sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Masters do América entram em campo pela II Copa AGAP


O time de futebol máster do América voltará a campo novamente, pela II Copa AGAP, competição amistosa organizada pela Associação de Garantia ao Atleta Profissional de Pernambuco (AGAP-PE).

Depois do Torneio Inicio realizado no último domingo no Estádio Luiz Alexandrino, 12 agremiações buscarão o título do certame, com a primeira fase divididas em 3 grupos de 4 equipes. O primeiro jogo do América será contra a equipe do Surubim, já neste neste sábado, às 10h30, no IFPE (antigo CEFET), situado no bairro da Cidade Universitária. 

Pra quem não sabe, o time do América será comandado por Augusto Simas, ex-atleta do clube nos anos 70, que agora atua como Psicólogo e Pastor Evangélico.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 2x2 Sport em outubro de 1965

Jornal do Commercio de 17 de outubro de 1965
relatando o clássico daquela tarde de domingo.
Neste ano nascia o ator norte-americano Corey Parker (ator em filmes como “Sexta-Feira 13 Parte V: Um Novo Começo” de 1985 e “Loucos de Paixão” de 1990), a atriz dinamarquesa Connie Nielsen (atriz em filmes como “O Advogado do Diabo” de 1997 e “Gladiador” de 2000), o ex-jogador escocês Colin Calderwood (defendeu a Seleção Escocesa na Copa de 1998), o ex-goleiro costarriquenho Erick Lonnis (defendeu a Seleção da Costa Rica na Copa de 2002), o músico Krist Novoselic (fundador e ex-baixista da banda de rock Nirvana) e o músico japonês Toshimitsu Deyama (vocalista da banda de heavy metal japonês X Japan). Falecia o cineasta norte-americano Ray Enright (diretor de filmes como “Viúvas de Havana” de 1933 e “O Escorpião Vermelho” de 1945), o ator alemão Otto Wernicke (ator nos filmes “O Testamento do Dr. Mabuse” de 1933 e “Titanic” de 1943) e o fisiologista norte-americano Joseph Erlanger (vencedor do prêmio Nobel de medicina em 1944). Os sucessos musicais eram “A Garota do Baile” com Roberto Carlos, “Sinfonia da Mata” com Orlando Dias, “O Neguinho e a Senhorita” com Noite Ilustrada e “Não Me Esquecerás” com Carlos Alberto.

Ilustração de América x Sport no Estádio da Ilha do Retiro pelo campeonato
pernambucano de 1965. 
O dia 17 de outubro de 1965 marcou o Recife pelo acontecimento de mais um clássico dos campeões envolvendo América e Sport no Estádio da Ilha do Retiro. Naquele domingo, as equipes entrariam em campo pela sexta rodada do segundo turno do campeonato pernambucano de futebol, rodada esta que foi aberta com a vitória do Central sobre o Íbis por 4x2 na quarta-feira e se encerraria com a partida ente Santa Cruz e Íbis na terça-feira seguinte. O América, que vinha de um empate sem gols contra o Santa Cruz, era o último colocado do turno com apenas um ponto ganho, enquanto que, o Sport, que vinha de derrota para o líder Náutico por 5x3, era o segundo colocado com oito pontos ganhos. Desta forma, o Sport vinha com a intenção de encostar nos alvirrubros de Rosa e Silva e os esmeraldinos, de conquistar a primeira vitória. Pelo lado do clube da Praça da Bandeira, a previsão era de que o zagueiro Dodó, não poderia atuar, em virtude de uma contusão sofrida na partida contra o Náutico e com isso, era quase certa a escalação de Mané para o seu lugar, se constituindo na única dúvida do treinador argentino Dante Bianchi do Sport para o clássico. No lado do clube do bairro de Casa Amarela, a equipe do técnico Alexandre Borges não teria problemas para montar a escalação, mantendo com isso a mesma equipe que empatou com o Santa Cruz na semana passada. Quem chegasse mais cedo ao estádio, poderia acompanhar a partida Sport x América pela categoria de aspirantes, que aconteceria sob a arbitragem do Sr. Hélio ferreira.

Jornal do Commercio de 19 de outubro de 1965 destaca
que o juiz impediu a vitória do América.
A preliminar terminou com vitória rubro-negra por quatro gols a um e com nenhum incidente fora da normalidade. As 15:00h a bola rolou sob a arbitragem de Alfredo Bernardes Torres, auxiliado por José Manuel Vieira e José Amaro Dutra nas bandeirinhas. No começo da peleja o América se mostrou bem melhor em campo do que o Sport, que parecia sentir a ausência do zagueiro Dodó, uma vez que, seu substituto não tinha tanta velocidade para acompanhar as investidas dos atacantes americanos. Aos 10 minutos de jogo, o América atacou com a velocidade do meio-campista Agra, que tocou a bola para o atacante Ribeirinho e em condições normais chutou forte no canto do goleiro Pedrinho para abrir o marcador na Ilha do Retiro. É GOL DO AMÉRICA! SPORT 0X1 AMÉRICA e quem festejava era a torcida do alviverde da Estrada do Arraial. O Sport Club do Recife não conseguia de modo algum fazer a ligação entre o meio campo e o ataque e naquele momento vinha fazendo uma partida pior do que em relação a partida contra o Náutico, motivo de preocupação dos rubro negros. Antes que o treinador Dante Bianchi do Sport pudesse providenciar mudanças na postura de sua equipe no gramado, o América atacou aos 15 minutos com a categoria do meia Agra, que fez um ótimo lançamento para o atacante Santos e este não titubeou ao marcar o segundo gol dos esmeraldinos. É GOL DO AMÉRICA! SPORT 0X2 AMÉRICA e a torcida americana começava a se mostrar confiante na primeira vitória do returno.

Tomaz Edson: Foi uma das maiores palhaçadas já apresentadas no
futebol pernambucano nos últimos tempos.
Com o placar desfavorável, o Sport melhorou em campo e começou a criar chances claras, uma delas, aos 25 minutos quando Gojoba tocou a bola para o atacante Pelezinho, que chutou forte para uma espetacular defesa do goleiro Lula do América. Aos 35 minutos, com o América já postado na defesa e esperando jogadas de contra-ataque, a bola caiu nos pés do lateral Duda que correu pela esquerda e cruzou para Lima, que de cabeça forçou o goleiro Pedrinho do Sport a fazer ótima defesa. Antes do término do primeiro tempo, o Leão da Ilha ainda teve duas oportunidades, uma delas com Adílson que lançou Isaac e outra com Helmiton cruzando a bola para Fernando José, entretanto, ambas as finalizações terminaram em tiro de meta a ser cobrado por Lula.

Zagueiros Nilton e Carlos do América chegam para ajudar o goleiro Lula
num chute de Neco do Sport. O rubro-negro Pelezinho também acompanha
o desfecho da jogada no centro da imagem.
Com a intenção de impedir o tricampeonato do Náutico, o Sport se lançou para frente em busca de virar o resultado e logo aos 5 minutos do segundo tempo, o meio campista Chico deixou o atacante Neco na cara o gol, mas o goleiro Lula se agigantou e impediu o gol rubro-negro. A partir de então começou a aparecer de forma negativa a figura do árbitro Alfredo Torres, que tomado de um excesso de autoridade desmedido acabou por prejudicar os periquitos. Aos dez minutos o Sport atacou com Baixa cedendo a bola para Neco, que foi derrubado por Carlos do América, numa jogada de falta normal. Para a revolta dos torcedores do América, o Sr. Alfredo Torres sacou o cartão vermelho do bolso e expulsou de campo o zagueiro americano, o que gerou muitos protestos. Com a expulsão de Carlos, o atacante Lia foi recuado para a defesa. Com um jogador a menos, o América começou a ser pressionado pelo adversário e numa jogada do lateral Adílson a bola sobrou para o atacante Fernando José que assinalou o primeiro gol leonino. SPORT 1X2 AMÉRICA e o leão voltava à partida.

