizou a ponto de ressurgir como um importante palco no teatro da bola pernambucano. Isso se deve, sobretudo ao esforço da diretoria Alviverde que conseguiu provar a viabilidade do uso dessa praça e assumiu com coragem a organização dos eventos.

E o retorno foi pomposo. Com direito a transmissão televisiva em duas ocasiões em que o alcance teve repercussão nacional. Além disso, agora o Ademir Cunha provou ser um palco digno de sediar partidas de competições nacionais e não apenas amadoras como estava desde a interdição e até antes da parceria com o Mequinha. Para alguns isso pode parecer natural ou bobagem, mas isso representou visibilidade estadual e nacional para a prefeitura do Paulista. A marca da prefeitura foi mostrada em horário nobre por mais de 90 minutos e teoricamente sem custos, algo que tem importância capital no marketing. Esse benefício se estendeu, pois a praça ganhou a confiança da FPF e da CBF devido ao clima tranquilo em que transcorreram as partidas do Mequinha no PE2011 e é palco de jogos da série B do brasileirão, além de ser cogitada para ser um dos centros de treino para a copa do mundo de 2014.

Claro que houveram crises nessa relação. Claro que existem pontos a serem corrigidos. Claro que houveram erros em ambas as partes. Mas acima de tudo, os dois lados se beneficiaram e isso justifica a continuidade da parceria. E esperamos que se estenda pelo tempo necessário.

2 comentários:

  1. muito bom jefferson ! realmente paulista é hoje nossa casa.. aliás, estou precisando urgentemente arranjar tempo pra ir lá em paulista dar um abraço no mestre roberto couto, o grande americano de paulista !

    ResponderExcluir
  2. MEU SONHO É VER UM JOGO DA SÉRIE D DO MEQUINHA NO ADEMIR CUNHA.JÁ PENSARAM NESTA HIPOTESE?NÃO É SONHO NÃO É OBJETIVO,E NUUUUUUUUUUUUUUNCA DUVIDEM DISTO AMIGOS,POIS O CÉU É O NOSSO LIMITE.
    DE MARCÃO O INSACIÁVEL

    ResponderExcluir