quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Muita garra, muita superação e uma vitória fundamental



Um jogo com todos os toques emocionais de uma decisão que felizmente foi vencido pelo América.

Começamos mal. Com uma postura defensiva muito acentuada e fazendo a marcação do meio para trás, O América praticamente assistiu o Chã Grande jogar durante os primeiros 20 minutos. Logo no primeiro lance o Chã Grande  chegou assustando com um chute de fora da área que foi defendido por Diego e ainda tocou na trave antes de sair pela linha de fundo. Aliás, Diego foi o nome do jogo e essa não foi a única defesa que ele fez ao longo do primeiro tempo. O América continuava insistindo nos erros e chegava pouco no ataque, mas equilibrava a marcação e a partida começava a ficar equilibrada. Por volta dos 30 minutos Bia foi expulso após cometer uma falta violenta no meio campo. A preocupação ficou triplicada. Se com dez jogadores não fazíamos boa partida, com um a menos então a lógica seria o Chã Grande fazer a festa. Mas o futebol é ilógico.

Aos 45 minutos, Phillip brigou pela bola na lateral esquerda, fez jogada individual e cruzou na área para João Paulo que com muita consciência cabeceou no canto esquerdo do goleiro Rodrigo que nada pode fazer. O América estava na frente do placar na hora certa.

Veio o segundo tempo e o que se viu foi muita garra, muta superação e aquele equilíbrio do sistema defensivo. Quando a bola passava da defesa, Diego garantia. E de forma bem curiosa o América passou a atacar melhor mesmo com um jogador a menos. Na realidade as chances mais claras de gol ficaram a favor do América. Inclusive com um erro da zaga do Chã Grande que bateu cabeça e quase o América ampliou o placar. Até o fim, muita garra e superação e saímos com uma vitória que nos deu alívio e nos colocou em segundo lugar na classificação.

A postura defensiva o América assustou. O time ficou muito recuado e marcava da intermediária para trás. Essa postura funcionaria se o nosso meio campo ganhasse na marcação, mas o Chã Grande tocava bem a bola e fazia com facilidade a aproximação. Bruno fez falta e Glauber entrou um pouco nervoso e meio desatento. Mas ele se recuperou e foi fundamental ao longo do jogo. Tecnicamente o América errou muito. Os passes errados comprometiam as saídas, principalmente no primeiro tempo. Mas mesmo com um a menos o time se ajustou e teve condições de vencer com mais tranquilidade.

Com oito pontos estamos em segundo. Mas não tem vida fácil. O Ypiranga nosso próximo adversário está na zona de rebaixamento com dois pontos a menos do que o América. Tudo continua muito equilibrado e precisaremos vencer o próximo jogo para ter tranquilidade de fato.

De qualquer forma será mais de uma semana de folga longe da incômoda zona de rebaixamento.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

A quinta decisão: Sem espaços para vacilos



Em ritmo de carnaval, vamos para mais um decisivo no Hexagonal da Permanência, partidas essas que valem muito para um futuro menos cruel.  Mesmo com o ritmo frenético de festas, blocos, troças e bailes, o momento é tenso, e a noite tem tudo pra garantir ares dramáticos durante os 90 minutos.

Contra o Chã Grande, o América tentará conquistar sua segunda vitória dentro de casa, três pontos que não são garantidos a duas rodadas, coincidentemente, o mesmo período do Chã Grande, que encontra-se na terceira colocação, com seis pontos, um a mais que o time da Estrada do Arraial.

Se depender do jogo contra o Serra Talhada, não teremos a zaga modificada pelo técnico João Carlos, a não ser que seja por motivos de cartão ou suspensão automática. No meio-campo, dúvida entre Dieguinho e Everaldo ao lado de Kassio, recuperado de lesão. Quanto ao ataque, setor crônico esmeraldino, deverá repetir a formação com Phillip e Saulo.  

Formação a parte, esperamos que o time que entre termine o jogo com vitória. Chegamos a metade do caminho neste Hexagonal da Permanência e vacilos como contra o Pesqueira realizados na ultima quarta-feira poderão culminar o nosso fracasso.

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 2x1 ABC - RN em janeiro de 1981

As Memórias Esmeraldinas de hoje te levará para o ano de 1981, ano em que o América do Recife disputou o Campeonato Brasileiro da Segunda Divisão (Taça de Prata), vindo a fazer uma campanha de destaque. Naquele ano nascia o ator e humorista Marcelo Adnet (ex-MTV e hoje na Rede Globo), o jogador de futebol argentino Javier Saviola hoje no Olympiakos da Grécia e o jogador espanhol David Villa do Atlético de Madrid. Ainda em 1981 falecia o ator e cineasta Amácio Mazzaropi, participante da vários filmes de comédia como “Sai da Frente” de 1952, “Zé do Periquito” de 1960 e “A banda das Velhas Virgens” de 1979.

Nota de destaque do Diário de Pernambuco sobre a partida
América do Recife x ABC na cidade de Jaboatão
No dia 25 de janeiro, o “Mequinha” entrou em campo no Estádio Jefferson de Freitas em Jaboatão para enfrentar o ABC de Natal-RN em duelo válido pela quinta rodada da primeira fase. Os alviverdes, que haviam empatado no Estádio do Arruda contra o Náutico, vinham na terceira colocação com cinco pontos ganhos, um a menos que o alvirrubros de Rosa e Silva e dois a menos que o líder Botafogo da Paraíba. A vitória do Náutico contra o Treze de Campina Grande no sábado tinha sido um resultado adverso e com isso, somente a vitória contra os potiguares interessava para que a equipe da Estrada do Arraial não se distanciasse da zona de classificação. Os jogadores comandados pelo treinador Jálber Carvalho no sábado pela manhã fizeram um treino leve no próprio Estádio Jefferson de Freitas em Jaboatão e receberam das mãos do dirigente Fernando Fraga, a premiação de dois mil cruzeiros, devido ao empate contra o Náutico na quarta feira passada e adiantou que em caso de sucesso contra os alvinegros do Rio Grande do Norte, haveria uma boa premiação de três mil cruzeiros, valor este que poderia ser aumentado a depender da produção da equipe nas quatro linhas e da disponibilidade dos conselheiros.

Lance do 1° gol do América do Recife contra o ABC de Natal no Estádio
Jefferson de Freitas em Jaboatão em 1981 pela Taça de Prata.
O jogo daquele domingo de sol na cidade de Jaboatão teria a arbitragem de Antônio Moraes e seria auxiliado por Arlindo Maciel e Hélio Ferreira. Quando o relógio apontou 16:30h América do Recife x ABC de Natal teve o seu início autorizado e desde os primeiros minutos o time pernambucano tentou sufocar o adversário em seu setor de defesa. Os alviverdes de Casa Amarela tiveram duas grandes chances de gol que deixaram o torcedor jaboatonense aflito nas arquibancadas, entretanto aos 38 minutos Valdir lançou Rivaldo, ex-juvenil do Sport, que se livrou dos marcadores e chutou indefensável contra o gol do goleiro Carlinhos. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X0 ABC – RN e a emoção tomava conta do Jefferson de Freitas, vindo minutos mais tarde a se encerrar o primeiro tempo de jogo.

