quinta-feira, 19 de maio de 2011

Raio X do Mequinha - parte 1

Em 13 de janeiro o América abriu sua participação no retorno à série A2, após uma década e meia afastado da elite. Mesmo perdendo, as circunstâncias do jogo levou sua torcida a acreditar num boa campanha. Esperança que se desfez após uma sequencia de derrotas e decepções. Mas no meio do campeonato, quando as coisas pareciam totalmente perdidas, o América iniciou uma campanha de recuperação histórica e heróica que resultou numa das páginas mais emocionantes do futebol pernambucano dos últimos anos.

Nessa jornada passaram 40 atletas pelo Mequinha, destes apenas quatro não entraram em campo com o manto Esmeraldino. Negretti foi quem mais tempo passou em campo defendendo nossas cores. O zagueiro disputou 19 partidas e totalizou 1611 minutos jogados. Curiosamente os outros dois zagueiros Alviverdes foram quem permaneceram mais tempo em campo. Carioca jogou 18 jogos e 1509 minutos e David 17 jogos e 1453 minutos. Tassyo e Pintado foram os que menos atuaram, apenas 33 minutos cada.

O time teve uma média de idade de 25 anos tendo Rafinha e Júlio César (que acabou atuando mais nos juniores) como os jogadores mais jovens com 19 anos e Humberto e Givaldo os mais experientes com 37 anos.

O Mequinha teve onze atletas balançando as redes adversárias. Silvano e França dividiram a artilharia com 5 gols, sendo seguidos por Branquinho com 4. Entre os defensores David e Roma marcaram por 2 vezes. Mas todos se lembram do heróico gol de Carioca nos minutos finais da partida contra o Araripina, o único marcado pelo zagueiro Alviverde.

Por falar em gols, o América foi detentor do 6º melhor ataque do campeonato, mas teve a segunda pior defesa. No total fizemos 26 gols e sofremos 35 ficando com um saldo negativo de 9 gols, o terceiro pior do certame 2011.

Esses gols nos ajudaram a ter a 9ª melhor campanha e a consolidar a permanência na elite para 2012, com um aproveitamento geral de 35%. Como mandantes tivemos 39% de aproveitamento, o pior entre as 12 equipes. Como visitantes tivemos o sexto melhor aproveitamento, 30%. Vale lembrar que este aproveitamento baixo dentro de casa é reflexo do péssimo início e das rodadas sem mando efetivo de campo.

No quesito disciplina ficamos entre os 4 piores, mas bem distante dos dois primeiros, Araripina e Central. Ao todo sofremos 69 cartões amarelos. Sobrou para nossa zaga o troféu de mais punidos com o sinal de advertência: David, Negretti e Carioca compartilharam este título com 8 cartões cada. Por 6 vezes o Mequinha teve um jogador punido por expulsão em 3 ocasiões foram resultantes de um segundo cartão amarelo e nas outras 3 foi expulsão direta. David foi o recordista negativo com 2 vermelhos, ambos conseqüência do segundo cartão amarelo. Givaldo, Alexandre Oliveira e Juninho Potiguar sofreram expulsão direta.

Vale ressaltar que o América teve uma sazonalidade muito pronunciada no campeonato. Basicamente vivemos dois momentos: pré-Paulo Jr. e pós-Paulo Jr. Essa diferença será analisada com mais profundidade em outra postagem.

3 comentários:

  1. blz de análise, jefferson !
    esses números que vc tão bem nos trouxe, bem mastigadinhos já dão uma idéia do que o américa pode fazer para melhorar sua atuação em 2012 e do que não deve fazer para repetir erros e evitar contratempos observados nesse campeonato de 2011..
    parabéns ! vc refletiu bem o pensamento da torcida americana..

    ResponderExcluir
  2. JÉFERSON,ADOREI ESTE SEU MINUNCIOSO RAIO X DO MEQUINHA NO CAMPEONATO.QUERO VER TAMBÉM A DA SEGUNDA FASE,NO QUAL FICAMOS EM QUARTO LUGAR,E ESTARÍAMOS NA SEMI FINAL,SE O REGULAMENTO FOSSE IGUAL A DA BAHIA POR EXEMPLO.
    caras,estava na boa vista quando passou um senhor com a camisa do mequinha por lá,e não é que fiquei muito feliz com isto?!?
    DE MARCÃO NO ACONCHEGANTE E BARULHENTO BAIRRO DA VILA RICA EM JABOATÃO CITY.

    ResponderExcluir
  3. Parabêns, Jefferson!! A matéria ficou do caramba. fico na expectativa da segunda parte que também será muito boa!!!!!

    ResponderExcluir