segunda-feira, 14 de julho de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 2x2 Íris em julho de 1933

Em 1933 nasciam o químico holandês Paul Crutzen (vencedor do prêmio Nobel de química em 1995 devido seus estudos sobre o ozônio), o ator Othon Bastos (ator no filme “Central do Brasil” de 1998 e na novela “Helena” de 1987), o ex-jogador Garrincha (campeão das copas de 1958 e 1962 com a Seleção Brasileira), a atriz Suzana Faini (atriz no filme “O Crime do Zé Bigorna” de 1977 e na novela “Salve Jorge” de 2012), o ex-jogador pernambucano Adésio (revelação do Sport em 1950, campeão carioca com o Vasco da Gama em 1956 e atleta da nossa seleção olímpica nos jogos de Helsinque na Finlândia em 1952), o ex-treinador Evaristo de Macedo (campeão carioca de 1965 com o Flamengo (como jogador) e pernambucano de 1976 com o Santa Cruz (como treinador)) e o ex-jogador Traçaia (maior artilheiro da história do Sport e campeão pernambucano de 1961). Faleciam neste ano o poeta português Delfim Guimarães (autor de livros como “Sonho Garretiano” de 1908 e “A Virgem do Castelo” de 1901), o ator norte-americano Duke Worne (ator nos seriados “Os Mistérios do Bairro Chinês” de 1928 e “O Oficial 77” de 1926), o escritor colombiano José Maria Vargas Villa (autor do livro “El Camino del Triunfo” de 1909) e o velocista norte-americano Franck Jarvis (medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Paris em 1900). As canções que encantaram os brasileiros em 1933 foram “A Tua Vida é Um Segredo” com Mário Reis, “Até Amanhã” com João Petra de Barros, “Dona da Minha Vontade” com Francisco Alves, “Moreninha da Praia” com Almirante, “Segura Esta Mulher” com Sílvio Caldas e o frevo “É de Amargar” com Capiba, sucesso do carnaval de 1933.

Ilustração de América x Íris no Estádio da Jaqueira pelo Campeonato
Pernambucano de 1933
O campeonato pernambucano de 1933 foi disputado em duas séries (o que se chamou de módulos nos anos 1980). As oito maiores equipes do estado disputaram entre si com jogos de ida e volta no sistema de pontos corridos (Série Azul), uma vaga para a decisão, enquanto que a outra vaga seria dada ao campeão da Série Branca, formada por equipes de menor escalão. Mais uma grande partida seria disputada no Estádio do Parque da Jaqueira esta se daria no dia 16 de julho, data de América x Íris, jogo da sétima rodada. O Santa Cruz era o líder com 10 pontos, seguido pelo Sport (8 pontos), pelo Náutico (7 pontos) e pelo Íris (5 pontos). O América dividia a quinta colocação com o Flamengo, ambos com 4 pontos ganhos e estavam acima somente do Encruzilhada e do Torre, que possuíam dois e zero pontos, respectivamente. A pressão nas costas dos alviverdes era grande, em virtude da derrota sofrida no último jogo, para o Flamengo do Recife por 3x2, enquanto que, no lado do Íris, o Periquito Azul do bairro de Santo Amaro, as coisas iam bem, muito em função da vitória em cima do Encruzilhada por 8x0 e dos empates contra Náutico e Santa Cruz obtidos em seus últimos prélios. Tendo o Íris imediatamente em cima na tábua de classificação, este era um jogo no qual o América não poderia perder. O público que compareceu à majestosa praça esportiva de nossa capital naquele domingo pode acompanhar no início da tarde, a partida América x Íris válida pela categoria de amadores e para a preocupação dos torcedores do América mais supersticiosos, o time esmeraldino amador perdeu pelo placar de 3x2.

Às 15:50 h os profissionais de América e de Íris entraram no gramado de jogo, entretanto, o árbitro indicado pela Federação Pernambucana de Desportos (FPD), o Sr. Manoel Pinto, não compareceu para o exercício de sua função, sendo então, substituído às pressas, pelo Sr. Antônio Almeida, dirigente do time do Torre. O jogo começa e com apenas 9 minutos de bola rolando saiu o primeiro gol daquela tarde. Chinez do Íris correu com a bola e driblou o zagueiro americano Barbalho, antes de tocar a bola para o atacante Biu, que arrematou a bola na saída do goleiro Gouveia, abrindo o marcador na Jaqueira. AMÉRICA 0X1 ÍRIS e a comemoração foi dos azuis de Santo Amaro.

Página esportiva do Jornal Pequeno de 17 de julho de 1933
A reação americana na partida demorou para ocorrer. Com o Íris jogando de forma recuada e o América com dificuldades para vencer o bloqueio defensivo do adversário, a partida ficou monótona e com poucos lances que pudessem chamar a atenção do torcedor presente. No Íris, as maiores jogadas ficavam por conta do meio-campista Popó, responsável por grandes lançamentos principalmente para os atacantes Ivo e Zeferino, enquanto isso, pelo lado do América, a esperança residia nas grandes jogadas no meio-campista Casado, que vez ou outra, colocava o atacante Quincas em ótimas condições de marcar. Aos 40 minutos, numa grande jogada arquitetada pelo meia Pirá, a bola foi tocada para Zeferino, que soltou um forte chute para vencer o goleiro Gouveia do América e aumentar o placar. AMÉRICA 0X2 ÍRIS e a torcida esmeraldina presente à Jaqueira já começava a coçar a cabeça de preocupação. Alvinho é sacado dentro os titulares e em seu lugar aparece o creditado Jorge Leça como o possível salvador do clube de Casa Amarela, naquela partida tão difícil. No Íris, o atacante Biu também deixou o campo e Caboclo foi o seu substituto. O América era outro no segundo tempo. As grandes jogadas começaram a reaparecer e a categoria reconhecida de atletas como Rubens e Prego, logo ficou evidente. Aos vinte minutos o atacante Quincas armou grande jogada, livrando-se do zagueiro Themístocles e tocando a bola nos pés de Dodô, que chutou forte e no canto do goleiro Trajano. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X2 ÍRIS e a torcida alviverde comemorava o início da reação.

Jornal Pequeno destacando a vitória do Náutico por 6x1 contra o Flamengo
e o empate entre América e Íris no Estádio da Jaqueira
O Íris desnorteou-se em campo com o gol de Dodô e o América se aproveitou para pressionar. Lula e Casado armavam as jogadas mais perigosas dando muito trabalho ao goleiro Trajano do Íris. Na defesa, Mário e Barbalho eram as barreiras agora intransponíveis aos ataques dos azulinos Caboclo e Zeferino, tendo o goleiro Gouveia intervido em poucos lances. Aos 40 minutos surge um escanteio para o clube da Estrada do Arraial. Prego bate o escanteio na altura certeira e a bola encontra a cabeça de Jorge Leça, que cabeceia fulminantemente contra o as redes do goleiro Trajano empatando o jogo. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X2 ÍRIS e festejava a torcida americana presente ao Estádio da Jaqueira. A virada poderia até vir, mas o tempo não foi suficiente e o jogo terminou empatado. Na mesma tarde, o Náutico venceu o Flamengo por 6x1 no Estádio do Sport (Av. Malaquias). As equipes desta partida foram as seguintes:




AMÉRICA:
Gouveia;
Mário e Barbalho;
Alemão, Rubens e Casado;
Alvinho, Quincas, Dodô, Lula e Prego.

ÍRIS:
Trajano;
Themístocles e Walfrido;
Popó, Batista e Peu;

Pirá, Ivo, Zeferino, Chinez e Biu.

0 comentários:

Postar um comentário