Ilustração de América x ABC-RN no Estádio Jefferson de Freitas em Jaboatão
em 25/01/1981 pelo Brasileirão Série B (Taça de Prata)
Para o segundo tempo o treinador Jálber Carvalho resolveu fazer duas alterações que foram as entradas de Williams Rocha e Agnaldo nos lugares de Pedrinho e Valdir respectivamente. No alvinegro no Rio Grande do Norte, Gérson entrou no lugar de Sílvio e Arié entrou no lugar de Paulinho. O segundo tempo começa e o ABC de Natal foi para cima tentando se recuperar do gol sofrido. Em um destes lances, aos 9 minutos, o defensor Geraílton do América corta cruzamento com a mão e o árbitro Antônio Moraes aponta pênalti para o ABC! O pernambucano Jonas foi para a cobrança e venceu o goleiro Batista e empatou a partida em Jaboatão. AMÉRICA 1X1 ABC – RN. O clube esmeraldino não se abateu e partiu para o ataque em uma boa sequência de jogadas que deixaram o torcedor de Jaboatão esperançoso. Aos 22 minutos Marcos Costa recebeu a bola e avançou e vendo uma brecha entre a trave e o goleiro alvinegro, desferiu um forte chute para colocar o América do Recife em vantagem no placar. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X1 ABC – RN e o torcedor de Jaboatão transformava o estádio da cidade num caldeirão verde e branco, que em muitos momentos assustaram os jogadores do time potiguar.

Foto de uma tentativa de ataque do América
A pressão americana continuou até o final da partida, valendo citação para o incrível gol perdido pelo atacante Marcos Pintado, que poderia ter aumentado a vantagem dos pernambucanos no placar. 3.026 pagantes estiveram presentes no Estádio Jefferson de Freitas em Jaboatão naquele dia, o que proporcionou uma renda de 189.010 cruzeiros. O treinador Jálber Carvalho apontou que a vitória foi importante, mas que a grande quantidade de gols perdidos foi um detalhe que o chamou a atenção e que deveria ser corrigido. Marcos Costa, de contrato renovado há poucos dias, tentou mostrar com o gol da vitória, que o investimento feito nele não seria em vão. De acordo com a reportagem do jornal Diário de Pernambuco, o ex-dirigente Celso Muniz estava eufórico e avisou que mesmo não fazendo parte da atual diretoria, sempre acompanhou os jogos do América na Taça de Prata.


Folha esportiva do Diário de Pernambuco de 26 de janeiro
de 1981 destacando a bela vitória contra os potiguares





O dirigente Fernando Guerra avisou que o prêmio pela vitória contra o ABC superaria as expectativas e que o valor a ser entregue aos jogadores seria de 4 mil cruzeiros, como forma de premiação. Humberto Barradas, diretor do clube esmeraldino, avisou que em caso de vitória contra o Confiança de Sergipe, tentaria trazer o jogo contra o ASA de Arapiraca para Jaboatão em vez de ser jogado em Alagoas, pois a respectiva agremiação alagoana já estava fora da disputa pela classificação e que a renda seria benéfica tanto para o América quanto para o ASA. As equipes do jogo entre América – PE x ABC – RN formaram com as seguintes escalações:



AMÉRICA FUTEBOL CLUBE (PE):
 Batista;
Gonçalves, Nilo, Gerailton e Escada;
Givaldo, Pedrinho e Rivaldo;
Valdir, Marcos Pintado e Marcos Costa.


ABC FUTEBOL CLUBE (RN)
Carlinhos;
Sílvio, Ticão, Cláudio e Joel;
Paulinho, Zezinho e Noé Soares;
Juarez, Jonas e Babá.



terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

América fecha parceria para a temporada de Society



E o time Campeão do Centenário entrará em seu segundo ano no Futebol Society. Depois de um 2013 de bons resultados na modalidade, fazendo sua estréia no Campeonato Pernambucano e na Copa Nordeste, a equipe esmeraldina pretende continuar fazendo bonito e trazendo novidades para este ano. A primeira delas é a parceria com o Boa Vista Futebol Society, clube sediado em Aldeia e que somará forças ao  time da Estrada do Arraial nesta temporada.

Liderados pelo Fábio Vila Nova, substituindo o comando de Joel Fernandes que agora defende a equipe do PE Consig Society, o time esmeraldino já tem data para entrar em quadra. No último sábado (22), a Federação 7 Society de Pernambuco (F7SPE) realizou a reunião sobre a primeira competição do society pernambucano, a Taça Pernambuco. Contando com 13 equipes, foram definidos os grupos e o regulamento da competição.

A Taça Pernambuco começa no dia 16 de março e definirá as oito times classificadas para a Série A do Campeonato Pernambucano. Sorteado no grupo A, o América/Boa Vista terá como adversários as equipes do Abraço Forte/Mercadão do Óleo, Residenc, Sinttel, Camaleão e Universitários. Já o Grupo B será formado por Náutico, PE Consig, Íbis, Santa Cruz, Sport, Brazão e Rm Society. As quatro melhores equipes de cada grupo garantirão vaga para a segunda fase da competição.

PE-SUB 20 começa no fim de março



Já está marcada a data para início da competição SUB-20 do Campeonato Pernambuco de 2014. Será dia 29 de março, em um sábado. No entanto, ainda não foi divulgada a tabela da competição. Ao todo serão dezesseis clubes. Os doze que estão disputando a A1 mais Atlético Pernambucano, Belo Jardim, Cabense e Vera Cruz. A fórmula da competição também não foi divulgada e a FPF marcou para o dia 10 de março uma reunião com os clubes participantes.

Na última edição o América fez uma brilhante campanha ficando entre os quatro primeiros colocados, sendo desclassificado na semi-final para o campeão Náutico depois de um empate em 0 a 0 e um derrota nos Aflitos.

O América já está se preparando para a competição desde o começo do ano e intensificou os treinos nas últimas semanas. Alguns jogadores que estão participando da A1 terão condições de disputar o sub-20 de 2014 mantendo uma base que se espera ser forte. Entre eles estão Everaldo, Jackson e Márcio. 

Sebastião Rufino Filho será o árbitro de América x Chã Grande



Em sorteio realizado nesta segunda-feira (24), na sede da Federação Pernambucana de Futebol (FPF-PE) pela comissão Estadual de Arbitragem de Futebol (CEAF-PE), foi divulgado o quarteto de arbitragem que comandará os Jogos da quinta rodada do Campeonato Pernambucano

Para América x Chã Grande, a ser realizado nesta quarta-feira (26), às 20h no Estádio Ademir Cunha foram escalados Sebastião Rufino Ribeiro Filho (CBF) como árbitro, contando como assistentes Aldir Amorim Pereira (FPF) e Fabrício Leite de Vendas (FPF) . Luciano Luis de Castro Silva (FPF) será o Quatro árbitro.

Este seráo o primeiro Trabalho de Sebastião Rufino Filho em um jogo do América neste Campeonato Pernambucano. Por Sinal, o ultimo trabalho que árbitro esteve em campo com o o América foi o primeiro jogo da semi-final do Campeonato Pernambucano Série A2 de 2013, entre Olinda x América, terminado em um empate sem gols, no Estádio Olindão, Em Olinda.


segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Saiba porque o América é o Campeão do Centenário

Elenco fazer América, Campeão Pernambucano de 1922


O ano de 1922 foi especial para o futebol em todos os Estados do Brasil. Comemorava-se o primeiro aniversário do Grito da Independência. Em Pernambuco, coube ao América Futebol Clube a primazia de levantar a taça, o que lhe deu o título, mencionado até hoje, de Campeão do Centenário. (O Corinthians foi campeão paulista naquele ano, tendo recebido a mesma adjetivação. Em 1954, o alvinegro da cidade de São Paulo levantou o título no campeonato em que foi comemorado o quarto centenário da capital bandeirante, passando a ser chamado de Campeão dos Centenários).