As condições mentais do árbitro foram colocadas em dúvida.
Completamente fechado na defesa, o América foi bastante pressionado e numa jogada rubro-negra do meia Gojoba, a bola sobrou para Pelezinho, que foi derrubado na entrada da grande área pelo zagueiro Nilton do América. Para a surpresa e indignação dos alviverdes, o árbitro Alfredo Torres mostrou o cartão vermelho para Nilton, expulsando-o de campo em uma atitude totalmente desproporcional à falta cometida. O atacante Santos foi recuado para a defesa na posição de Nilton. Depois de alguns minutos de paralisação, a partida recomeçou com o América tendo em campo nove jogadores e todos dispostos a defender até o último minuto para impedir uma derrota. Fernando José, Neco e Pelezinho duas vezes ainda perderam grandes oportunidades de empatar, mas, os “zagueiros-atacantes” do América afastavam o perigo como podiam.

Tomaz Edson, presidente do América, desmente boato gerado após
o jogo.
Aos 30 minutos foi a vez do goleiro Lula do América ser expulso pelo árbitro Alfredo Torres, alegando retardo de jogo ao cobrar tiro de meta. O meio-campista Tadeu foi designado para ser o novo goleiro do América nos 15 minutos restantes da peleja e os alviverdes recomeçaram o jogo com oito jogadores em campo! Num clima de grande nervosismo, o Sport chegou ao empate num chute de fora da área dado pelo atacante Fernando José Igualando o marcador. SPORT 2X2 AMÉRICA e partida estava empatada na Ilha do Retiro. No último minuto o meia Gojoba do Sport ainda teve uma grande chance, todavia, Tadeu, o goleiro improvisado, saltou para desviar a bola a escanteio. Fim de um jogo em que o juiz não deixou o América vencer. Os atletas daquele clássico dos campeões foram os seguintes:

AMÉRICA:
Lula;
Breno, Nilton, Carlos e Duda;
Agra e Tadeu;
Ribeirinho, Dema, Santos e Lima.

SPORT:
Pedrinho;
Adílson, Baixa, Mané e Helmiton;
Gojoba e Chico;
Isaac, Pelezinho, Neco e Fernando José.


terça-feira, 26 de agosto de 2014

Super Basquete!!

Na última sexta-feira estivemos no bairro dos Aflitos para assistir a estréia do basquetebol feminino do América e bater um papo com o treinador Roberto Dornelas. A partida representou a estréia do time da Uninassau/América no campeonato pernambucano sub19. Na ocasião o Náutico, que amargou uma derrota de 47 x 15. Um resultado que demostrou para os presentes que a chapa vai esquentar!!

O treinador respondeu algumas perguntas do Blog do Mequinha, destacando sempre a alegria que está vivendo e a certeza de que pode fazer muito pelo basquetebol Pernambucano e brasileiro. Roberto discorreu sobre vários assuntos, para facilitar o entendimento vamos agrupa-los em tópicos.

BASQUETE BRASILEIRO: o treinador reconhece que o momento do esporte da bola laranja no Brasil passa por dificuldades, seja por falta de investimento na formação de novos valores ou até da crise vivida por grandes centros, como São Paulo, que encontra dificuldades para promover campeonatos, times como o Americana ( último campeão da LBF - Liga de Basquete Feminino) podem ficar de fora do campeonato local e da própria liga.Uma das saídas apontadas por Roberto é a formação de parcerias com empresas e Universidades, neste caso ele cita a parceira com o SESC, que vai montar escolinhas de basquete em diversas unidades, facilitando assim o acesso de novos praticantes e ofertando emprego aos atletas. O primeiro projeto vai ser montado na unidade de Santo Amaro tendo como treinadoras as jogadoras Adrianinha e Vanessa Gattei, além da supervisão de Roberto Dornelas e de sua equipe de preparadores. A escolinha vai abrir para associados do SESC, crianças de 8 anos de idade,e aos poucos será ofertado para comunidade.


BASQUETE PERNAMBUCANO: neste ponto ele valoriza o campeonato local enfatizando que o mesmo vai ajudar a montar a sua equipe,vai dar ritmo de jogo as atletas e oferecer aos pernambucanos uma boa competição. Neste caso ele frisa que vai entrar com duas equipes no campeonato adulto.

A OPÇÃO PELO AMÉRICA: ele falou um pouco sobre sua passagem pelo Sport,a sua paixão pelo basquete e a vontade de enfrentar novos desafios. A opção pelo América se deu por questões de facilidades, pesou a simpatia que o América desperta nas pessoas ( e na própria família do treinador) e por último o apoio que recebeu do presidente Celso Muniz Filho. Roberto lembrou bem que as meninas ficaram encantadas com o projeto e estão "jogando junto", acreditando no sucesso da parceria.

PROPOSTA DE TRABALHO: Roberto procurou enfatizar que uma das razões para o sucesso de seu trabalho se dá através de sua proposta de trabalho, que valoriza o trabalho em equipe, a utilização de tecnologias e a integração entre os diferentes segmentos do seu grupo, quando fala sobre isto, exemplifica: fala do trabalho da equipe de psicologia, de fisiologia, da preparação física, do treinamento tático e da própria vontade das atletas. De acordo com o treinador o "pau come" durante os coletivos!!

A conversa foi altamente esclarecedora e positiva, com certeza o basquetebol vai trazer muitas alegrias para galera Alviverde!! Aproveito para pedir desculpas a turma do Roberto, atrasamos o jantar deles, porém foi por uma boa causa!! Em breve estaremos juntos nas quadras...torcendo...vibrando e festejando!!

Vão conhecer "seu Otacil", o decano dos Americanos e Jairo da Buzina!!!

Juntos somos fortes, juntos somos América!!




segunda-feira, 25 de agosto de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 2x1 Galícia da Bahia em março de 1945

Nascia este ano a atriz suiça Marthe Keller (atriz nos filmes “Maratona da Morte” de 1976 e “Fedora” de 1978), o ator norte-americano Stephen Martin (ator nos filmes “A Pantera Cor de Rosa 2” de 2009 e “O Sargento Trapalhão” de 1996), o ex-jogador Zé Carlos (campeão da Taça Libertadores de 1976 com o Cruzeiro e campeão brasileiro de 1978 com o Guarani), o treinador romeno Mircea Lucescu (campeão da Supercopa Europeia de 2000 com o Galatasaray/TUR e da Copa da UEFA de 2009 com o Shakhtar Donetsk/UCR) e o cantor inglês Ian Gillan (vocalista da banda de rock Deep Purple). Falecia o cineasta norte-americano Mark Sandrich (dirigiu filmes como “Dance Comigo” de 1938 e “Legião Branca” de 1943), o poeta Mário de Andrade (Autor dos livros “Pauliceia Desvairada” de 1922 e “O Carro da Miséria” de 1947), o matemático russo Boris Galerkin (publicou trabalhos sobre soluções de equações diferenciais) e o ex-jogador húngaro Alfred Schaffer (vice-campeão mundial de 1938 com a seleção da Hungria). Na música os sucessos foram “Aquela Mulher” com Nélson Gonçalves, “Brigamos Outra Vez” com Orlando Silva, “Penerou Xerem” com Luiz Gonzaga e “Izaura” com Francisco Alves.

Ainda carregando ou louros da conquista do título de campeão pernambucano de 1944 na cabeça, o América acertou com o clube baiano Guarani de Salvador, uma excursão à Bahia a fim de realizar algumas partidas amistosas e obter certo lucro com isso. A viagem para Salvador também tinha o propósito de preparar fisicamente a equipe que em pouco mais de um mês, estrearia no campeonato pernambucano de 1945 contra os alvinegros do Flamengo, em busca de um possível terceiro título de bicampeão. Depois de alguns dias de viagem de navio, o esquadrão americano aportava em Salvador e no dia seguinte, o time, distante pouco mais de 800 km de casa, fazia a sua primeira partida em solo baiano nesta excursão e o adversário seria o Galícia Esporte Clube, o clube da colônia espanhola. Vice-campeões baianos de 1944 e tricampeões de 1943, o Galícia era até então o melhor time baiano da década, gozando com isso de enorme prestígio no âmbito esportivo local e antes da partida contra o América do Recife, haviam jogado de forma amistosa contra o Fluminense/RJ, vice-campeão carioca de 1943, partida esta que terminou empatada.

