terça-feira, 18 de março de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: Central 0x1 América em janeiro de 1981

O Campeonato Brasileiro de 1981 com certeza foi uma edição que causa boas recordações ao torcedor do América, principalmente dos jogos realizados em Jaboatão. Neste ano tivemos a posse do presidente norte americano, Ronald Reagan, o atentado ao Papa João Paulo II promovido pelo terrorista turco Nehmet Ali Agca, a eleição de Hosni Mubarak como presidente do Egito e Rondônia deixava de ser um território para se tornar um estado brasileiro. Nascia a cantora e atriz norte americana Brithney Spears e o jogador de futebol argentino Lucho Gonzalez (campeão português pelo FC do Porto em 2012/13). Faleciam Robert Montgomery, ator de vários filmes da Terra do Tio Sam como “Our Brushing Brides” de 1930 e “Lady in The Lake” de 1947, o cantor jamaicano Bob Marley (autor do álbum “Exodus” de 1977) e o ex-presidente do Brasil entre 1922 e 1926, Arthur Bernardes, que governou praticamente sob estado de sítio e devido a suas decisões, muito descontentou as oligarquias agrárias de menor influência, como a do Rio Grande do Sul  que aliadas a setores do exército promoveram várias revoltas como a Revolta do Forte de Copacabana e a Coluna Prestes.

Folha esportiva do Diário de Pernambuco de 11/01/1981 informando sobre
a partida entre América e Central em Caruaru
Em 11 de janeiro de 1981, o América Futebol Clube do Recife fazia a sua estreia no campeonato nacional (Taça de Prata) e a partida seria fora de casa, contra um tradicional adversário, o Central Sport Club de Caruaru. Pelo mesmo grupo o Náutico jogaria contra o ABC em Natal, o Confiança de Sergipe jogaria no agreste alagoano contra o ASA e o Botafogo da Paraíba faria em João Pessoa, o clássico contra o Treze de Campina Grande. O presidente Lamartine Távora estava muito entusiasmado com clima favorável ao clube alviverde e declarava que o time estava apto para conquistar uma vaga na Taça de Ouro e se juntar aos grandes clubes do país. Citava que mandar seus jogos no Estádio Jefferson de Freitas em Jaboatão e ter o comércio, a indústria e a população a favor, é algo que consolida um processo de estruturação do clube da Estrada do Arraial e que isso a ajudaria a recolocar o América, no auge como ocorreu nos anos 1920 e 1930.

Diário de Pernambuco destaca a importância da partida
para o time "Patativa do Agreste"
Segundo o próprio Lamartine Távora, a primeira crise no clube surgiu depois da perda do Estádio da Jaqueira no fim dos anos 1930, o que levou os irmãos Moreira (Rubem, José e João) a não medirem esforços para soerguer o clube e o resultado veio em 1944, quando levantou o seu último título de campeão pernambucano, com um time possuidor de um estilo de jogo, que lembrava o Arsenal de Londres. Outra crise econômica surgiu até que em 1957 os americanos José Lobo, Otávio Dias e Urgulino Rodrigues conseguiram colocar o trem esmeraldino de volta aos trilhos e agora no começo dos anos 1980, a iniciativa de levar o América para Jaboatão, era mais uma tentativa de levantar o clube de Casa Amarela.

Ilustração de Central x América em janeiro de 1981 pela Taça de Prata
No clube centralino também era grande a empolgação pela estreia, uma vez que o treinador Jair Bala comandaria pela primeira vez a sua equipe do banco de reservas. Se por um lado o jogador novato Luis Valença não jogaria devido a uma contusão adquirida no último treino, o lateral Anildo (ex- Bahia e Alecrim/RN) estava confirmado na Patativa do Agreste. Jair Bala apontava que poderia se achasse preciso, realizar durante a partida a entrada dos novos contratados, Maneca e Sérgio Peres que ainda não estavam 100% aptos fisicamente e seriam apenas opções eventuais. O zagueiro Alexandre (ex-América) era considerado um dos melhores do futebol pernambucano e não escondia a satisfação de rever velhos amigos, mas que lutaria muito em prol de uma vitória para o alvinegro caruaruense.

Gil do Central (à esquerda) tenta vencer a muralha defensiva do América
Naquele domingo as 16:30h o árbitro Oséas Gomes, auxiliado por Edson da Hora e Abelardo Lucena, autorizou o início da partida Central x América no Estádio Pedro Victor de Albuquerque (hoje Luis Lacerda) e o que se viu foi uma partida bem equilibrada, com várias chances de gol nos dois lados. Perto da metade do primeiro tempo, o meio campista Givaldo do América recebeu a bola na entrada da grande área e chutou indefensável para o goleiro centralino. É GOL DO AMÉRICA! CENTRAL 0X1 AMÉRICA. Na segunda etapa de jogo, o Central foi para cima e sufocou o “The Green Team” que soube através das orientações do treinador Jálber Carvalho, em vários momentos afastar o perigo de gol iminente do clube alvinegro. O América com galhardia segurou o resultado e estreou na Taça de Prata de 1981 com uma importante vitória, que lhe daria muita confiança para os jogos seguintes.

Diário de Pernambuco destacou que vitória do América
foi "zebra"
A rodada foi completada com os jogos ABC 2x2 Náutico, ASA 0x1 Confiança e Botafogo/PB 2x0 Treze e o América dividiria a segunda colocação ao lado dos azulinos de Aracaju e já estavam de olho no jogo de quarta feira contra o Treze em Campina Grande, outra pedreira pela frente dos americanos, mas Treze x América, fica para uma futura publicação das Memórias Esmeraldinas. As equipes do jogo Central 0x1 América em 11 de janeiro de 1981 estavam assim escaladas:





CENTRAL: 
Jorge Hipólito; 
Anildo, João Corrêa, Alexandre e Batista;
 Silvinho, Marcos Décio e Paulinho; 
Porto, Guiga e Gil.

AMÉRICA: 
Batista; 
Gonçalves, Nilo, Williams Rocha e Escada; 
Givaldo, Valmir e Marcos Costa; 
Edson, Agnaldo e Régis.


0 comentários:

Postar um comentário