domingo, 11 de maio de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 2x0 Vitória da Bahia em junho de 1953


Folha esportiva do Diário de Pernambuco de 12 de
junho de 1953 destacando o amistoso interestadual

As memórias Esmeraldinas retornam desta vez para falar sobre uma partida do América realizada no ano de 1953. Neste ano nasciam o norte-americano John Malkovich (Grigio no filme “Meu Namorado É Um Zumbi” de 2013 e Unferth no filme “A Lenda de Beowulf” de 2007), o ex-jogador Zico (destaque do Flamengo nos anos 1970), o norte-americano Paul Allen (cofundador da Microsoft), o músico Guilherme Arantes (autor de “Meu Mundo e Nada Mais” de 1990), o cantor de forró cearense Alcymar Monteiro, o ex-goleiro País (tricampeão estadual com o Sport em 1982) e o ex-jogador Baiano (com passagens pelo Santa Cruz em 1980/81, bicampeão estadual com o Náutico em 1985, atleta do Central e do Sport em 1988). Faleciam o líder soviético Josef Stalin (mandante do isolamento à Ucrânia em 1932 que rendeu a morte de dois milhões de pessoas por fome), o romancista Graciliano Ramos (autor de “Vidas Secas” de 1938) e Charles Miller (introdutor do futebol no Brasil). Foi o ano da criação da Petrobrás, do fim da Guerra da Coreia, da descoberta através de James Watson e Francis Crick da estrutura helicoidal do DNA e Elizabeth II é coroada rainha da Grã-Bretanha em substituição ao rei George VI. Faziam sucesso as músicas “Aquela Mascarada” de Orlando Silva, “João Valentão” de Dorival Caymmi, “De Cigarro em Cigarro” de Nora Ney e “Eu Sou a Outra” de Carmen Costa.

Destaque do Diário de Pernambuco sobre o jogo daquela noite
O Recife em junho de 1953 recebeu a visita da delegação do Esporte Clube Vitória da Bahia, que chegava à capital pernambucana com a intenção de realizar alguns amistosos e o América seria o primeiro adversários dos baianos. O “Mequinha”, que havia sido vice-campeão pernambucano em 1952, aproveitou a partida para ajudar na preparação de seus atletas para o campeonato de 1953, cuja estreia estava marcada para fins de julho contra o Great Western. Por outro lado, os rubro-negros soteropolitanos haviam terminado em terceiro lugar no campeonato baiano de 1952 (que só terminou em março de 1953) e já estavam na disputa do “Baianão-53” desde abril. O ano foi de extrema importância para o “Leão da Barra” do treinador Jombrega (ex-atleta do Fortaleza-CE), pois, era o primeiro ano do seu profissionalismo, bem como, o ano em que encerraria um jejum de 44 anos sem título de campeão baiano, jejum este que começou depois do bicampeonato de 1909.

Vitória campeão baiano de 1953. Em pé: Valvir, Nadinho, Alírio,
Purunga, Gago e Joel. Agachados: Tombinho, Alencar, Juvenal,
Quarentinha e Ciro. Muitos estiveram em Recife para jogar
contra o América.


O Vitória da Bahia (até então, líder invicto do campeonato baiano) chegou no dia 12 de junho de 1953 e no mesmo dia, entraria no gramado do Estádio dos Aflitos para enfrentar os alviverdes de Casa Amarela. O avião da empresa Lóide Aéreo (seria incorporada à VASP em 1962) vindo de Salvador chegou ao Recife às 11h da manhã trazendo atletas de grande nome dentro do desporto baiano a exemplo de Quarentinha e Purunga, bem como, jogadores recém-contratados do futebol carioca. Havia chovido muito em Recife no dia do jogo e o gramado do Estádio dos Aflitos estava em condições lastimáveis, sem falar que a iluminação do campo do Náutico, deixava a desejar nas partidas que ocorriam à noite como este amistoso interestadual.

Ilustração de América 2x0 Vitória em 12 de junho de 1953 no Estádio dos
Aflitos válido por amistoso interestadual
Quando o árbitro José Barbosa de Albuquerque (Barbosão) deu início à partida, o que se viu foram duas equipes que enfrentavam não somente seu adversário, mas também as condições físicas do gramado e de iluminação deficiente do estádio, entretanto, o América levava ligeira vantagem pelo fato de já conhecer muito bem a cancha de jogo e se aproveitando deste fator, o atleta alviverde Biu (contratado do futebol alagoano), aos 10 minutos entrou na grande área e chutou forte no canto, sem chances para o goleiro Peri-Peri do Vitória da Bahia. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X0 VITÓRIA (BA). O primeiro tempo seguiu de maneira morna e sem grandes jogadas que pudessem empolgar o torcedor pernambucano presente aos Aflitos naquela noite de inverno e com a vitória parcial de um tento a zero, terminou a etapa inicial de partida.

Macaquinho: célebre jogador dos anos 1950
Dante Bianchi mexeu no time e entraram Izaias no lugar de Zezinho e Belchior no lugar de Fernando, enquanto que no Vitória entrou Antônio na vaga de Purunga. O segundo tempo começou um pouco melhor e as jogadas que empolgam o torcedor começara a surgir em ambos os lados, sendo o América, aquele que levava mais perigo ao gol do adversário. Aos 20 minutos o jogador Hilton Viana se desentende com Decadela do América e ambos trocam tapas, levando o Sr. José Barbosa de Albuquerque a expulsar de campo o atleta do rubro-negro baiano, mas não Decadela, o que levou a uma grande reclamação por parte dos baianos e o jogo ficou interrompido por dez minutos. Imediatamente após o reinício da peleja, o América do treinador argentino Dante Bianchi armou um perigoso ataque no qual, Biu fez um grande passe para Macaquinho que penetrava na grande área defendida pelo Vitória e disparou o torpedo para balançar as redes leoninas. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X0 VITÓRIA (BA). O time baiano esboçou reação levando perigo ao gol do goleiro Borracha do América em alguns lances, mas Decadela e Dadá eram infalíveis na defesa e o resultado final de jogo foi de dois tentos a zero para o campeão do centenário.

Diário de Pernambuco de 13/06/1953 destacando
a vitória do América contra o Vitória



Ao final da partida, o diretor do Departamento de Desportos Terrestre da Federação Pernambucana de Desportos (FPD), o Sr. Boanerges Costa, tentou agredir o cronista Jaime Guerra, acusado de proferir palavras que mexeram com os brios do diretor, todavia, vários desportistas pernambucanos e o presidente do América (José Moreira) ajudaram a acalmar os ânimos a fim de evitar maiores problemas. A chuva afastou o público do jogo, cuja renda foi de apenas 20.045 cruzeiros. O Esporte Clube Vitória agora se prepararia para o jogo contra o Sport, que a pedido dos baianos junto a FPD, não deveria ser arbitrado por Barbosão. As equipes de América 2x0 Vitória (BA) naquela noite de 12 de junho de 1953 foram as seguintes:




AMÉRICA FUTEBOL CLUBE:
Borracha;
Decadela e Dadá;
Pedrinho, Geraldo e Mila;
Zezinho, Biu, Macaquinho, Arquimedes e Fernando.

ESPORTE CLUBE VITÓRIA (BA):
Peri-Peri;
Alírio e Gago;
Hilton Viana, Bombeiro e Joel;

Tombinho, Purunga, Juvenal, Quarentinha e Ciro.

0 comentários:

Postar um comentário