Ilustração de América x Galícia da Bahia no Estádio Arthur Morais (Estádio
da Graça) em Salvador em 11 de março de 1945
No domingo, 11 de março de 1945, enquanto a Europa vivia o último semestre da Segunda Guerra Mundial, os alviverdes pernambucanos entravam no campo do jogo, o Estádio Arthur Morais (Estádio da Graça), para o duelo bastante esperado contra o Galícia. O público comparecia em grande número, lotando as arquibancadas de torcedores que aguardavam de forma ansiosa o confronto entre os melhores clubes dos dois mais pujantes estados do nordeste brasileiro. A bola rolou no Estádio da Graça após o apito do Sr. Duarte Correa, árbitro da partida, e os americanos procuraram mostrar que não eram campeões estaduais à toa. Aos 5 minutos, o América atacou com Pedrinho, que tocou a bola para Oséas finalizar forçando o goleiro Nova a espalmar a bola para fora. Com 15 minutos, mais uma vez o América atacou, mas, desta vez com Capuco, que driblou o zagueiro Carapicú e tocou para Julinho bater sobre as traves do goleiro do Galícia. Só aos 25 minutos, foi que os baianos assustaram o goleiro Leça, em virtude de uma boa jogada iniciada nos pés do meia Fala Baixinho, que cruzou uma bola rasteira para o atacante Novinha, porém, a bola passou à direita das traves. O América era bem superior ao adversário no primeiro tempo e numa arrancada em velocidade pelo meio campo através de Rubem aos 35 minutos, a bola foi lançada para Edgar, que chutou forte para o goleiro Nova do Galícia fazer outra boa defesa. A pressão do América só daria resultado aos 40 minutos, quando numa bela jogada de Valdeque a bola sobrou para Zezinho, que livre de marcação abriu o placar no Estádio da Graça. É GOL DO AMÉRICA! GALÍCIA 0X1 AMÉRICA e sem mais lances de perigo de gol, terminou o primeiro tempo.

Jornal Pequeno de 13 de março de 1945
Após o intervalo, o Galícia voltou bem melhor e equilibrou as ações do jogo. Aos 8 minutos, o meio-campista Nouca avançou em velocidade e tocou para o atacante Louro, que da entrada da grande área chutou no canto esquerdo de Leça, mas, o “magrelo” com a agilidade já conhecida de anos, pulou e evitou o gol de empate dos baianos. Numa bola rebatida por Galego na zaga americana, com 15 minutos, a bola sobrou para Valdeque, que passou por Walter e tocou à esquerda do goleiro Nova assustando a torcida soteropolitana. 

Nota do Jornal Pequeno de 13 de março de 1945 destacando a vitória do
América do Recife na estreia da temporada em salvador-BA contra o Galícia
O Galícia perdeu outra boa chance aos 20 minutos quando o atacante Curto recebeu a bola de Novinha e disparou o míssil, todavia, Leça mais uma vez fez grande atuação. As coisas seguiam normais até que o meia Rubem do América após uma dividida de bola com o atacante Isaltino do Galícia, cai de mau jeito no gramado e sofre uma fratura na clavícula, sendo então retirado de campo e deixando o América com dez jogadores em campo. Os “Granadeiros da Cruz de Santiago” foram para cima e deixaram vazios no setor defensivo e num deles, o América infiltrou-se com Oséas, que cruzou a bola para Valdeque bater no canto do goleiro Nova e aumentar a vantagem aos 30 minutos. É GOL DO AMÉRICA! GALÍCIA 0X2 AMÉRICA e a graça no Estádio Arthur Morais estava com os pernambucanos. Quando a partida já estava para ser encerrada, aos 45 minutos, o atacante Novinha passou a bola para Cacuá, que se livrou da marcação de Lucas e bateu para estufar as redes de Leça. GALÍCIA 1X2 AMÉRICA e um minuto depois, o Sr. Duarte Correa apitou para encerrar o jogo e o América triunfou mais uma vez. A renda da partida somou a importância de 32.350 cruzeiros e os atletas foram os seguintes:

GALÍCIA/BA
Nova; 
Baiano e Carapicú; 
Walter, Fala Baixinho e Nouca;
Louro, Curto, Cacuá, Novinha e Isaltino.

AMÉRICA
Leça; 
Galego e Lucas;
Pedrinho, Capuco e Rubem; 
Zezinho, Julinho, Valdeque, Edgar e Oséas.


domingo, 24 de agosto de 2014

Nos pênaltis, juniores fora da Final!!


Foi disputado na tarde de ontem a segunda partida da semifinal do Campeonato Pernambucano SUB-20 2014 entre Náutico x América. Uma partida marcada por atrasos, pela escuridão e pela derrota da equipe esmeraldina.

A partida marcada para 15 horas sofreu atrasos de quase 45 minutos, isto se deve a falta de policiamento em campo. Acredito que seja responsabilidade da equipe mandante providenciar auxilio policial para realização do evento!!! Se o jogo fosse em Paulista.....

O jogo começou as 15h46, o América, jogando pelo empate entrou com uma postura defensiva, dando campo para o Náutico atuar. Esta postura mostrou ser um erro já que faltou ligação entre meio-campo e ataque, portanto o América acabou encurralado.

O resultado de tanta pressão foi o surgimento de um pênalti em favor do Náutico, marcado pelo árbitro, que foi chutado para fora por atleta timbu . O gol da equipe alvirrubra aconteceu pouco depois aos 12 minutos do primeiro tempo.
O primeiro tempo foi marcado pela pressão do Náutico, que procurava ampliar o placar, e por um nervosismo dos jogadores do América, que tentavam sair jogando e não conseguia. A ligação com o ataque era feita através de chutes do goleiro....



O segundo tempo iniciou melhor, o time do América passou a trabalhar mais a bola, os setores de ligação funcionaram melhor e com isso o time pressionou a equipe de Rosa e Silva. Aos 11 minutos, em jogada de contra-ataque, o camisa 9 do América, Bambam, escapa com a bola em direção ao gol, quando foi derrubado por defensor Alvirrubro!!! lance para expulsão!!foi expulso Danilo do Náutico.

Neste caso, jogada rápida, eu estava numa posição desfavorável, mas, achei pênalti!! Desta vez respeito a decisão do juiz por causa do meu posicionamento!!!

Com um jogador a menos o Náutico se retraiu e passou a esperar o contra-ataque, o América pressionou, criou oportunidades de gols, esbarrou no goleiro timbu e na falta de pontaria de seus atacantes. O Náutico teve 3 boas oportunidades que esbarraram no goleiro Alex.

FINAL DO JOGO: Náutico 1 x 0 América, como os alviverdes ganharam a primeira partida pelo mesmo placar a disputa foi para os pênaltis!! Infelizmente não vou comentar, quem quiser ver vai no grupo do América no Facebook. Vitória do Náutico 4x1.

Faço agora as minhas considerações finais, salientando que devemos aprender com derrotas e até aceita-las, mas, tem certas coisas que devem ser questionadas:

ARBITRAGEM: os amigos que acompanham o Blog já estão acostumados com nossas queixas em relação aos sopradores de apito, infelizmente  tenho queixas contra o trio de árbitros desta partida. Eu não quero ser ajudado, quero apenas que sejam justos. O apitador da partida ofereceu 5 cartões amarelos para atletas do América, juiz rigoroso, dedo em riste!! em jogadas semelhantes, os atletas do Náutico não recebiam nada!!! acredito até que o homem do apito expulsou o atleta timbu porque achou que a bola foi pênalti!!

Sei que não adianta chorar o leite derramada, mas, tem filmagem da partida, se jogador do América recebeu amarelo ( em muitos casos por merecimento), jogador do Náutico passou em branco!!

ATRASO E ILUMINAÇÃO: a partida começou com 45 minutos de atrasos!! está na ata da FPF!! que deu causa para o atraso foi o Náutico, por outro lado o segundo tempo transcorreu com metade do campo no escuro!! Atrapalhando inclusive o trabalho, mau feito, da arbitragem!! Um campeonato importante!!


