segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Saiba porque o América é o Campeão do Centenário

Elenco fazer América, Campeão Pernambucano de 1922


O ano de 1922 foi especial para o futebol em todos os Estados do Brasil. Comemorava-se o primeiro aniversário do Grito da Independência. Em Pernambuco, coube ao América Futebol Clube a primazia de levantar a taça, o que lhe deu o título, mencionado até hoje, de Campeão do Centenário. (O Corinthians foi campeão paulista naquele ano, tendo recebido a mesma adjetivação. Em 1954, o alvinegro da cidade de São Paulo levantou o título no campeonato em que foi comemorado o quarto centenário da capital bandeirante, passando a ser chamado de Campeão dos Centenários).

Por falar nisso, a exemplo do Santa Cruz, o América está bem perto de festejar seu centenário, uma vez que foi fundado em 12 de abril de 1914.

No campeonato Pernambucano de 1922, como era praxe, hiuve vários jogos interrompidos pelos mais diversos motivos, principalmente pelo fato de o campo ter ficado escuro, como o clássico América x Sport da primeira rodada, que terminaria decidindo o campeonato.

O Senhor Inverno, que duas décadas mais tarde, durante a segunda Guerra Mundial, terminaria provocando o fracasso das tropas de Hitler na sua incursão pela União Soviética, deu as cartas no nosso campeonato, só que em proporções bem menores, justamente no ano em que o Brasil comemorava o centenário do Grito do Ypiranga.

O campeonato foi disputado em um turno único. Assim houve apenas os jogos de ida. Mais uma vez, Sport e América surgiam como candidatos ao título de campeão. Os rubro-negros pretendiam interromper a marcha de seu maior rival, que buscava o segundo bicampeonato.

A Liga já tinha instituído o sistema de dois ou mais jogos por rodada. Logo de saída, Náutico x Centro Peres deixou de ser disputado por causa do mau tempo. Tendo sido marcada para outra data, a partida terminou não sendo realizada porque o Peres entregou os pontos. Isso era um expediente comum e legal naquele tempo. Vitória do Náutico, portanto, por WO.

No mesmo dia, 7 de maio, o América estava derrotando o Sport pela contagem de 2 x 1, tendo sido o encontro suspenso por falta de iluminação. Na época invernosa, como ainda acontece hoje, escurece mais cedo nesta Região, e os campos ainda não tinham luz artificial.

A direção da Liga determinou que os oito minutos restantes fossem disputados mais adiante, depois do cumprimento da tabela. Assim, rubro-negros e alviverdes voltaram a campo em 19 de novembro. Local, Jaqueira, chamado de América Parque, onde a partida estava sendo disputada ao ser interrompida.

Embora estivesse programado apenas um restinho de jogo, um grande público compareceu. É que estava em cena o pomposo título de Campeão do Centenário.

O América, que sofrera uma derrota em meio à sua jornada, ao perder para o Torre por 1 x 0, chegava àquele momento, com 10 pontos ganhos, enquanto o Sport tinha 11, sem incluir, é claro, os pontos daquela partida, que os americanos estavam ganhando por 2 x 1.

Foram instantes dramáticos. O Sport lançou-se furiosamente ao ataque. Se conseguisse pelo menos empatar o jogo, ficaria com 12 pontos, e deixaria o gramado festejando a conquista de mais um título.

Já o América defendia-se com unhas e dentes, uma vez que se o placar fosse mantido, passaria a somar 12 pontos e levantaria a taça, pois o Sport permaneceria com 11. E foi o que ocorreu.

Final de jogo, vitória do América por 2 x 1. A torcida do América fez muito barulho na comemoração da conquista que ainda é lembrada, quando a imprensa refere-se ao seu clube como o Campeão do Centenário.

AMÉRICA 2 X 1 SPORT
Data: 07/05/1922
Local: América Parque, Jaqueira
Árbitro: Gastão Bittencourt
Gols: Araújo (2) – América, e Péricles – Sport

AMÉRICA (Campeão): Nozinho; Rômulo e Cunha Lima; Lindolpho, Licor e Faustino; Meirinha, Fabinho, Zé Tasso, Juju e Matuto.
SPORT (Vice-campeão): Mário Franco; Alarcon a Chalmers; M. Paranhos, Jack e Pedro Sá, Mathias Adour, Benedicto, Geraldo Bastos, Péricles Caldas e Aluísio Caldas.

Equipes dos oito minutos finais, em 19/11/1924:
AMÉRICA: Leça; Rômulo e Faustino; Lindolpho, Licor e Zizi; Meirinha, Fabinho, Zé Tasso, Juju e Matuto
SPORT: Mário Franco; Alarcon e Chakmers; Mathias Adour, Benedicto e Pedro Sá; Baltar. Hardy, Péricles Caldas, Walker e Aluízio Caldas.

Jogos do Campeão
07/05 América 2 x 1 Sport (Campo da Jaqueira, Recife) ¹
21/05 América 4 x 0 Peres  (Campo da Jaqueira, Recife)
04/06 América 2 x 1 Náutico  (Campo da Jaqueira, Recife)
23/07 América 3 x 1 Equador  (Campo da Jaqueira, Recife)
06/08 América 0 x 1 Torre  (Campo da Jaqueira, Recife)
22/10 América 2 x 1 Santa Cruz  (Campo da Jaqueira, Recife)
11/05 América 4 x 2 Flamengo  (Campo da Jaqueira, Recife)
___
¹ J ogo suspenso, faltando Oito Minutos Para O Término. Concluído los 19/11, o placar se manteve inalterado.
_ _
* Lenivaldo Aragão E Jornalista Esportivo em Pernambuco e trabalhou los Vários Jornais, rádios e Revistas do Recife e do Sul FAZEM País: Jornal do Commercio, Diário de Pernambuco, Diário da Noite, rádios Clube e Olinda, Placar, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde, Jornal do Brasil, Jornal dos Sports e Tabloide Esportivo. Atualmente edita a revista  Clássico.COM .

0 comentários:

Postar um comentário