domingo, 14 de setembro de 2014

De promessa ao ostracismo!!


A postagem que está sendo reproduzida foi retirada na íntegra do Blog do Diário de Pernambuco, sendo produzida por Cássio Zírpoli. Ele fala, apontando exemplos, como a vida de um atleta profissional tem altos e baixos, em determinado momento o atleta é candidato a estrela...depois está esquecido!!
Temos acompanhado o desempenho do América nas diferentes competições, seja de base ou profissional, torcendo pelo surgimento de um grande jogador, um atleta que levante o clube e traga bom resultados !! $$$$$!!
Profissionalmente sou professor da Rede Pública, História e Geografia, sempre sou procurado por meus alunos que querem ser indicados para um teste, todos são bons...de... conversa!!
Muitos acham que a vida de um atleta é fácil e que todos ganham muito dinheiro!! Esquecem que precisam de regularidade, de treinar sempre, respeitar o corpo e ter objetivos claros!!
"Os caminhos paralelos de Ciro e Lessa da revelacao ao ostracismo em seis anos:

Os atacantes Ciro e Anderson Lessa surgiram como craques. Aos 19 anos, ambos eram as maiores esperanças de Sport e Náutico para um grande negócio.
O primeiro marcou 32 gols nos Estadual de juniores daquele ano. O outro foi o vice-artilheiro, com 30 gols. Mal se conheciam, mas já escreviam uma história bem parecida…
No mesmo ano o futebol pernambucano realizou a sua melhor campanha no Brasileiro Sub 20, organizado anualmente no Rio Grande do Sul. O Clássico dos Clássicos foi uma das semifinais da competição. Nos dois times, Lessa e Ciro eram as principais atrações, ambos com contratos bem amarrados, até dezembro de 2012 e agosto de 2013, respectivamente.
Claro, foram negociados. Estão entre os 24 atletas vendidos no estado por pelo menos um milhão de reais. O primeiro a sair foi o alvirrubro, em 2010, com destino ao Cruzeiro, por R$ 2,6 milhões. Na temporada seguinte foi a vez do rubro-negro, por R$ 4,1 milhões, ao Fluminense.
Se mandaram ao eixo principal do futebol no país. Pra mudar de vida. Ganharam oportunidades, mas nunca deslancharam.
Escassez de gols, lesões, falta de confiança, transferências para clubes menores…
…e seis anos depois, hoje aos 25 anos, tentam voltar às suas primeiras casas.
Lessa foi dispensado do ASA e Ciro está encostado no Figueirense.

Ambos deram entrevistas ao Globo Esporte, em momentos distintos, relatando a falta de cabeça nos primeiros anos de estrelato. É quase uma regra diante da brusca mudança da base, sem o lastro da estrutura familiar.
Certamente, estão mais maduros. Devem ter aprendido com os erros.
Uma nova chance nos Aflitos e na Ilha do Retiro? Houve quase um pedido por isso.
Antes de uma oportunidade em campo, Anderson e Ciro poderiam ajudar repassando as suas histórias aos jovens ainda sem fama e dinheiro no Sub 15, Sub 17 e até Sub 20 nos grandes clubes pernambucanos.
Afinal, os dois atacantes não foram os primeiros a cair nesta armadilha do futebol. Porém, o fato de duas vidas terem sido tão parecidas diz muito sobre o rápido processo de profissionalização que o mercado exige…"
de Cássio Zírpoli, Blog do Diário, 13/09/2014

0 comentários:

Postar um comentário