AMÉRICA: temos que reconhecer que o trabalho feito na base está rendendo bons resultados, pelo segundo ano seguido fomos semi-finalistas, temos bons valores e somos respeitados. Boa parte da equipe SUB-20 deste ano tem idade para mais dois campeonatos!! Com mais trabalho, empenho e ajustes chegaremos lá!!

Lutar sempre, acreditar sempre, só aqueles que tem capacidade para sonhar, tem condições de almejar frutos!!

Juntos somos fortes, juntos somos América!!

sábado, 23 de agosto de 2014

Másters do América fazem estreia neste domingo



Neste domingo os craques do passado voltarão a entrar no gramado com as vestes esmeraldinas. É que pelo segundo ano consecutivo, o América participará da Copa AGAP, competição de futebol másters que é organizada justamente por quem se compromete a dar apoio a quem desfilou suas qualidades nos estádios de futebol. Com apoio da Federação Pernambucana de Futebol (FPF/PE), a Associação de Garantia aos Atletas de Pernambuco reúne os ex-atletas associados em uma competição amistosa.

Além do América, o certame máster contará com várias equipes de tradição no futebol pernambucano, como Náutico, Santa Cruz, Sport, Central, Íbis, Destilaria (Cabense), Central, Ypiranga e Surubim, além de equipes amadoras do ASIMARE e Guarany, e equipes que representarão as instituições do Batalhão de Choque, Corpo de Bombeiro e Federação Pernambucana de Futebol. Às 7h30 deste domingo, será realizado um Torneio Inicio com todas estas equipes, no Estádio Luiz Alexandrino, em Camaragibe.

O time do América será organizado por Augusto Simas, ex-atleta do clube, hoje Psicólogo e Pastor. Após o Torneio Início, o experientes alviverdes enfrentarão o Surubim, vice-campeão da edição passada, no próximo dia 30, na Escola Técnica Federal. 

América busca quarta vitória seguida no estadual de Society



Pra embalar ainda mais no Campeonato Pernambucano de Society, o América voltará ao gramado sintético com o objetivo de buscar sua quarta vitória consecutiva no certame. O time esmeraldino não sabe o que é perder desde a derrota por 3x1 contra o Camaleão, pela segunda rodada do estadual. 

Contra um dos lanternas, a equipe esmeraldina que é comandada pelo técnico Fabio Vila Nova tem a chance de aumentar esta invencibilidade,  neste domingo(24), às 15h10 na Academia de Futebol do Sandro Barbosa, em Paratibe. Com 12 pontos ganhos e na terceira colocação, o América enfrentará o time do Residenc, que ainda não pontuou. Caso a equipe esmeraldina vença, tem a chance de colar no Sport, líder com 15 pontos.

Uninassau/América vence Náutico com tranquilidade no estadual SUB-19

Uninassau/América vence Náutico no primeiro compromisso do Estadual SUB-19 | Foto: Washington Vaz

Uma estreia tranquila e de "mão -direita", assim pode ser definido o pontapé inicial dado na "Era Dornelas" dentro do basquete americano. Na noite desta sexta-feira (22), na quadra dos Aflitos, a da Uninassau/America fez seu primeiro jogo no Campeonato Pernambucano SUB-19 e conquistou vitória elástica diante do Náutico, por  47 a 15, mesmo contando com apenas a jogadora Rayaba no banco de reservas, revezando sua entrada com o quinteto Domênica, Letícia Xavier, Analina, Thainá e Isa, que iniciaram o jogo.

Com parciais de 17x2, 15x5, 8x3 e 7x5, percebe-se o quanto foi tranquilo a vitória do time comandado pelo técnico Roberto Dornelas. Em 10 minutos, as alviverdes fecharam o primeiro quarto em 17x2. No segundo quarto, a distância das alvirrubras para as americanas aumentaram 25 pontos antes do intervalo, encerrando o quarto em 32x7 para o time do Uninassau/América.

Com a vantagem elástica, o time de Dornelas administrou bem o ritmo do jogo nas últimas duas parciais, no entanto, a diferença de pontos no terceiro quarto continuou ampliando, fechado em 40x10. Nos dez minutos finais, o Uninassau/América fechou o jogo com 32 pontos de vantagem, encerrando o placar em 47 a 15.

Após a primeira vitória, a equipe do Uninassau/América espera definição da tabela,  para conhecer seu próximo adversário no Campeonato Pernambucano Feminino Sub-19.

Uninassau/América vence Náutico no primeiro compromisso do Estadual SUB-19 | Foto: Washington Vaz

Semifinal com cara de final



Neste sábado América e Náutico voltam ao campo para decidir uma vaga na final... um momento épico!

Ao longo da competição já foram três confrontos. O quadro aponta um embate equilibradíssimo: uma vitória para cada e um empate. O quarto confronto vale ainda muito mais. O Náutico segue confiante, ainda é o favorito para chegar ao tricampeonato e conta com a tradicional força da sua base para alcançar o seu objetivo. Tem um time forte e um técnico muito competente... e joga em casa.

Porém, depois do gol de Jackson no último sábado a torcida Americana tem cada vez mais esperança. No último ano o mesmo confronto nos tirou a chance de disputar o título, mas naquela ocasião o América não tinha essa vantagem e nem o time amadurecido que tem agora. Também somos fortes e as chances de chegar a uma final nunca foi tão clara.

Então neste sábado a torcida Americana está convidada a comparecer aos Aflitos às 15:00 hs e dar aquele apoio tão necessário aos nossos jovens representantes.

Juntos somos fortes, juntos somos América!!!

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Basquete Masculino busca recuperação contra Católica



Sem tempo para lamentar a derrota na estréia do Campeonato Pernambucano, o time de basquete masculino do América volta a quadra neste sábado, para enfrentar a equipe da Unicap, às 16h, nono Ginásio Marcelino Lopes, que fica na Ilha do Retiro.

Derrotado pelo Sport por 133x37 na última quarta-feira, a equipe esmeraldina que é comandada por Arnaldo Catanhede, fará sua segunda partida no estadual da modalidade. Já a Unicap, fará sua estréia no certame diante dos alviverdes. A entrada para o jogo é gratuita. 

Basquete Femininio estréia no estadual SUB-19



Nesta sexta-feira, a chamada "Era Dornelas" terá inicio nesta sexta-feira. Inscrita em diversas competições neste segundo semestre, o primeiro desafio do Uninassau/America será o Campeonato Pernambucano SUB-19, quando enfrentará o Náutico em uma melhor de cinco partidas na decisão do título da categoria.

Com seus treinos e jogos comandados pelo técnico Roberto Dornelas, o Uninassau/América mandará seus jogos no SESC de Santo Amaro. A primeira partida do time feminino SUB-19 será às 19h30, no Ginásio dos Aflitos.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

América estreia com derrota para Sport no Estadual de basquete


A equipe de basquete masculino do América estreou no Campeonato Pernambucano adulto com derrota. O time comandado pelo técnico Arnaldo Catanhede não resistiu à superioridade dos favoritos do Sport e perderam por 133 a 37.  

Com ampla vantagem, o time rubro negro venceu as quatro parciais da partida, com placares de 35×12, 34×6, 34×7 e 30×12. No próximo sábado (23), a equipe esmeraldina volta à quadra às 16h, no mesmo Ginásio Marcelino Lopes, quando enfrenta a equipe da Universidade Católica (Unicap).

MEMÓRIAS ESMERALDINAS ESPECIAL: América 5x0 Torre em novembro de 1919 (América campeão!)