Por falar nisso, a exemplo do Santa Cruz, o América está bem perto de festejar seu centenário, uma vez que foi fundado em 12 de abril de 1914.

No campeonato Pernambucano de 1922, como era praxe, hiuve vários jogos interrompidos pelos mais diversos motivos, principalmente pelo fato de o campo ter ficado escuro, como o clássico América x Sport da primeira rodada, que terminaria decidindo o campeonato.

O Senhor Inverno, que duas décadas mais tarde, durante a segunda Guerra Mundial, terminaria provocando o fracasso das tropas de Hitler na sua incursão pela União Soviética, deu as cartas no nosso campeonato, só que em proporções bem menores, justamente no ano em que o Brasil comemorava o centenário do Grito do Ypiranga.

O campeonato foi disputado em um turno único. Assim houve apenas os jogos de ida. Mais uma vez, Sport e América surgiam como candidatos ao título de campeão. Os rubro-negros pretendiam interromper a marcha de seu maior rival, que buscava o segundo bicampeonato.

A Liga já tinha instituído o sistema de dois ou mais jogos por rodada. Logo de saída, Náutico x Centro Peres deixou de ser disputado por causa do mau tempo. Tendo sido marcada para outra data, a partida terminou não sendo realizada porque o Peres entregou os pontos. Isso era um expediente comum e legal naquele tempo. Vitória do Náutico, portanto, por WO.

No mesmo dia, 7 de maio, o América estava derrotando o Sport pela contagem de 2 x 1, tendo sido o encontro suspenso por falta de iluminação. Na época invernosa, como ainda acontece hoje, escurece mais cedo nesta Região, e os campos ainda não tinham luz artificial.

A direção da Liga determinou que os oito minutos restantes fossem disputados mais adiante, depois do cumprimento da tabela. Assim, rubro-negros e alviverdes voltaram a campo em 19 de novembro. Local, Jaqueira, chamado de América Parque, onde a partida estava sendo disputada ao ser interrompida.

Embora estivesse programado apenas um restinho de jogo, um grande público compareceu. É que estava em cena o pomposo título de Campeão do Centenário.

O América, que sofrera uma derrota em meio à sua jornada, ao perder para o Torre por 1 x 0, chegava àquele momento, com 10 pontos ganhos, enquanto o Sport tinha 11, sem incluir, é claro, os pontos daquela partida, que os americanos estavam ganhando por 2 x 1.

Foram instantes dramáticos. O Sport lançou-se furiosamente ao ataque. Se conseguisse pelo menos empatar o jogo, ficaria com 12 pontos, e deixaria o gramado festejando a conquista de mais um título.

Já o América defendia-se com unhas e dentes, uma vez que se o placar fosse mantido, passaria a somar 12 pontos e levantaria a taça, pois o Sport permaneceria com 11. E foi o que ocorreu.

Final de jogo, vitória do América por 2 x 1. A torcida do América fez muito barulho na comemoração da conquista que ainda é lembrada, quando a imprensa refere-se ao seu clube como o Campeão do Centenário.

AMÉRICA 2 X 1 SPORT
Data: 07/05/1922
Local: América Parque, Jaqueira
Árbitro: Gastão Bittencourt
Gols: Araújo (2) – América, e Péricles – Sport

AMÉRICA (Campeão): Nozinho; Rômulo e Cunha Lima; Lindolpho, Licor e Faustino; Meirinha, Fabinho, Zé Tasso, Juju e Matuto.
SPORT (Vice-campeão): Mário Franco; Alarcon a Chalmers; M. Paranhos, Jack e Pedro Sá, Mathias Adour, Benedicto, Geraldo Bastos, Péricles Caldas e Aluísio Caldas.

Equipes dos oito minutos finais, em 19/11/1924:
AMÉRICA: Leça; Rômulo e Faustino; Lindolpho, Licor e Zizi; Meirinha, Fabinho, Zé Tasso, Juju e Matuto
SPORT: Mário Franco; Alarcon e Chakmers; Mathias Adour, Benedicto e Pedro Sá; Baltar. Hardy, Péricles Caldas, Walker e Aluízio Caldas.

Jogos do Campeão
07/05 América 2 x 1 Sport (Campo da Jaqueira, Recife) ¹
21/05 América 4 x 0 Peres  (Campo da Jaqueira, Recife)
04/06 América 2 x 1 Náutico  (Campo da Jaqueira, Recife)
23/07 América 3 x 1 Equador  (Campo da Jaqueira, Recife)
06/08 América 0 x 1 Torre  (Campo da Jaqueira, Recife)
22/10 América 2 x 1 Santa Cruz  (Campo da Jaqueira, Recife)
11/05 América 4 x 2 Flamengo  (Campo da Jaqueira, Recife)
___
¹ J ogo suspenso, faltando Oito Minutos Para O Término. Concluído los 19/11, o placar se manteve inalterado.
_ _
* Lenivaldo Aragão E Jornalista Esportivo em Pernambuco e trabalhou los Vários Jornais, rádios e Revistas do Recife e do Sul FAZEM País: Jornal do Commercio, Diário de Pernambuco, Diário da Noite, rádios Clube e Olinda, Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde, Jornal do Brasil, Jornal dos Sports e Tabloide Esportivo. Atualmente edita a revista  Clássico.COM .

Resultado positivo... ma non troppo




Empatar fora de casa é sempre um resultado positivo, mas para quem ganha jogos em casa.

O América foi até Serra Talhada e trouxe um ponto. O Jogo foi mandado pelo Serra Talhada no primeiro tempo. Mesmo que nenhuma oportunidade de gol tão clara assim tenha sido criada, o time sertanejo teve maior posse de bola e chegou bem ao ataque. Obrigou a defesa Americana e ao goleiro Diego a trabalharem, envolveu a marcação Esmeraldina e ainda bloqueou bem a criação do meio-campo, que neste domingo teve o retorno de Kássio. Mas o América segurou o resultado e o primeiro tempo terminou com o placar que se estenderia até o final.

No segundo tempo o América voltou melhor. Durante os 15 primeiros minutos da etapa complementar o Alviverde pressionou o Serra Talhada e criou chances, mas nenhuma tão clara assim. Nos últimos 35 minutos o jogo seguiu equilibrado e aberto, os sistemas de marcação relaxaram e os times ficaram mais ousados ​em busca de fazer o gol. Mas ele não veio. Fim de jogo e placar nulo para ambos os lados. Motivo para comemorar? Nem tanto.


O América manteve a tônica das últimas partidas. O time é relativamente seguro no sistema defensivo. Maurício e Ronaldo podem até ser citados como destaques do jogo. No entanto, do meio para frente o América não conseguiu fazer nada de diferente daquilo que já vimos. Nem a entrada de Kássio trouxe mais de volume de ataque. Aceitável diante do argumento que jogávamos fora de casa, mas ...

