quarta-feira, 4 de junho de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 3x1 Ferroviário em setembro de 1974

Em 1974 nasceram a atriz canadense Natasha Henstridge (atriz dos filmes “Meu Vizinho Mafioso” de 2000 e “A Experiência” de 1995), o ex-goleiro Bosco (campeão da Copa do Nordeste de 2000 com o Sport e do Mundial de Clubes com o São Paulo), a cantora holandesa Sharon Den Adel (vocalista da banda de gênero metal sinfônico, Within Temptation), o ex-jogador André Jacaré (campeão pernambucano de 1995 com o Santa Cruz), o ex-jogador Cláudio Milar (campeão pernambucano com o Náutico em 2001) e a guitarrista norte-americana Carrie Brownstein (vocalista da banda de rock norte-americana Sleater-Kinney), o cantor Beto Bruno (vocalista da banda de rock brasileira “Cachorro Grande”), o ex-jogador inglês Sol Campbell (campeão inglês em 2002 e 2004 com o Arsenal). Faleciam neste ano o ator norte americano Walter Brennan (ator dos filmes “Duas Almas Se Encontram” de 1935 e em “Conspiração do Silêncio” de 1954), a atriz Adriana Prieto (atriz do filme “Ainda Agarro Esta Vizinha” de 1974), o ex-jogador Dusan Markovic (defendeu a seleção da Iugoslávia na Copa de 1930), Frei Tito de Alencar Lima (um dos mais importantes símbolos a favor dos direitos humanos durante a ditadura militar), o físico britânico James Chadwick (vencedor do prêmio Nobel de física de 1935 devido à descoberta do nêutron), o ex-estudante Fernando Santa Cruz (natural de Olinda e que é mais um dentre vários desaparecidos durante a ditadura) e o cantor Gastão Formenti (conhecido por sucessos como “Olhos Tristes” de 1938 de Jararaca e Vicente Paiva e “Folhas ao Vento” de 1934 de Milton Amaral).

Diário de Pernambuco de 15 de setembro de 1974 fazendo o destaque
da partida América x Ferroviário de logo mais nos Aflitos
A terceira rodada da segunda fase do primeiro turno do campeonato pernambucano de 1974 ocorreu em um domingo 15 de setembro com quatro jogos. O “Mequinha” faria seu tradicional confronto contra o Ferroviário do Recife no Estádio dos Aflitos, sendo, portanto, a preliminar da partida Náutico x Central que ocorreria pouco depois. Santa Cruz x Íbis e Sport x Santo Amaro completariam a rodada. O América, que vinha de vitória contra o Íbis por 2x0, aparecia na quarta colocação com 10 pontos ganhos, enquanto que o Clube Ferroviário do aprazível bairro de Afogados, que vinha de empate contra o Central por 2x2, aparecia na quinta colocação com 9 pontos, o que tornou a partida ainda mais emocionante pelo fato de que era uma briga direta pela quarta colocação do certame.

Ilustração de América x Ferroviário do Recife nos Aflitos em 15/09/1974
No sábado, o treinador Astrogildo Néri do clube esmeraldino comandou um treino no Sítio da Trindade, que foi o suficiente para garantir a escalação do time que duelaria contra o “Ferrim” no dia seguinte. A equipe ficou concentrada no Hotel Treze de Maio como forma de focar a mente dos atletas, unicamente nesta partida tão importante. Por sua vez, o Tricolor das Estradas de Ferro, treinado pelo técnico argentino Dante Bianchi, fez um treino físico no campo da Vila Ipiranga em Afogados e se encontravam bem animados, em função do pagamento das gratificações que haviam sido efetuados pela diretoria. Às duas e meia da tarde sob a arbitragem de Gilson Cordeiro, auxiliado nas laterais por Luis Gonçalves e João Souto, a bola rolou no tapete verde do Estádio Eládio de Barros Carvalho para América x Ferroviário do Recife e a equipe tricolor férrea partiu para cima do América, na clara intenção de sagrar-se vitorioso.