Nascia a atriz paraense Mara Rúbia (atriz nos filmes “O Donzelo” de 1971 e “Dona Flor e Seus Dois Maridos” de 1976), a atriz Geny Prado (atriz em filmes como “Zé do Periquito” de 1960 e “Casinha Pequenina” de 1963), o ator norte-americano Robert Stack (ator em filmes como “Paixão de Toureiro” de 1951 e “Casa de Bambu” de 1955), o ex-goleiro Oberdan Cattani (campeão da Copa Rio Internacional de 1951 com o Palmeiras), o cantor Nélson Gonçalves (conhecido pela música “A Volta do Boêmio”), O cantor Jackson do Pandeiro (conhecido pela música “Como Tem Zé na Paraíba”), o ex-político João Goulart (presidente entre 1961 e 1962), os ex-jogadores espanhóis Salas (vice-campeão da Copa do Rei da Espanha com o Celta de Vigo em 1948) e Fernando Barnet (campeão da Copa do Rei em 1940 com o Espanyol de Barcelona) e o ex-jogador português Guilherme Espírito Santo (campeão português com o Benfica em 1950). Vinham a óbito o ex-presidente Rodrigues Alves (governou entre 1902 e 1906), o chileno Ramón Barros Luco (presidente do Chile entre 1910 e 1915), o matemático alemão Adolf Hurwitz (conhecido por trabalhos envolvendo polinômios), o também matemático alemão Paul Stackel (conhecido por trabalhos em análise complexa) e o poeta português João Penha (autor de livros como “Ecos do Passado” de 1914 e “Novas Rimas” de 1905). Na música os sucessos eram “Já Te Digo” com Baiano, “Deixe Deste Costume” com Eduardo das Neves, “O Kaiser em Fuga” com Caninha, “Sofres Porque Queres” com Pixinguinha, “Madrugando” com Américo Jacomino, o Canhoto e “A Rolinha do Sertão” com Baiano.

Ilustração de América x Torre no Estádio da Jaqueira pelo campeonato
pernambucano de 1919: o jogo do bicampeonato.
O América se tornou campeão pernambucano de futebol do ano de 1919 (o segundo troféu da sua história) após uma grande vitória contra o Torre. O campeonato do referido ano foi disputado por oito equipes no sistema de pontos corridos e turno único, sendo que a equipe dotada de mais pontos ao final das sete rodadas seria declarada a campeã. A expectativa em torno da última rodada do campeonato era grande, uma vez que, quatro times poderiam ficar com a taça de campeão, o que muito empolgou o público a comparecer a estes jogos decisivos. Tanto os alviverdes da Estrada do Arraial (que vinham de vitória por 6x1 contra o Varzeano) quanto o Torre (que vinha de empate em 3x3 contra o Sport) tinham chances de conquistar o título, sem falar que, Sport e Náutico também possuíam chances reais. Os americanos eram os únicos que dependiam só de si para levantar a taça, pois, lideravam o certame com 10 pontos ganhos, seguidos pelo Sport com 9 pontos, Náutico com 8 pontos e Torre com 8 pontos. Santa Cruz, Flamengo do Recife, Centro Sportivo do Peres e Varzeano já não mais tinham como ser campeões. A derradeira rodada foi aberta no dia quinze de novembro com a vitória do Náutico por 2x1 sobre o Varzeano, que fez com que o clube alvirrubro ficasse empatado em pontos com o América na liderança. No fim de semana seguinte, no dia 23 de novembro de 1919 para ser mais exato, o “Mequinha” entraria em campo sob pressão no majestoso Estádio da Jaqueira para botas as duas mãos no troféu em caso de vitória. O Sport Club do Recife aguardava ansioso pelo resultado, uma vez que, a derrota dos esmeraldinos associada com uma vitória rubro-negra contra o Flamengo no domingo seguinte daria o título ao clube da Praça da Bandeira.

Página esportiva do Jornal Pequeno de 25/11/1919
descrevendo a vitória do América sobre o Torre
Após o empate de 1x1 entre os segundos quadros de América e Torre, às 4h da tarde em ponto o árbitro Sr. João Lacerda, deu início à partida América x Torre que poderia dar o título de campeão ao América. A torcida do Sport também compareceu à Jaqueira, mas para torcer contra. O primeiro bom lance do jogo surgiu quando o meia Paulino do Torre cedeu a bola para o atacante Lins, que chutou forte e no canto, forçando o goleiro Salgado do América a se esticar para defender. Com 5 minutos de bola rolando, o América foi para frente numa grande jogada iniciada pelo atacante Zé Tasso, que passou a pelota para Peres I que abriu o marcador no Estádio da Jaqueira. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X0 TORRE e a torcida americana começava a comemorar. O Torre bem que tentou o empate aos 15 minutos, quando Roxura lançou Hermógenes, que de pé direito chutou para fora para o alívio da torcida americana. O público que se espremia nas tímidas arquibancadas de madeira do Parque da Jaqueira ajudava com gritos de incentivo e aos 22 minutos, apareceu a figura do atacante argentino Salerno do América, que numa arrancada em velocidade disparou rumo à meta, driblando o zagueiro Romeu do Torre antes de dar belo passe para Peres I, que chutou forte nas redes do goleiro Ramos. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X0 TORRE e o caminho para o bicampeonato estava sendo calçado.


Destaque do Jornal Pequeno de 25 de novembro de 1919 sobre o título
do América do Recife, bicampeão pernambucano de futebol
Os rubro-negros e alvirrubros que também se faziam presentes se conformaram em apenas assistir um espetáculo de futebol, haja vista que, torcer contra o América seria algo ingrato. Logo após a saída de bola os alviverdes atacaram novamente, desta vez com Peres II que avançou até onde pôde e tocou para Peres I, que fuzilou o arco defendido por Ramos. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 3X0 TORRE e a taça de bicampeão virou uma questão de tempo. Os torrenses abateram-se em campo e aos 26 minutos, o atacante Salerno com a garra portenha de quem nasceu nas bandas de lá do Mar da Prata, se livrou da marcação do zagueiro Arthur do Torre e chutou para o célebre Zé Tasso soltar o míssil para marcar mais um gol naquela tarde de domingo na Jaqueira. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 4X0 TORRE e os aplausos vinham até dos adversários e sem mais lances de perigo de gol encerrou-se o primeiro tempo.

Poster do América, o campeão pernambucano de 1919
Veio então o segundo tempo e com ele, a vontade do Torre Sport Club de diminuir o placar com um gol de honra. O meio-campista Austregésilo se livrou da marcação do zagueiro Ayres do América e tocou para Hermógenes, que chutou forte, mas o goleiro Salgado de pontas de dedos colocou para fora. Aos 15 minutos o belo futebol do gringo Salerno voltou a aparecer e como que se jogasse ao som de um tango de Gardel, cedeu o balão esférico para Peres I e o artilheiro máximo da peleja, marcou seu quarto gol e o quinto dos alviverdes. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 5X0 TORRE e a partir de então foi só esperar o apito final para que o grito de “É campeão!” voltasse a ecoar no Recife, como no ano anterior. As equipes do embate foram as seguintes:

AMÉRICA
Salgado; 
Alexi e Ayres; 
Soares, Bermudes e Rômulo; 
Peres II, Salerno, Zé Tasso, Peres I e Lapa.

TORRE
Ramos; 
Arthur e Romeu; 
Austregésilo, Roxura e Paulino; 
Arlindo, Oswaldo, Alemão, Hermógenes e Lins.


quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Basquete masculino do América vai enfrentar o Sport na estreia do Estadual



Após realizar uma série de amistosos, a equipe do América se prepara para a estreia no Campeonato Pernambucano de Basquete Adulto Masculino. A primeira partida do time esmeraldino será contra o Sport, nesta quarta-feira (20), às 20h30, no Ginásio Marcelino Lopes, anexado ao Complexo Esportivo da Ilha do Retiro.  O Campeonato Estadual conta, além de América e o Sport, com as equipes do União Sparta, Nosso Clube Social, UNICAP, Cabo, Íbis, Náutico e Santa Cruz. 

A competição que organizada pela Federação Pernambucana de Basketball,  foi dado inicio nesta na ultima sexta-feira,  na partida entre Nautico 107x34 Íbis, realizado no Ginásio dos Aflitos. Na segunda-feira, o Sport fez sua estreia, vencendo o União Sparta por 127x39. O confronto entre Sport x América será o terceiro jogo na categoria adulto masculino.

Com nove equipes disputando a primeira fase em jogos de ida, as quatro mais bem classificadas avançarão para as semifinais.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Brasil Campeão!!