Mantivemos uma invencibilidade diante do Serra Talhada, trouxemos um ponto de suma importância, mas não podemos dormir felizes! Por que? Caímos da quarta para a quinta colocação, devido à mísera diferença de um gol. Obviamente nada está perdido e temos condições de sair desta posição, até mesmo por que o equilíbrio é grande: estamos empatados em pontos com o Ypiranga (o quarto colocado) e a dois pontos do primeiro colocado.

Mas este domingo nos deixa uma lição preocupante: não vencer em casa e não fazer gols pode fundamentar uma dura ironia de quando um resultado bom se transforma em um resultado trágico.

domingo, 23 de fevereiro de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 2x2 Tramways em julho de 1941

Folha esportiva do Jornal do Commercio
de 24 de julho de 1941

Em julho de 1941, no dia 24 para ser mais exato, o estádio dos Aflitos estava pronto para ser palco de mais um jogo do campeonato pernambucano de futebol. América e Tramways se enfrentaram pela quinta rodada do 1° turno do certame de 1941 com objetivos diferentes. O Tramways vinha na intenção de pontuar pela primeira vez no campeonato daquele ano e sair da incômoda última colocação, enquanto que o América Futebol Clube, que dividia a terceira colocação com o Santa Cruz ambos com quatro pontos, tentaria uma vitória para se aproximar do líder Sport Club do Recife que já possuía oito pontos. Foi o ano de nascimento da atriz catarinense Neuza Borges (Dona Diva da novela “Salve Jorge” da Rede Globo), do ex-treinador escocês Alex Ferguson que ganhou inúmeros títulos pelo Manchester United e do pintor e escritor carioca Oscar Araripe, autor de livros como “Maria na Terra de Meus Olhos” de 1975 e “Marta, Júpiter e Eu” de 1986.




Nota de destaque do JC a respeito do jogo entre americanos
e os elétricos da Torre.
O Tramways Sport Club havia sido bicampeão pernambucano invicto (1936/1937) e hexacampeão da Copa Torre (1934/35/36/37/38/39) e era o time da empresa britânica Pernambuco Tramways que foi criada em 1913 com a finalidade de operar linhas de bondes elétricos no Recife, bem como fazer a distribuição de energia elétrica na capital pernambucana. Entre 1914 e 1922 os bondes elétricos da Tramways substituíram de forma paulatina, os bondes a vapor da empresa Pernambuco Street Railway, conhecidos como “Machine Pump”, mas que na linguagem popular chamavam-se “Maxambombas”. Em 1962 o governo do estado rompe o contrato com a empresa e repassa os direitos sobre o transporte público e a eletricidade às empresas estatais CELPE e CTU.
Zagueiro Barbosa do América à esquerda e o atacante
Olívio do Tramways à direita: grande duelo nos Aflitos

Para a partida daquela noite as duas equipes vinham com modificações em seus elencos. No América, o atacante Plínio ex-jogador do Sport faria a sua estreia e o meia Pedrinho que sentia dores no tornozelo era dúvida, enquanto que no lado do “Tricolor Transviário”, o meia João vindo do futebol alagoano e Alemão ex-jogador do Náutico, vestiriam pela primeira vez a camisa do “Expresso da Torre”. Minutos antes de a partida começar ficou decidido que Pedrinho, mesmo não estando 100% entraria em campo para defender as cores esmeraldinas e que no lado do Tramways, Quirino seria mantido, em vez de haver a estreia de João Alagoano e que Robson daria a vez a Naná no ataque do time tricolor.




Ilustração de América 2x2 Tramways no campeonato estadual de 1941
no Estádio dos Aflitos em Recife-PE
As 21:15h o Sr. Carneiro Pessoa, árbitro do jogo, dava início a América x Tramways nos Aflitos. Os primeiros dez minutos foram de domínio americano, o que forçou o goleiro Epaminondas da “Águia da Torre” a fazer grandes intervenções de modo a segurar o placar. A partir de então até os 40 minutos, o Tramways equilibrou a partida e em diversas oportunidades chegou perto de chutar a bola para dentro do gol defendido pelo lendário goleiro Leça. Aos 41 minutos o Tramways encurralou o América que se defendia como podia e numa rebatida errada da defesa, a bola sobrou para o atacante Olívio, que tocou por cima da zaga e entre Leça e o travessão. Leça, que estava adiantado, se enganou ao pensar que a bola iria para fora e demorou a reagir e quando fez, não conseguiu evitar que a pelota ultrapassasse a linha. AMÉRICA 0X1 TRAMWAYS e assim terminou o primeiro tempo.

Folha do Jornal do Commercio ressaltando
o resultado de América 2x2 Tramways em julho de 1941
A segunda etapa do jogo é iniciada as 22:10h e o que se observa é o mesmo equilíbrio de antes. Aos 16 minutos, Capuco do América recebe a bola, mas por indecisão, a bola lhe é facilmente tomada por Olívio do Tramways, que dá passe para Sergio que avança e passa para Alcides, que num chute forte e cruzado amplia a vantagem dos “elétricos”. AMÉRICA 0X2 TRAMWAYS e a situação alviverde começava a ficar preocupante. Poucos minutos depois, o americano Plínio, dispara pela direita e já dentro da grande área tenta fazer o passe para Astrogildo, todavia, Alemão do Tramways corta o cruzamento com o braço e o Sr. Carneiro Pessoa marca o pênalti! Pinhegas bate o penal e vence o goleiro Epaminondas, que mais parecia fechar o gol com todas as letras de seu nome. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X2 TRAMWAYS e a reação estava por começar.

Nota do JC a respeito do grande jogo daquela noite
no Estádio dos Aflitos.
O “Tricolor Transviário” se fecha na defesa para segurar o resultado de vitória e com isso leva uma intensa pressão do time da Estrada do Arraial, porém, Alemão e Lucas, afastam o perigo quando podem e quando não conseguem, Epaminondas surge como um gigante para segurar a vitória. Como verde é a cor da esperança, aos 42 minutos Pinhegas acha Plínio livre de marcação e lhe passa a bola dentro da área para o estreante do dia soltar um míssil que só para nas redes de Epaminondas. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X2 TRAMWAYS. A águia da Torre suporta a pressão final e o jogo termina empatado. As equipes de América 2x2 Tramways assim estavam escaladas naquele dia 24 de julho de 1941:


AMÉRICA FUTEBOL CLUBE:
Leça;
Zé Maria e Barbosa;
Durval, Capuco e Pedrinho;
Plínio, Isaac, Pinhegas, Edgar e Astrogildo.


TRAMWAYS SPORT CLUB:
Epaminondas;
Alemão e Lucas;
Enedino, Quirino e Guaberinha;
Alcides, Sérgio, Naná, Joãozinho e Olívio.


sábado, 22 de fevereiro de 2014

Buscando a recuperação no sertão


Neste domingo o América entrará em campo novamente, logicamente, em busca de mais uma vitória no Hexagonal da Permanência, pelo segundo turno do Campeonato Pernambucano. Será a quarta decisão esmeraldina em dez jogos que definirão os dois clubes rebaixados para a Série A2 do nosso estadual. Tarefa difícil, já contando os mais de 400 km que a delegação esmeraldina tivera que percorrer para chegar até o sertão, para enfrentar o time do Serra Talhada, no Estádio Nildo Pereira.