Atacante Elói do América
subindo para o cabeceio

O Ferroviário começou melhor, aproveitando a boa qualidade técnica do meio campista Luis Carlos, que sempre conseguia colocar seus companheiros Beto e Josafá em situações reais de gol. Aos 15 minutos, o mesmo Luis Carlos lançou o atacante Roberto que da entrada da grande área não perdoou e fez o primeiro gol do jogo. AMÉRICA 0X1 FERROVIÁRIO. Aos 20 minutos em outra jogada de Luis Carlos para Roberto, este último recebeu a bola em condições normais, mas não prosseguiu a jogada por crer estar impedido, levando a torcida americana a ter mais um susto. O América começou a melhorar no jogo aproveitando a classe do atacante Elói que procurava colocar seus companheiros em situações reais de gol, principalmente o lateral Vitor e numa destas jogadas, aos 23 minutos, por muito pouco o Mequinha não marcava o gol de empate.

América insistindo em busca do gol de empate

A grande chance do empate surgiu aos 25 minutos, quando Geraldo do América tomou a bola do goleiro Naércio do Ferroviário, servindo Elói que deu a bola para Evandro, porém, a forte marcação do zagueiro Moreira o atrapalhou e acabou por chutar por cima do arco de Naércio que nem se encontrava na jogada. Era a pressão alviverde ficando madura e aos 27 minutos, Elói encontra Geraldo em boas condições e lhe cede a bola, vindo então Geraldo a se livrar da marcação com um bom giro de corpo e soltar o torpedo de perna esquerda para marcar o gol de empate. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X1 FERROVIÁRIO. A partida ficou equilibrada com boas jogadas aparecendo dos dois lados, até que o Ferroviário teve a última chance de gol do 1° tempo aos 38 minutos, quando Roberto tendo a frente apenas o goleiro Carlos do América, chutou por cima, assustando a massa alviverde presente aos Aflitos e o primeiro tempo terminou empatado com um gol para cada lado. No intervalo o Ferroviário fez duas alterações, que foram as entradas de Agápito no lugar de Josafá no ataque, e de Jaime no lugar de Zecão no meio campo.

Folha esportiva do Diário de Pernambuco da terça dia 17
Veio o segundo tempo e o verde e branco de Casa Amarela voltou mais aceso, tanto que logo aos 4 minutos o meia Otávio Souto, deu um belo passe para Valdir que penetrou na defesa “Ferrim” com rapidez até chutar forte contra o goleiro Naércio, que rebotou tamanha a força do chute, vindo a pelota novamente aos pés de Valdir que não perdoou. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X1 FERROVIÁRIO e a festa alviverde começava a tomar conta do Estádio do Náutico. Aos 6 minutos novamente a torcida do América levaria susto, numa grande jogada do Ferroviário por intermédio do atacante Lula, que pegou a bola numa falha do goleiro Carlos, mas chutou para fora para o alívio da massa esmeraldina. A equipe da Rede Ferroviária Federal (RFFSA) correu em busca do empate com galhardia, contudo, as boas jogadas criadas foram nos 25 minutos seguintes todas anuladas pela defesa americana, especialmente por Birunga e Antonino. 


Diário de Pernambuco de 17/09/1974 ressalta a valentia do Ferroviário
Aos 37 minutos enfim, o alívio. Numa grande jogada do meio campista Paulo Roberto, a bola sobrou para Geraldo que mais uma venceu o goleiro do Tricolor da Estrada de Ferro, para garantir a vitória. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 3X1 FERROVIÁRIO e a emoção tomou conta das arquibancadas do estádio da Avenida Rosa e Silva. As equipes neta grande partida estiveram assim escaladas:




AMÉRICA:
Carlos;
Vitor, Birunga, Antonino e Jaminho;
Otávio Souto e Paulo Roberto;
Valdir, Evandro, Geraldo e Elói.

FERROVIÁRIO DO RECIFE:
Naércio;
Romário, Geraílton, Moreira e Pedrinho;
Zecão e Luis Carlos;
Beto, Josafá, Lula e Roberto.

Um comentário:

  1. Tempos que estão em minha memoria.
    O Náutico foi campeão pra alegria de minha mãe,porem não sei,mas meu sentimento era pelo Ferrim,mais ninguem queria torcer por ser fraco e a imprença pouco divulgava.
    Minha primeira fez em um estadio foi exatamente em 1974 Náutico 4 x 0 Ferrim e eu sai com um sentimento ruim,,,e depois aprendi a torcer pelo Náutico ate hoje com 54 anos de idade,mas algo tem dentro de mim pelo Ferrim em que não sei explicar e ficou a imagem desse jogo em que o Ferrim jogou de amarelo.

    ResponderExcluir