Acabou neste fim de semana o 34° Campeonato Sul-Americano de Basquetebol Feminino, competição disputada no Equador. Nesta competição o Brasil confirmou a sua supremacia ao vencer seu 25° título, sendo o 15° título consecutivo!!! É muito título junto!!

O título do Brasil contou com a participação de 3 atletas da equipe universitária-periquita ou seja Uninassau/América!!!Parabéns a Tainá Paixão, Iza e Taty Pacheco!!




A campanha da equipe brasileira foi brilhante,obtendo 5 vitórias e conquistando o título de forma invicta. A final foi disputada contra o selecionado Argentino, que perdeu do Brasil por 59 x 47. A partida foi marcada por muitas dificuldades, onde, inclusive o selecionado brasileiro chegou a estar atrás do marcador, o time perdeu rebotes e teve, em alguns momentos, baixos aproveitamentos nos lances livres. O time foi se encontrando aos poucos e tomou o placar das argentinas.

A jogadora Jaqueline Silvestre foi a cestinha brasileira do jogo com 15 pontos!!O destaque do campeonato foi a pivô Clarissa Santos da Unimed, já as atletas do América,( Tainá, Iza e Taty) tiveram boa participação no campeonato marcando pontos, pegando rebotes ou dando assistências.

O  treinador brasileiro, Luís Augusto Zanon, destacou o espirito de luta da equipe, a recomposição de jogadas e o poder de recuperação das meninas. Na realidade trata-se de uma seleção jovem que não contou com a participação da Adrianinha e de outras atletas que estão em ação nos Estados Unidos.

A conquista das jogadores repercutiram no Recife,  valorizando o trabalho do técnico Roberto Dornelas e criando expectativas em relação a equipe Uninassau/América nos campeonatos futuros.

As jogadoras continuam com a seleção, que vai disputar amistosos na Europa.Com o título a seleção adquire o direito de participar do Campeonato Pan americano de 2015 e do Torneio Pré- Olímpico de 2015.

PARABÉNS MENINAS!!



segunda-feira, 18 de agosto de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 1x0 Ferroviário do Recife em abril de 1968

Diário de Pernambuco do dia 27 de abril de 1968 sobre
a partida América x Ferroviário nos Aflitos
Nasciam em 1968 a atriz norte-americana Ashley Judd (atriz em filmes como “Crimes em Primeiro Grau” de 2002 e “Risco Duplo” de 1999), o ator norte-americano Owen Wilson (ator nos filmes “Anaconda” de 1997 e “Os Estagiários” de 2013), o músico escocês Ray Wilson (vocalista da banda de rock Genesis), o ex-jogador Mauro Silva (campeão paulista de 1990 com o Bragantino e da Copa de 1994 com a Seleção Brasileira), o ex-jogador italiano Paolo Maldini (campeão mundial de clubes em 2007 com o Milan/ITA), o ex-goleiro Velloso (campeão brasileiro de 1994 com o Palmeiras), o ex-jogador francês Didier Deschamps (campeão mundial de clubes de 1996 com a Juventus/ITA e da Copa de 1998 com a Seleção Francesa), o ex-jogador Édson Silva (campeão pernambucano com o Sport em 1991), o ex-zagueiro Fernando Silva (campeão pernambucano de 1990 com o Santa Cruz) e o ex-zagueiro Cerezo (com passagem pelo Náutico em 1994). Falecia o químico alemão Otto Hahn (vencedor do prêmio Nobel de química em 1944), o ator gaúcho Amílton Fernandes (ator na novela “Direito de Nascer” de 1964 e no filme “O Vendedor de Linguiça” de 1962), o poeta pernambucano Manuel Bandeira (autor de livros como “A Cinza das Horas” de 1917 e “Libertinagem” de 1930), o escritor norte-americano John Steinbeck (autor de livros como “A Leste do Éden” de 1952 e “As Vinhas da Ira” de 1939) e o ex-treinador italiano Vittorio Pozzo (campeão das copas de 1934 e 1938 com a Seleção Italiana). Em meio à ditadura as rádios tocavam os sucessos “Para Não Dizer que Não Falei das Flores” com Geraldo Vandré, “Eu Tenho um Amor Melhor que o Seu” com Roberto Carlos, “Sá Marina” com Wilson Simonal, “A Pobreza” com Leno e Lilian, “Europa, França e Bahia” com Capiba e “De Juazeiro a Crato” com Luiz Gonzaga.


Treinador Dante Bianchi confiante contra o Ferroviário do Recife
O América realizou um de vários tradicionais confrontos contra o Ferroviário do Recife no dia 27 de abril de 1968, dia da sétima e última rodada do primeiro turno do campeonato pernambucano daquele ano. A partida a ser realizada no Estádio dos Aflitos teria uma cara de amistoso, pois, ambas não aspiravam ao título do turno inicial e já estavam classificadas para o turno seguinte, entretanto, a vitória daria aos americanos a quinta colocação, uma acima do próprio Ferroviário, logo, seria um confronto direto. O alviverde, que tinha cinco pontos, vinha de grande vitória sobre o Íbis por 5x0, enquanto que, o tricolor da estrada de ferro, possuidor de quatro pontos, vinha de vitória por um gol a zero contra o Santo Amaro.

Ferroviário queria a vitória a qualquer custo
Haveria uma preliminar válida pela categoria de juniores um pouco mais cedo, na qual, caso o América saísse vencedor levantaria o título de campeão do primeiro turno da categoria. Haja vista a importância do confronto, os atletas juniores por decisão do dirigente Constantino Barbosa, ficaram concentrados no Hotel Treze de Maio na Boa Vista, esperando a hora do duelo. O clima entre os profissionais era de tranquilidade com a classificação ao segundo turno garantida e com isso, o treinador Dante Bianchi revelou à imprensa que o time titular, que ficaria concentrado no casarão da Estrada do Arraial, seria o mesmo que goleou o Íbis na rodada passada e que está bastante confiante em um novo sucesso do clube do bairro de Casa Amarela. As fortes chuvas que caíram no dia que antecedeu a partida impossibilitaram que o Ferroviário treinasse no campo da Vila Ypiranga em Afogados sob os cuidados do treinador Geraldo José. Devido às condições impraticáveis do seu campo de treinamento, os atletas tricolores da RFFSA fizeram treino individual com o preparador físico Luiz Alexandrino e logo depois, os atletas foram concentrados no Hotel Capibaribe, esperando a hora do confronto contra o América.


Ilustração de América x Ferroviário do Recife no Estádio dos Aflitos pelo
Campeonato Pernambucano de 1968
Com a arbitragem de Sebastião Rufino, a bola rolou no tapete verde do gramado do Estádio Eládio de Barros Carvalho e quem teve a primeira boa chance foi o América, que numa jogada criada pelo meia Leduar aos 5 minutos, finalizou com o atacante Jairo que chutou para fora. Aos 20 minutos foi a vez do time da Rede Ferroviária Federal levar perigo com Carlinhos , que cedeu a bola para Djalma chutar forte, mas o goleiro Zé Neto do América realizou grande defesa. Com meia hora de jogo foi a vez do lateral esquerdo Necão fazer bom passe para o atacante quase indígena Iaponã, que chutou para o goleiro Holanda do “Ferrim” espalmar para fora, cedendo escanteio. Ainda no primeiro tempo, o Ferroviário num contra-ataque, arrancou em direção à meta com o meia Edinho, que lançou o atacante Nilsinho para bater à direita de Zé Neto, assustando a torcida americana. Sem maiores movimentações terminou o tempo inicial da peleja.

Destaque do Diário de Pernambuco de 28/04/1968
No intervalo o treinador Dante Bianchi do América optou pela entrada de Toinho no lugar de Leduar no meio campo e pela entrada de Laranjeiras no lugar de Iaponã no ataque. Geraldo José, treinador do Ferroviário, também mexeu em sua equipe e solicitou as estradas do meia  Roberto e do atacante Arlindo nos lugares de Edinho e Djalma, numa tentativa de dar mais movimentação ao time em campo. O árbitro autorizou o início do segundo tempo de jogo e logo no início o Ferroviário chegou perto de marcar, numa jogada que começou com o meia Roberto, que cedeu a bola para Joãozinho chutar nas mãos do goleiro Zé Neto. O “Mequinha” reagiu aos 10 minutos quando Dandô se livrou da marcação de Preta e chutou para Jairo perder um gol feito, levantando a torcida nas arquibancadas. Alguns minutos depois veio o fato inusitado da partida. O Sr. Sebastião Rufino interrompeu o jogo e solicitou ao policiamento a retirada de um torcedor do América das arquibancadas, alegando estar sendo verbalmente agredido com palavras chulas e de baixo calão.