Com o Serra Talhada vindo de vitória dentro de casa contra a Acadêmica Vitória, podemos ter certeza que o time de Leivinha virá embalado dentro de casa em busca de sua segunda vitória consecutiva nesta segunda fase. A nós esmeraldinos, fica a esperança da entrada de Kassio, que volta de uma lesão grave no joelho e que ele possa assumir o papel da criação das jogadas de finalização para nossos atacantes. A torcida também é para que o time que venha a ser escalado pelo técnico João Carlos Ângelo não venha a cometer os erros praticados no ultimo jogo diante do Pesqueira, em Paulista, que acabaram culminando em derrota.

Neste sábado, a rodada começou com um bom resultado para as pretenções esmeraldinas. Com o empate em 1x1 entre Chã Grande e Pesqueira, no Carneirão em Vitória de Santo Antão, o Pesqueira isola na liderança com sete pontos, já o Chã Grande chega aos seis, mesma pontuação que hoje está o Serra Talhada. Caso o América vença o time da terra de Lampião, passaremos não só o Serra, como também o Chã Grande na zona de classificação e ainda empatamos em numeros de pontos com o Pesqueira. Agora se empatarmos ou até perdermos, o ideal seria um empate entre Vitória e Ypiranga, amanhã no Carneirão. 

Vamos torcer pelo Alviverde da Estrada do Arraial!!



--***--
OFF-TOPIC


Hoje três rádios poderão (ou não) transmitir  Serra Talhada x América, logo mais as 16 horas:

Cultura FM (Serra Talhada): http://bit.ly/KBMmPY
Vila Bela FM (Serra Talhada): http://bit.ly/KBMsan
Voz do Sertão FM (Serra Talhada): http://bit.ly/KBMxuC

Deborah Cecília será a árbitra de Serra Talhada x América

Deborah Cecilia será a árbitra para Serra Talhada x  América, no Nildo Pereira| Foto: Sindicato Arbitros PE

A Federação Pernambucana de Futebol já definiu a arbitragem para a partida entre Serra Talhada e América, que acontece no próximo domingo, às 16 hora, no estádio Nildo Pereira, em Serra Talhada, em jogo válido pela quarta rodada do Hexagonal da Permanência, pelo segundo turno do Campeonato Pernambucano.

Apita a partida  Deborah Cecília e, como auxiliares, estarão Albino de Andrade Albert Junior e  Clovis Amaral da Silva, todos quadro da CBF. O quatro arbitro será Leidson dos Santos Siqueira, do quadro da FPF, que estará a disposição para substituir a árbitra em qualquer eventualidade.

Este será o terceiro trabalho de Deborah Cecília em uma partida do América neste Campeonato Pernambucano. Pelo primeiro turno do estadual, a árbitra de 28 anos participou dos dois jogos esmeraldinos contra o Porto, trabalhando com árbitra no empate em 1x1, nos Aflitos e como quarto árbitro na vitória alviverde por 1x0, no estádio Luiz Lacerda, em Caruaru.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Vacilamos e perdemos de virada



Estava parecendo que seria diferente. O Pesqueira entrou em campo mais concentrado e melhor, mas o América abriu o placar na primeira chance que teve.

E a torcida Esmeraldina se animou, mas em sequência dois vacilos. O primeiro: fazer uma falta perto da grande área contra um time que mostrou que tem um cara que bate muito bem na bola, como Elton. E o segundo, um vacilo coletivo em que errou quem estava dentro de campo, os comandantes do banco de reservas e todo mundo que não alertou o posicionamento imperdoavelmente errado do América em um escanteio. Posicionamento que permitiu um contra-ataque fulminante que resultou na virada.

Goleiro Hebert, do Pesqueira, ajoelhado após o gol de virada | Foto: Washington Vaz

Não fosse por esses vacilos o jogo teria uma cara só: muita marcação, briga pela bola e poucos lances claros de gol. O Pesqueira tinha mais qualidade na criação, no toque e mais posse de bola. Mas criou relativamente pouco. Já o América ainda esboçou algumas jogadas, mas os principais lances mesmos surgiram de um chute de fora da área de Saulo e de jogadas de bola parada. Em uma delas, ainda no primeiro tempo quando o jogo já estava 1 a 2, Maurício subiu sozinho e cabeceou para baixo, como manda o roteiro, mas a bola foi para fora. Talvez esta tenha sido a oportunidade mais clara de gol de toda a partida. No minutos finais o América pressionou o Pesqueira, mas a experiência e a retranca dos visitantes não permitiram que o Verdão chegasse ao gol.

Não podemos dizer que o América jogou mal, mas continua correndo muito e criando pouco no ataque, embora desta vez Saulo tenha feito um gol, chutado algumas vezes de fora da área e Phillip tenha sido mais agressivo. Mesmo assim ainda não vemos o setor de criação produtivo e para piorar, desde a última partida o apoio das laterais tem diminuído muito. No segundo tempo Jaime subiu mais, e ao longo do jogo nas duas únicas vezes que ele fez isso, o América chegou na área e finalizou.

Erramos feio e fomos penalizados: perdemos e caímos duas posições. Mesmo assim estamos em quarto lugar distantes dois pontos do penúltimo e três do último. Precisaremos buscar algum resultado fora de casa. Nada impossível, para um time que infelizmente tem se dado melhor jogando na casa dos outros do que na sua própria casa.

Placar final do Ademir Cunha | Foto: Washington Vaz

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Uma chance para engrenar



Dois times embalados para fugir do rebaixamento e a expectativa de um jogo bom.

Se nos basearmos no último confronto entre América e Pesqueira a expectativa é de um jogo muito equilibrado. No duelo derradeiro entre os dois, um placar nada modesto e um jogo quente até os últimos minutos. Agora, ambas equipes vem de vitória e empolgadas.

Como em todo jogo do América, podemos esperar de tudo, só não podemos deixar de acreditar. Obviamente nada será fácil, mas para vencer, o time terá que ser organizado e eficiente. O Pesqueira tem bons chutadores de fora da área e a marcação terá que ser dobrada.

O América deverá repetir a última formação do jogo passado. Principalmente no setor defensivo. Mas a esperança é que o time melhore do meio para frente e que possa criar e concluir mais vezes ainda. Para isso, talvez Kássio reapareça. Ele já mostrou que está recuperado da última lesão e pode vir para o jogo. Na frente é provável que o América venha novamente com Saulo, Everaldo e Phillip, uma formação que tem tornado o ataque mais rápido e dinâmico, mas ainda não se mostrou tão eficiente quanto o esperado.

Um vitória hoje trará tranquilidade para as próximas partidas fora de casa e confirmará que o time está melhor preparado para aproveitar o mando de campo. A torcida espera uma vitória, naturalmente, para ter um pouquinho de sossego nessa reta decisiva.

Vamos vencer América!

