quinta-feira, 28 de julho de 2011

Antropologia: é cult torcer para o América

Este texto foi originalmente publicado no excelente Diário Pernambucano. Embora o site em sua essência e originalidade publica notícias fakes, este texto bem que reflete um pouco do que é a torcida esmeraldina de fato. Pelo menos eu me indentifiquei em alguns dos parágrafos abaixo, e você?
Você escuta Tecnobrega tocado por bandas como Faringes da Paixão e Tanga de Sereia? Você incorporou o espírito melobrega do Recife e chora ao ouvir as músicas do Mombojó e Volver? Seus óculos, maiores que a sua cara, têm uma armação retrô de acrílico preto? Tens frequentado o Mercado da Boa vista, mas não gostas de sarapatel e nem de cana com limão? Então você é um potencial torcedor do América-PE .

É o que afirma a pesquisa realizada por antropólogos informais da UFPE. Esses especialistas em comportamento, são unânimes em afirmar que a opção de torcer para o alviverde da Estrada do Arraial tornou-se uma postura cult. Vale salientar que o esforço de pesquisa foi realizado apenas no universo da UFPE.

“O futebol representa a alienação das massas e diminui o poder de crítica. Os times massificados não atendem as demandas de pessoas que gostam de futebol e ao mesmo tempo têm poder de questionamento. Por não ser um antro de discussões frequentes e de paixões desenfreados, como os 3 grandes alienantes da capital, resolvi torcer para o time que está fora dessa pobreza de espírito: o lendário América”, afirma Waldir Souza Ramos, estudante do terceiro período de Ciências Sociais.

Antes de ter conquistado heroica e sortudamente a honra de permanecer mais um ano na elite do futebol pernambucano, o clube é dono da alcunha de “campeão do centenário” (poucos sabem o porquê) e de feitos até então nunca alcançados por seus rivais, como por exemplo, o de ter mais títulos estaduais do que o seu antigo arquirrival, o Sport. O América também é conhecido por ser o segundo time da maioria dos pernambucanos que não são paraibacas torcem para os times do Sudeste.

Estima-se que menos de 10% da população recifense tenha conhecimento das conquistas do glorioso periquito. Assim, trata-se de um público muito menor e mais seleto do que o dos admiradores de Mombojó ou até mesmo dos frequentadores de festas como Fogo na Shana, Guaiamun Treloso e Rec-Beat. Ainda segundo a pesquisa, torcedores reais do América são realmente raros de se encontrar. Então, não se engane com as camisas retrôs que andam rolando por ai.

Um comentário:

  1. PARABÉNS PELO TEXTO MEU QUERIDO AMIGO WASHINGTON,ELE DIZ A ESSENNCIA RELA DO QUE É(E O QUE ESPERA)DE SER UM TORCEDOR DO AMÉRICA DE RECIFE.SIGNIFICA DIZER QUE COM CERTEZA VC ESTARÁ NO TOPO LOGO LOGO,E UM BOM AMERICANO NÃO PRECISA DE SORTE PARA CHEGAR LÁ,É CHEIO DE COMPETENCIA MESMO.
    O SUCESSO ESTÁ LOGO ALÍ...E É VERDE ESMERALDA.
    MARCÃO-O ASTRO

    ResponderExcluir