quinta-feira, 15 de maio de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 3x0 Centro Limoeirense em novembro de 1963



Nasciam em 1963 o pintor e escultor recifense Romero Brito (possui obras públicas em Brasília, nos EUA, na França, entre outros países), o astronauta brasileiro Marcos Pontes (primeiro brasileiro a ir ao espaço), a atriz carioca Glória Pires (atriz na novela “Caso Especial” de 1972 e no filme “O Primo Basílio” de 2007), o ex-zagueiro Julio Cesar (campeão da Liga dos Campeões da Europa com o Borussia Dortmund em 1997), o músico Dizzy Reed (tecladista da banda de rock Guns N’ Roses), o ex-jogador Pitico (campeão brasileiro de 1987 com o Sport), o ex-zagueiro Wilson Gottardo (campeão estadual com o Sport em 1999 e com passagem no Náutico em 1986) e o ex-atacante Marlon Brandão (campeão estadual em 1986 com o Santa Cruz). Neste mesmo ano vinham a óbito o diretor cinematográfico australiano Jonh Farrow (diretor do filme “Mares Violentos” de 1955), o escritor Carlos Magalhães de Azeredo (autor de livros como “Horas Sagradas” de 1903 e “Ariadne” de 1922), o compositor Lamartine Babo (autor do hino do América/RJ em 1947 e famoso pela marchinha de carnaval “O Teu Cabelo Não Nega” que na verdade era de autoria dos compositores recifenses Raul e João Valença) e o ex-jogador Rolando de Lamare (campeão carioca pelo Botafogo/RJ em 1907,1910 e 1912 e com passagem pela Seleção Brasileira de 1914). Foi o ano em que o Brasil foi bicampeão mundial de basquete, dos Jogos Pan-americanos de São Paulo, da Guerra das Areias entre Marrocos e Argélia, do assassinato do então presidente norte-americano John Kennedy e do centenário da criação do futebol na Inglaterra. Na música, o sucesso ficou por conta de “Sonhar Contigo” de Adilson Ramos, “Volta Por Cima” de Noite Ilustrada e “Splish Splash” de Roberto Carlos.

Ilustração de América 3x0 Centro Limoeirense em 10 de janeiro de 1963
na Ilha do Retiro pelo campeonato pernambucano
No dia 10 de novembro de 1963 houve a realização da quarta rodada do segundo turno do campeonato pernambucano com a partida América x Centro Limoeirense no Estádio da Ilha do Retiro. O América (sexto lugar no 1° turno) vinha de vitórias contra Santa Cruz e Central e de derrota frente ao Náutico, enquanto que o alvirrubro da cidade de Limoeiro (Princesa do Capibaribe) vinha de derrota para o Náutico e de um empate contra o Sport. A vitória poderia dar ao Alviverde da Estrada do Arraial a liderança do certame, uma vez que aparecia na vice-liderança com quatro pontos ganhos, um a menos que o líder Sport, por sua vez, a equipe centrista era o quinto colocado com um ponto ganho, a frente apenas do Santa Cruz que ainda não havia pontuado.

JC destaca problemas para o treinador argentino para montar
o time que no dia seguinte jogaria contra o América no Recife
O “Mequinha” vinha de quatro anos licenciado do campeonato e aquele ano marcou o reinício de sua trajetória de glórias. América (do treinador Dequinha) e Centro Limoeirense (do conhecido treinador argentino Dante Bianchi) haviam se enfrentado duas vezes no turno anterior, ambas com vitória da equipe vermelha e branca, colocando um ar de revanche pelo lado americano que ainda não havia vencido os centristas pelo estadual. O zagueiro Manoelito era a maior dúvida do treinado centrista, uma vez que, o referido jogador não compareceu ao treino do dia anterior e ainda não havia dado explicações relativas à sua ausência. A partida preliminar válida pela categoria de juniores acabou vitória do Centro por 3x2, o que para os mais supersticiosos não representava um bom sinal.

A bola estufa as redes do Centro Limoeirense naquele que foi o primeiro
gol do América. Pode-se ver o atacante Babá se pendurando na trave na comemoração
Enquanto Central e Náutico enfrentavam-se em Caruaru, era iniciada a partida América x Centro na Ilha do Retiro sob a arbitragem do Sr. Sebastião Rufino, auxiliado nas laterais por José Manoel Vieira e Hélio Ferreira. O primeiro tempo transcorreu com igualdade técnica entre as duas equipes, que procuraram se defender mais do que realmente atacar, deixando a etapa inicial de jogo com um placar nulo em ambos os lados. O treinador Dequinha percebeu que o Centro procurava a todo custo chutar a bola para longe e que desta maneira, a vitória só poderia vir se o América procurasse atacar tocando bola rapidamente entre seus atletas, pegando a defesa alvirrubra de surpresa. As orientações deram certo e aos 14 minutos numa bela troca de passes no ataque do América (Alá Barcelona atual) a bola sobrou para Babá, que inteligentemente tocou de cabeça para o gol, após a saída errada do goleiro Manguito. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X0 CENTRO LIMOEIRENSE. Festa verde e branca no Adelmar da Costa Carvalho.

Folha esportiva do Jornal do Commercio de
12/11/1963 ressaltando a vitória verde e branca
O treinador do “Dragão de Limoeiro” depois do gol sofrido optou pela entrada de Vi no meio campo no lugar de Milson. O “The Green Team” jogava melhor, entretanto, pouco depois do gol americano, a defesa recuou de forma errada a bola que sobrou para o atacante do Centro Limoeirense que driblou o goleiro Lula do América e com o gol todo aberto tocou por cima da meta, para o alívio da torcida alviverde nas arquibancadas. Recuperado do susto o América foi para cima e aos 35 minutos, Luiz Carlos se livrou da marcação matuta e disparou pela direita e no momento certo, recuou a bola para Mário, que não perdoou o goleiro Manguito do Centro e ampliou a vantagem esmeraldina. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X0 CENTRO LIMOEIRENSE.

O goleiro Manguito ficou atônito com a jogada de Luiz Carlos e o chute
potente de Eric. Restou-lhe apenas ver a bola estufar as suas redes no
que foi o terceiro gol do América.



Aos 38 minutos, um lance que fez a torcida levantar emocionada em clima comemorativo. Ataque americano pela esquerda por meio de Nivaldo que tocou para Luiz Carlos, que deixou a bola passar entre suas pernas, deixando o alvirrubro Dedé “desconcertado” e a bola sobrou para Eric, que num arremesso potente, assinalou o terceiro gol do jogo. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 3X0 CENTRO LIMOEIRENSE. Como se diz em Limoeiro, “as favas já estavam contadas” e o América venceu bem assumindo assim, a liderança do campeonato, uma vez que, Central e Náutico haviam empatado em Caruaru. A partida América 3x0 Centro Limoeirense registrou naquele domingo dia 10 de novembro de 1963 um público de 1.493 torcedores, gerando com isso, uma renda de 347.230 cruzeiros. As equipes desta vitória do América contra o Centro foram as seguintes:






AMÉRICA:
Lula;
Breno e Bria;
Zé Maria, Gilson e Ney Andrade;
Mário, Luiz Carlos, Babá, Eric e Nivaldo.


CENTRO:
Manguito;
Adilson e Manoelito;
Milson, Dedé e Luizinho;

Tidão, Targino, Neco, Zezo e João Carlos.

0 comentários:

Postar um comentário