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 3x1 Íbis, em setembro de 1952

As Memórias Esmeraldinas estão de volta e desta vez para falar sobre um grande confronto futebolístico em que o América Futebol Clube do Recife derrotou o Íbis Sport Club pelo Campeonato Pernambucano de 1952. Neste ano, Isabel II se tornou rainha do Reino Unido vindo a suceder seu pai, o Rei Jorge VI. Também houve a primeira reunião da história da Organização das Nações Unidas (ONU) com sede em Nova York, a eleição de Dwight Eisenhower como presidente dos Estados Unidos, a realização dos Jogos Olímpicos de Helsinki (Finlândia) e também o início de sete anos de ditadura do governo de Fulgêncio Batista em Cuba, período que se encerrou devido a um ataque comandado por Fidel Castro, Che Guevara e Raul Castro. Ainda em 1952 nascia Paul Stanley, fundador da banda de rock norte americana Kiss, o ex-automobilista Nelson Piquet, Raymond Domenech, treinador vice-campeão da Copa do Mundo com a França em 2006 e o ex-presidente da Rússia Vladmir Putin. Por fim, a música popular brasileira perdia um ícone da época que era Francisco Alves, autor de vários sucessos como “Dona da minha vontade” de 1933, “Por teu amor” e “A mulher que ficou na taça” ambos de 1934.

Capa esportiva do Jornal do Commercio de
24 de setembro de 1952 relatando sobre a partida
América e Íbis se enfrentaram em 24 de setembro de 1952 em jogo válido pela sétima rodada do primeiro turno. O Periquito da Estrada do Arraial figurava na vice liderança e vinha embalado pelas vitórias contra Sport e Santa Cruz, enquanto que o Pássaro Preto de Santo Amaro era o vice lanterna, porém, apesar da fraca campanha do Íbis (que ainda era considerado forte), a equipe da TSAP (Tecelagem de Seda e Algodão de Pernambuco) vinha melhorando seu futebol, chegando e vender muito caro a derrota para o Santa Cruz por 2x1 quatro dias antes. O rubro negro suburbano do famoso trio Índio-China-Nego vinha com a promessa de desbancar o favoritismo do América, sendo assim, a partida tinha a expectativa de um bom público no Estádio dos Aflitos naquela noite de quarta-feira.





Ilustração de América 3x1 Íbis em 24 de setembro de 1952 no Estádio
dos Aflitos na capital pernambucucana
O “Mequinha” vinha sem alterações com relação ao time do último confronto, enquanto que o Íbis vinha com duas alterações, que eram a entrada de Antonino no lugar de Schiler e para a grande surpresa, Ronaldo no lugar do craque China que sentiu uma contusão no treino do dia anterior. A partida América X Íbis é iniciada pelo árbitro espanhol Jimenez Molina e os alviverdes exerceram nos primeiros minutos certa pressão já esperada em virtude de sua maior habilidade. Logo aos 6 minutos de jogo, Hamilton passa a bola para Macaquinho que chuta cruzado sem chances para o goleiro Expedito do Íbis. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X0 ÍBIS. Apesar dos protestos dos jogadores rubro negros que cercaram o auxiliar de arbitragem alegando impedimento no lance, nada de anormal foi marcado e o tento foi validado. O domínio das ações do jogo pertenciam ao América e não demorou muito para que reflexo desta situação favorável aos alviverdes se transformasse em uma mais confortável situação no placar. Hamilton, aos 20 minutos, recebe a bola e chuta no canto para aumentar a vantagem. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X0 ÍBIS. Com desvantagem numérica no placar, os atletas do clube da fábrica de tecelagem passam a partir de então a abusar das jogadas violentas, sendo muitas vezes correspondidos da mesma forma pelos atletas do América, sem que árbitro da partida, o Sr. Jimenez Molina, viesse a tomar decisões de cunho autoritário, de modo a coibir certas jogadas que colocavam em xeque, a integridade de atletas de ambas as agremiações e assim se prosseguiu até o final do primeiro tempo.

Nota do JC de 25/09/1952 explicando as características da partida
Veio então o segundo tempo e o árbitro começou a mostrar menos passividade em relação ao jogo duro praticado pelos jogadores do Íbis. Aos 5 mnutos do 2° tempo em um belo ataque do Íbis, o defensor alviverde Decadela comete falta dentro da área sobre o adversário e o árbitro sem pestanejar assinala o pênalti. Na cobrança do penal realizada pelo defensor Biu, ele marca o primeiro gol do Íbis na partida diminuindo a vantagem. AMÉRICA 2X1 ÍBIS. O clima entre as equipes começou a esquentar de vez. O atacante Pernambuco do Íbis se desentende com o atacante Dario do América e os dois passam a trocar vários socos e pontapés até serem separados por seus colegas de clube. Com o baixar da poeira e com os nervos no lugar, o árbitro da partida expulsa os dois brigões do jogo, vindo a ficar cada qual das equipes com dez atletas no gramado do Estádio dos Aflitos.

Folha esportiva do JC de 25 de setembro de 1952
ressaltando o resultado da partida América 3x1 Íbis
Com 35 minutos de bola rolando no 2° tempo, Hamilton do América avançou e driblou toda a retaguarda do adversário e de frente com o goleiro Expedito aplicou-lhe o último drible, antes de literalmente ser agarrado pelo pescoço com uma popular “gravata” do arqueiro do time da ave mitológica egípcia. O árbitro atento ao lance assinala o pênalti. O próprio Hamilton cobrou e marcou o terceiro gol para a festa da torcida de Casa Amarela. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 3X1 ÍBIS. Os últimos dez minutos de partida serviram para o América segurar e resultado e comemorar a quarta vitória seguida no campeonato de 1952. O público presente aquele dia ao Estádio dos Aflitos também pôde conferir a preliminar Náutico 3x0 Flamengo-PE pela categoria de aspirantes, gerando uma renda de 6.210 cruzeiros. As equipes do jogo América 3x1 Íbis em 24 de setembro de 1952 foram as seguintes:



AMÉRICA: 
Zé Paulo; 
Decadela e Dadá; 
Pedrinho, Tomires e Astrogildo; 
Isaías, Hamilton, Macaquinho, Neca e Dario.


ÍBIS
Expedito; 
Índio e Biu; 
Ronaldo, Nego e Pedrinho; 
Carioca, Pernambuco, Eloi, Antonino e Ivaldir.

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Diego Fernando será o árbitro para América x Pesqueira

Diego Fernando, na decisão da Série A2 2013, entre Vitória x América | Foto: FPF/PE / Divulgação

A Federação Pernambucana de Futebol (FPF) divulgou nesta segunda-feira a arbitragem para a partida entre América x Pesqueira no estádio Ademir cunha nesta próxima quarta-feira (19) às 20 horas, pela terceira rodada do Hexagonal da Permanência do Campeonato Pernambucano. 

Para esta partida importante contra o descenso, Diego Fernando Silva de Lima será o árbitro principal da partida enquanto Bruno Cesar Santos de Alcantara e Rafael Rodolfo de Souza Correia serão os auxiliares. O quarto árbitro será Ricardo Jorge Ribeiro dos Anjos.

Diego Fernando já apitou em uma oportunidade neste estadual um jogo do América. Ele comandou Serra Talhada 1×2 América, pela 10ª rodada do primeiro turno do Campeonato Pernambucano. Em 2013, o árbitro de 27 anos foi responsável pelo apito na decisão da Série A2, resultada na vitória do Acadêmica Vitória nos pênaltis sobre o América, após um empate sem gols no Carneirão.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Finalmente...


Acabou o jejum de vitórias em casa. Foi sofrida, mas foi uma vitória.