Diário de Pernambuco de 28 de abril de 1968
Cinco minutos depois de reiniciada a partida, o América atacou com Dílson, que cedeu a pelota para Edson, que foi derrubado na área pelo lateral Zé Valter e o árbitro apitou o pênalti para o América. Na cobrança, o zagueiro Brito disparou um míssil para balançar as redes tricolores. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X0 FERROVIÁRIO e festa esmeraldina nos Aflitos. Faltando poucos minutos para o encerramento, o time ferroviário atacou com Arlindo, mas este chutou por cima das traves do arqueiro Zé Neto. Final de jogo nos Aflitos e mais uma vitória do América no campeonato pernambucano. Na preliminar, o time juniores do América treinado por Batista e formado por Silva; Alexandre, Fernando, Teco e Jaminho; Ideltônio e Batista; César, Antônio Carlos, Seul e Roberto venceu o Ferroviário por 5x0 (dois gols de Antônio Carlos e Alexandre, Teco e Eduardo com um gol cada) e conquistou de forma invicta o título do turno, com direito a festa na sede na Estrada do Arraial em Casa Amarela. 283 pessoas estiveram presentes aos Aflitos para verem os profissionais do América venceram o Ferroviário por 1x0, o que gerou uma renda de 436 cruzeiros novos naquele sábado de futebol. As equipes foram as seguintes:

AMÉRICA
Zé Neto; 
Pereira, Brito, Genival e Necão; 
Leduar e Dílson;
Dandô, Edson, Jairo e Iaponã.


FERROVIÁRIO
Holanda; 
Zé Carlos, Clóvis, Preta e Zé Valter; 
Valdeque e Edinho; 
Joãozinho, Djalma, Carlinhos e Nilsinho.

domingo, 17 de agosto de 2014

América enfrenta lanterna visando liderança no Estadual de Fut7


A meta é buscar a quarta terceira vitória no Campeonato Pernambucano de Society, para colar no Sport, líder isolado, com 12 pontos até a quarta rodada. É com este objetivo que o América entra no gramado sintético neste domingo para enfrentar os novatos do Liverpool, pela quinta rodada do estadual da modalidade.

Com nove pontos somados até a quarta rodada, o América liderado pelo técnico Fábio Vila Nova quer continuar vencendo pra continuar no pelotão de frente e melhor oportunidade não há, já que o próximo adversário do Periquito é o Liverpool, que ao lado do Residenc e Náutico de Brasília ainda não pontuaram.

América e Liverpool se enfrentarão pela primeira vez na modalidade neste domingo (17), às 16h10, na Academia de Futebol do Sandro Barbosa, no bairro de Paratibe, em Paulista.

sábado, 16 de agosto de 2014

América vence e sai na frente pela vaga na finalíssima! Mas a luta continua...



Foi suado, foi brigado, foi intenso, foi sofrido. Mas o América vence a equipe do Náutico por 1x0 e sai na frente na briga pela vaga na tão sonhada Final do Campeonato Pernambucano Sub-20!


O gol saiu no segundo tempo, através do atacante Jackson de cabeça, após um contra-ataque. O time do América dominou o 1º Tempo criando várias chances de gol, mas todas elas desperdiçadas. Ao começar o 2º Tempo, a equipe do Náutico começou em cima e jogando no erro da defesa do América que abusava nos passes errados. Mas sempre esbarravam na muralha chamada Alex.


Sem Everaldo, o América foi se encontrando no meio-campo, e num contra-ataque esmeraldino o gol saiu.Após o gol, Náutico e América travaram um jogo mais duro, digno de um verdadeiro Clássico.

A torcida que vibrou muito com o gol, passou a vibrar com cada roubada de bola do América, cada investida alvirrubra que fracassara, cada defesa do goleiro Alex, cada bomba dos zagueiros e laterais em retirar a bola do perigo. Depois disso iniciou-se uma confusão entre jogadores do Náutico com o técnico do América, Adelmo Soares. Logo logo, envolveu-se também a Comissão Técnica de Náutico e América e jogadores de ambas as equipes, os nervos estavam á flor da pele.

O juiz resolveu expulsar um jogador de cada equipe e o jogo prosseguiu muito forte e brigado até os 50 do 2º Tempo, onde o juiz apitou o fim do jogo dando a vitória aos americanos que muito vibraram. Damos um grande passo, porém é necessário muita cautela no jogo de volta. A torcida do América está CONVOCADA!



#ValeuAmérica

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Semifinal reeditada nos juniores


América e Náutico se enfrentam mais uma vez pela fase semifinal do pernambucano SUB-20. A torcida do América espera que agora a história seja outra.

No último ano o América chegou a semifinal do campeonato SUB-20 de forma "surpreendente". Superou o Santa Cruz no Arruda e conseguiu a classificação nos últimos minutos. Na semifinal o América pegou o Náutico. A história parece que aconteceu nos últimos dias, mas foi no ano passado. 

A diferença agora é que o América é um time ainda mais sólido, com uma campanha muito consistente nas duas primeiras fases classificatórias, nas quais ficou com a primeira e segunda colocação, respectivamente. Mesmo assim o Náutico é um dos favoritos ao título, atual bicampeão da competição e vem desde 2009 disputando a hegemonia da categoria contra o Sport.

O América contará com desfalques para a partida. Adriano é um deles, expulso no último jogo. Fora isso, o resto é muita vontade e determinação de prosseguir no certamente disputar o título. O trabalho durante a semana foi duro e começou cedo e agora vamos ver o que acontece dentro de campo neste sábado. Mas o que mais queremos mesmo é que a história não se repita e desta vez dê América!

Juntos somos mais fortes, juntos somos América. 

MEMÓRIAS ESMERALDINAS ESPECIAL: América 3x0 Náutico em fev-45 (AMÉRICA CAMPEÃO 1944!)

Jornal Pequeno de 17 de fevereiro de 1945 noticiando sobre o clássico
Neste ano nascia o físico japonês Makoto Kobayashi (vencedor do prêmio Nobel de física em 2008), o ator cearense José Wilker (ator na novela “Cavalo de Aço” de 1973 e no filme “O Homem da Capa Preta” de 1986), o ator holandês Rutger Hauer (ator em filmes como “A Nação do Medo” de 1994 e “Abelhas: Ataque Mortal” de 2001), o ator mexicano Carlos Villagrán (o “Quico” do seriado Chaves), o ex-jogador Pepeta (campeão amazonense em 1969 com o Nacional/AM), o ex-jogador Jairzinho (campeão brasileiro de 1968 com o Botafogo/RJ e da Copa do Mundo de 1970 com a Seleção Brasileira), o ex-jogador Ferenc Bene (campeão olímpico de 1964 com a seleção da Hungria), o cantor pernambucano Reginaldo Rossi (famoso pela música “Garçom” de 1987 entre outras) e o músico Jimmy Page (ex-guitarrista da banda de rock Led Zeppelin). Falecia o físico britânico Charles Barkla (vencedor do prêmio Nobel de física em 1917), a atriz norte-americana Mildred Harris (atriz em filmes como “Mocidade Audaciosa” de 1928 e “O Filho do Corsário” de 1926), o ex-jogador peruano Alejandro Villanueva (defendeu a Seleção Peruana na Copa de 1930) e o ex-jogador Gambarotta (campeão paulista de 1928 com o Corinthians e campeão baiano de 1931 com o Bahia). As músicas mais tocadas das rádios eram “Atire a Primeira Pedra” com Orlando Silva, “Cecília” com Gilberto Alves, “Como os Rios que Correm Para o Mar” com Orlando Silva, “Falsa Baiana” com Ciro Monteiro, “Iracema” com Jorge Veiga, “Algodão” com Sílvio Caldas e “Maria Betânia” com Capiba.