O jogo começou relativamente equilibrado com o Vitória um pouco melhor. Mas logo o América começou a se posicionar bem no sistema defensivo e bloquear a criação do time visitante. E foi chegando ao ataque. Novamente a história se repetia em pelo menos três boas jogadas do ataque Esmeraldino Preto fez ótimas defesas e impediu a abertura do placar. Em uma delas a bola chegou a entrar mas o lance foi anulado por impedimento. Durante praticamente todo o primeiro tempo o América dominou o setor de meio campo desarmando as jogadas do Vitória e isso fez com que o goleiro Diego quase não trabalhasse.

O segundo tempo começou com o Vitória marcando melhor e brigando mais pela bola. E durante os dez primeiros minutos o time tricolor desestabilizou a zaga Esmeraldina, mas sem grandes sustos para a meta de Diego. Aos 11 minutos após falta em Everaldo o Vitória ficou com um jogador a menos. E o América aproveitou os espaços com inteligência até que aos 28 minutos Bruno Jesus carregou a bola pelo meio se livrou da marcação e deu um chutaço no ângulo de Preto que desta vez não operou nenhum milagre. Depois disso o Vitória tentou ir para cima mas não foi eficiente e o América conseguiu segurar o placar até o fim.

Comemoração do gol do América junto ao banco de reservas |  Foto: Washington Vaz

Foi uma vitória importantíssima em vários aspectos, mas principalmente para dar mais segurança e confiança para os próximos jogos. O sistema defensivo foi equilibrado em praticamente todo o jogo e nos momentos de desatenção se superou pela força. Mas do meio para frente o América ainda tem limitações. Várias jogadas foram criadas. Em duas delas Preto fez ótimas defesas como na cabeçada de Bia e em um chute de Phillip. No segundo tempo antes do gol, Phillip teve outra boa oportunidade mas cabeceou para baixo e a bola subiu muito e encobriu o gol.

Mesmo assim, as jogadas foram criadas principalmente por aqueles que deveriam estar finalizando. Nosso setor de criação praticamente não existe. O único aspecto positivo no setor ofensivo é que o América faz a transição para o ataque mais rápido do que antes. Mas como quem faz essa articulação são os jogadores de área, as jogadas perdem velocidade nos últimos passes ou quando a bola chega a área não tem ninguém para concluir.

Vencemos em casa e quebramos um incômodo e preocupante jejum. Agora é manter a tranquilidade para enfrentar o Pesqueira e buscar mais um resultado positivo para se manter firme na luta pela permanência.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

América do Futuro



O titulo desta postagem pode parecer ufanista,mas, na pratica pretende debater com os amigos uma proposta para facilitar o desenvolvimento do nosso clube.

Em 2014 o America comemora 100 anos de existência, de luta e até de sofrimento, de um clube vencedor e forte nos transformamos em um time de futebol sazonal, que luta para conseguir existir e sofre com a ausência de recursos.

Ao longo dos últimos anos o Blog do Mequinha se consolidou com um instrumento de preservação da história do alviverde, se vocês quiserem saber um pouco sobre isto e só ler as primeiras postagens de Allan, tirando leite de pedra. Como arrumar informações de um clube parado.

As coisas foram melhorando, o time voltou a disputar campeonatos, seja profissional, divisões de base, futebol feminino, basquete e etc. Onde tem América nos estávamos lá!! Promovemos o futebol de mesa, famoso botão, troféus desenvolvidos por Allan Lemos.


Criamos uma comunidade e reunimos, através das mídias sociais um grupo de torcedores do America, fizemos até nossa Confraria, Sr. Edmir, Sal, Jefferson, Allan, Bruno Barros, Bruno Lima, Washington, Tércio, Elói, Jairo, ...... amizades que foram construídas na internet e depois nas arquibancadas nem sempre limpas de Pernambuco.

Com o trabalho de João Moreira, de Sérgio Serpa e agora com a  presidência de Celso Muniz Filho vivemos um novo momento que deve ser capitalizado com a festa do centenário. O futebol não foi aquilo que esperávamos, mas, temos que aproveitar o momento e unir os americanos com uma campanha de sócios.

Fiz um esboço de uma proposta que pretendo conversar com o nosso Presidente, vamos a ela: Sócio Centenário ou América do Futuro!

1. adesão do torcedor ao clube através da compra de uma camisa comemorativa (R$ 120,00);
2. mensalidades na faixa de R$ 20,00 ou 30,00;
3.direito a voto nas eleições do clube;
4. sorteio de brindes ao longo do ano para sócios em dia;
5. veiculação do clube a parceiros (descontos em lojas);
6. analisar a possibilidade de adesão algum cartão de credito (tipo Banorte-Gerador), neste caso tem que ser um cartão que contribua p o clube com algum dinheiro vindo da anuidade;
7. entrada gratuita dos torcedores em jogos do América (fácil);
8. prestação de contas mensais, ajuda a criar uma mentalidade colaborativa.Acho até que a mensalidade pode ser paga se cobrador, no fim do mês colocaria a lista dos pagantes!!

Na realidade o América não tem nenhum atrativo social, portanto seria fundamental criar uma rede de descontos, como nosso presidente tem grande prestigio como empresário poderíamos !!!

Existe um programa nacional criado pela AMBEV, www.futebolmelhor.com.br , que oferece beneficios aos sócios-torcedores dos clubes participantes, sei que não estamos com essa bola toda, mas, poderíamos tentar ser incluído nesta campanha.

De acordo com o site Movimento Por Um Futebol Melhor , tem times com 9 torcedores inscritos!!

Bem lançar uma campanha como esta num período em que o clube não vai jogar é difícil, porém ao longo destes 6 anos me surpreendo com pessoas querendo ser sócio ou comprar produtos do América. Pode render um dinheiro mensal que vai ajudar a pagar despesas, principalmente na ajuda de custo de garotos da base.

A minha idéia é esta!!! Não é uma idéia fechada, vamos discutir no aqui no BLOG DO MEQUINHA e em nosso grupo de discussões, no Facebook!!

A segunda decisão contra o descenso


Mais um domingo de futebol e para o quase CENTENÁRIO América, que encontra-se a 55 dias do seu aniversário de fundação, mais uma decisão neste Hexagonal da Permanência. O segundo jogo de dez que definirá os dois clubes que irão figurar a deficitária Série A2 do Campeonato Pernambucano. Triste, mas esta é a realidade.

Sobre o América, não há muito o que falar. Pelo contrário, só iremos repetir uma série de pontos que já debatemos em vários textos neste espaço ou discutidos no nosso grupo do Facebook. Estamos desde o segundo jogo da semi-final sem vitórias no Ademir Cunha, contamos com um ataque que está devendo, mas sabemos que houve uma evolução no time que agora é comandado pelo carioca João Carlos e auxiliado por Denô Araujo.

Então o que esperar da partida de hoje no Ademir Cunha? Bom, o mínimo que podemos esperar é empenho para vencer o Vitória. E por mais que eu reclame, por mais que saibamos que este nosso time possui falhas, estarei lá em Paulista apoiando.

Hoje no Cunhão, "meio gol a zero" é goleada!!!

VAMOS, AMÉRICA!

--***--

OFF-TOPIC


Neste domingo as rádios listadas abaixo poderão transmitir América x Vitória, logo mais as 16 horas:

PAULISTA
Radio RCE FM 95,5 MHz  http://bit.ly/1gLW6C2
Radio WEB Arena Planeta http://bit.ly/1mIoWEP



VITÓRIA DE SANTO ANTÃO
Tabocas FM 98,5 MHz http://bit.ly/KHl1fv
Vitória FM 93,5 MHz http://bit.ly/KHm1Ae
WEBRadio Panorama Esportivo http://bit.ly/KHmzpQ

sábado, 15 de fevereiro de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 3 x 2 Torre, em maio de 1916


Continuando a relatar os grandes feitos do clube mais amado da cidade do Recife, vamos abordar no dia de hoje não uma simples vitória, mas sim, a primeira vitória do América em campeonatos pernambucanos de futebol e ela veio no segundo ano de participação da equipe, ou seja, no ano de 1916. América e Torre se enfrentaram em 13 de maio, enquanto o continente europeu ardia com as chamas da Primeira Guerra Mundial. Vários fatores contribuíram para a eclosão deste conflito, entre eles a acirrada disputa comercial pelos mercados consumidores europeus e o descontentamento de Itália e Alemanha por não estarem lucrando como a França e Inglaterra devido que exploravam as riquíssimas colônias africanas, abundantes em ouro, diamantes e outros bens de alto valor comercial. O desejo vingativo da França de reconquistar do território da Alsácia-Lorena (rica em carvão e minério de ferro), que foi uma região perdida para os alemães na Guerra Franco-prussiana de 1870, também ajudou a tornar a Europa um grande barril de pólvora.

Dez milhões de mortes em quatro anos de guerra e no final a Alemanha foi obrigada a assinar o Tratado de Versalhes, o que arruinou a economia alemã fazendo surgir grupos organizados com forte sentimento nacionalista de revanche e de reestruturação do país. Um deles foi o Partido Nazista chefiado anos mais tarde por Adolf Hitler, pessoa que em fins da década de 1930 daria início a II Guerra Mundial. Em 1916 nascia o futuro governador do estado de Pernambuco Miguel Arraes e também o compositor e sambista carioca Silas de Oliveira, um dos fundadores do Grêmio Recreativo Escola de Samba Império Serrano que tanto brilhou no carnaval carioca. Silas de Oliveira é autor de vários sambas-enredo como “Pernambuco, Leão do Norte” em 1968 e “Aquarela Brasileira” em 1964.

Nota do Jornal Pequeno do Recife em 13 de
maio de 1916 informando sobre a realização do jogo.
Um belo dia de sábado em 1916 na capital pernambucana era uma boa oportunidade para aqueles senhores com seus ternos alinhados e as senhoritas como seus longos vestidos e chapéus de gosto duvidoso, prestigiarem uma partida daquele esporte bretão que se implantara definitivamente em Recife, válida pela segunda edição do campeonato. O palco para tal atrativo foi o campo do British Club no bairro dos Aflitos e devido à curiosidade do recifense, havia a expectativa de um bom público. Criado como João de Barros Foot Ball Club, O América tentaria vencer uma equipe que já possuía dois títulos de expressão no futebol pernambucano, que eram a Taça da Liga Desportiva da Torre em 1911 e o troféu de campeão da Liga Suburbana de 1915.

As 13:45h começou a preliminar que envolvia os segundos quadros de América e Torre no British Club com a arbitragem do Sr. Smith, que registrou na partida o número alto de 12 faltas apenas no 1° tempo, o que levou a imprensa a pedir que os atletas se empenhassem mais no que diz respeito ao futebol bem jogado. O 2° quadro do América era composto por Bidô no gol, Monteiro e Ayres na defesa, Faustino, Manoel Campos e Moura no meio campo e por Sydney, Lobo, Carlito, Arnaldo e Maroujo no ataque. Os rubros do Torre Sport Club em seu 2° quadro foram a campo com Cícero no gol, Emílio e Adour na defesa, Mattos, J. Maria e Benjamim no meio campo e Eduardo, Octávio, Reinaldo, Cletto e Marcionillo no ataque. O placar desta preliminar foi o empate por 2x2, tendo o “Pica-pau” da Torre jogado melhor futebol.

Ilustração de América 3x2 Torre em 13 de maio de 1916 no Campo do
British Club no bairro dos Aflitos em Recife-PE
Com o Sr. Forster sendo o árbitro da peleja, a partida principal entre América e Torre teve início as 15:45h depois de um aperto de mão entre os dois capitães, Rômulo Souza do América e Mário Pinto do Torre. O “Mequinha” dá a saída de bola, mas o Torre logo a recupera e tenta atacar de forma eficiente. Aos 5 minutos o Torre cobra um escanteio e a bola chega ao seu atacante Alano que chuta para fazer o primeiro gol da partida. América 0x1 Torre. O time do coração do então deputado Federal Estácio Coimbra (governador entre 1926 e 1930) encurralou o América em seu setor de defesa, levando o goleiro Tasso do América a evitar em três oportunidades claras situações de gol do time rubro da Fábrica de Tecelagem da Torre. Aos 9 minutos de jogo, em uma bola cruzada pelo lado esquerdo de ataque, a pelota fica nos pés do atacante Salter que chuta sem chances de defesa para Tasso e estava registrado o segundo tento do time rubro. América 0x2 Torre.

Os alviverdes melhoram o seu desempenho e tentam em várias jogadas armadas pelo trio Licor-Rômulo Souza-Cleophas para alimentar o ataque, mas sem sucesso. Até que aos 44 minutos ainda na primeira etapa, o atacante esmeraldino, Karl faz belo lançamento para o atacante Perey que não perdoa e desconta para o periquito. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X2 TORRE e as equipes vão para o intervalo. O segundo tempo começa e logo no início o atacante esmeraldino Frederico se machuca e dá lugar a Monteath. Aos vinte minutos o mais destacado jogador do América, o meio-campista Rômulo Souza cede a bola na frente para o atacante Karl que chuta para igualar o contagem no campo do British Club. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X2 TORRE. 

Nota do Jornal Pequeno do Recife de 15 de maio
de 1916 informando sobre América 3x2 Torre.

O confronto entre o periquito e o pica-pau estava empatado. A equipe do bairro da Torre se descontrolou na partida e começou a errar muitos passes, gerando boas oportunidades de gol para o Alviverde de Estrada do Arraial que começou a pressionar. Faltando apenas 3 minutos para o apito final do Sr. Forster, o atacante Monteath avança com rapidez se desvencilhando dos defensores Lima e Oswaldo do Torre e de frente com o goleiro Agripino, manda um torpedo para balançar as redes rubras pela última vez naquele dia.

É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 3X2 TORRE. Era o gol da virada do América do Recife, que iniciava o certame de 1916 com vitória, conquistando o primeiro triunfo em campeonatos estaduais. As equipe do América e do Torre, também conhecido como “Madeira Rubra”, naquele 13 de maio de 1916 formaram com as seguintes escalações:






AMÉRICA FUTEBOL CLUBE: 


Tasso; 
Manta e Octávio; 
Licor, Rômulo Souza e Cleophas; 
Perey, Victor, Pedro, Karl e Frederico (Monteath).



TORRE SPORT CLUB: 

Agripino;
 Oswaldo e Lima; 
Abelardo, Mario Pinto e Adolfo; 
Charles, Alano, Salter, Louis e Barroso.