Ilustração de América x Náutico no Estádio da Ilha do Retiro pela final
do campeonato pernambucano de 1944
O sexto título de campeão pernambucano do América veio no dia 18 de fevereiro de 1945, num grande clássico contra o Náutico. Os alviverdes venceram o primeiro turno no dia 11 de junho de 1944 após uma retumbante vitória contra o Portela de Jaboatão por três gols a zero, enquanto que, os alvirrubros venceram o segundo turno por antecedência após baterem o Great Western por três gols a um em 19 de agosto e também o terceiro turno, no dia 21 de janeiro de 1945 após empate de 1x1 contra o Sport. Era comum o campeonato de um ano terminar no seguinte. De acordo com o regulamento, as equipes jogariam uma partida-extra no dia 28 de janeiro de 1945, na qual, saindo como vitorioso o clube de Rosa e Silva, este seria declarado campeão, pela vantagem de ter conquistado mais turnos que o América. 

Foto do Diário de Pernambuco de 20/02/1945 com o time do América,
campeão pernambucano de 1944. O sexto título esmeraldino.
Houve empate com um gol para cada lado (com Edvaldo do Náutico perdendo pênalti) e uma nova partida-extra foi marcada, desta vez para o dia 04 de fevereiro e mais uma vez, uma simples vitória seria o suficiente para a taça de campeão ir para os Aflitos. O América venceu bravamente por 3x2. Agora o Náutico (vencedor de dois turnos) e o América (vencedor de um turno e da “extra”) se encontravam em situação de igualdade, portanto, o título teria que vir após um play-off de três partidas, no qual seria campeão quem mais pontuasse. A primeira partida do play-off ocorreu em 09 de fevereiro e a vitória foi esmeraldina pelo placar de 2x0, logo, uma nova vitória americana encerraria a série “melhor de três” e o título iria para Casa Amarela. O Estádio da Ilha do Retiro contava com um número grande de espectadores naquele domingo dia 18 e quem chegasse mais cedo, poderia acompanhar a partida válida pela Liga Suburbana entre Moinho Recife e Tacaruna que se enfrentariam na preliminar. Quando o árbitro carioca Sr. Belgrano dos Santos da Federação Fluminense de Desportos (F.F.D.) e seus auxiliares, Maurício Chaves e José Miguel, se preparavam para iniciar a partida a ansiedade tomava conta do público. Alvirrubros querendo devolver a derrota passada e americanos desejando a vitória, que quebraria um jejum de 16 anos sem títulos. O Náutico não poderia contar com os atletas Salvador, Orlando e Gilberto, enquanto que, o América não contaria com os atletas Rubens e Djalma, artilheiro da equipe com 25 gols marcados em 21 jogos.

Jornal Pequeno do dia 20/02/1945 destaca o título
do América Futebol Clube do Recife em 1944
Às 15:20h Valdeque do América deu a saída de bola para mais um “Clássico da Técnica e da Disciplina” e logo no início, com apenas 5 minutos o meia Astrogildo avançou em velocidade e tocou a bola para o atacante Edgar, que chutou por cima das traves do goleiro Max do Náutico. Os alvirrubros tiveram aos 10 minutos uma grande chance de abrir o placar da partida, quando o meia Periquito cruzou a bola vinda da direita para o atacante Tará, que chutou forte e no canto, mas o lendário goleiro Leça esticou-se para fazer uma grande defesa. Com o relógio apontando 16 minutos, em um grande ataque do América, o atacante Julinho veio trazendo a bola desde o meio campo e driblou os alvirrubros Sabino e Célio antes de tocar para Oséas, que não desperdiçou e abriu o placar na Ilha do Retiro. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X0 NÁUTICO e a torcida verde e branca já sentia o cheiro do título. Aos 30 minutos o Náutico, que impôs forte pressão depois do gol tomado, teve a chance de empatar, quando Luiz se desvencilhou do americano Deusdedith e tocou para Plínio, que chutou para fora animando a torcida de seu clube. Em meio à pressão alvirrubra em busca do gol de empate, o árbitro encerrou o primeiro tempo de jogo após o tempo regulamentar.

O Diário de Pernambuco de 20/02/1945 também destacou a maravilhosa
conquista do América no ano de 1944. O Recife se vestiu de verde e branco.
No intervalo, o Náutico, como forma de melhorar em campo, colocou Isaac no lugar de Sabino, que foi para o lugar de Periquito, que por sua vez ocupou a vaga de Isaac no ataque. O alvirrubro Joãozinho deu a saída de bola para o segundo tempo às 16:15h e com 5 minutos, o meia Edvaldo lançou a bola para Luiz, que chutou para grande defesa do goleiro Leça. Com o time de Rosa e Silva muito avançado, as brechas na defesa começaram a surgir e numa delas, a bola sobrou para o atacante americano Zezinho que totalmente livre de marcação aos 15 minutos, tocou sem problemas no canto do goleiro Max para aumentar a vantagem do “The Green Team”. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X0 NÁUTICO e enquanto a torcida esmeraldina comemorava enlouquecidamente, os atletas do clube dos Aflitos protestavam bravamente contra o árbitro Belgrano dos Santos, pois, alegavam posição irregular de impedimento do jogador Zezinho no lance, reclamações estas que não foram aceitas pelo trio de arbitragem.

Milhares de pessoas e centenas de carros anteciparam o carnaval na
comemoração do título de campeão do América. 
O Náutico via o título, que antes parecia tão certo, escorregar por entre suas mãos e quando muitos já não mais acreditavam, o atacante Sabino aos 25 minutos depois de uma grande jogada foi derrubado dentro da área pelo zagueiro Lucas do América e o árbitro não teve dúvidas e assinalou o pênalti a ser cobrado. Era a maior chance de gol do Náutico no jogo. O mesmo Sabino correu para a bola e chutou forte, mas, o magrelo Leça foi mais ágil e defendeu de forma sensacional a cobrança de Sabino, que naquele momento baixou a cabeça, como se não acreditasse que o Náutico perderia aquele título que esteve tão perto antes do play-off. Os alvirrubros abateram-se em campo e a torcida alviverde cantarolava nas arquibancadas da Ilha do Retiro, eis que surge mais uma vez a figura do célebre Oséas, que recebeu a bola aos 43 minutos para anotar o terceiro gol esmeraldino. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 3X0 NÁUTICO e com mais dois minutos, o árbitro encerrou a partida e o América encerrou o jejum de 16 anos sem título de campeão pernambucano de futebol.

Jogadores foram carregados nos braços de centenas de torcedores do
América, que invadiram o gramado na comemoração do título de 1944
A enorme presença de torcedores do América do Recife ao final do jogo invadiu o gramado para comemorar junto com os atletas, que foram carregados como heróis de uma conquista nunca esquecida pela mente dos privilegiados que lá estiveram. O Recife se vestiu de verde. Em Casa Amarela, Casa Forte, Apipucos, Caxangá, Torre e adjacências, o grito de “É Campeão!” ecoava nas ruas, onde as torcidas de Sport, Santa Cruz e Náutico eram minoria. Na Boa Vista, centenas de carros naquela noite desfilaram com bandeiras verde e brancas e num grande buzinaço, torcedores e simpatizantes comemoravam o título de campeão de 1944 e cantavam os seguintes versos:
Guardamos no peito, a lembrança
E muitas saudades desse nosso carnaval
Guardamos no peito, a lembrança
E muitas saudades desse nosso carnaval
Ser campeão é meu grande ideal
Não chores morena sapeca
Que a turma do América já vai regressar
Não chores morena sapeca
Que a turma do América, chegou para ficar.
As equipes deste jogo histórico foram as seguintes:

AMÉRICA:
Leça;
Deusdedith e Lucas;
Pedrinho, Capuco e Astrogildo;
Zezinho, Julinho, Valdeque, Edgar e Oséas.

NÁUTICO:
Max;
Mário Ramos e Célio;
Sabino, Periquito e Edvaldo;
Plínio, Tará, Joãozinho, Isaac e Luiz.