segunda-feira, 20 de outubro de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 2x2 Moto Clube/MA em julho de 1945

Nasciam o ex-jogador argentino Augustín Balbuena (defendeu a Seleção Argentina na Copa de 1974), o ex-jogador alemão Franz Beckenbauer (tricampeão da Liga dos Campeões da Europa de 1976 com o Bayer de Munique/ALE e campeão da Copa de 1974 com a Seleção Alemã), o ex-jogador Cabralzinho (campeão carioca de 1966 com o Bangu e vice-campeão brasileiro com o Santos em 1995 (como treinador)), o músico britânico Ritchie Blackmoore (guitarrista da banda de rock Blackmoore’s Night) e a atriz norte-americana Mia Farrow (atriz nos filmes “O Bebê de Rosemary” de 1968 e “A Rosa Púrpura do Cairo” de 1985). Faleciam o jogador Jesús Bermudez (defendeu a Seleção Boliviana na Copa de 1930) e o escritor alemão Georg Kaiser (autor de livros como “A Viúva Hebraica” de 1911 e “A Fuga de Veneza” de 1923). Alguns sucessos musicais foram “Prece à Lua” com Gilberto Alves, “Coração Também Esquece” com Jorge Veiga e “Que Rei Sou Eu” com Francisco Alves.

Diário de Pernambuco de 29 de julho de 1945.
O clube pernambucano depois de uma grande participação nos amistosos realizados em Fortaleza no Ceará continuou brilhando, mas, desta vez nos gramados do estado do Maranhão. Depois de golear o Maranhão Atlético Clube por 6x2 e vencer o Sampaio Correa por 3x2, chegava a hora de medir forças com o atual campeão estadual, os rubro-negros do Moto Clube de São Luis no domingo, dia 29 de julho de 1945 no Estádio Santa Izabel. Havia a ideia que já na segunda-feira, a delegação alviverde pegaria o avião com destino à Belém do Pará, local onde o clube continuaria sua aventura pelo norte e nordeste do Brasil, jogando nos dias 2, 5 e 9 de agosto contra três equipes paraenses ainda a se definirem e depois pegaria o Navio Itapé com destino ao Recife, onde deveriam chegar antes do dia 20, por imposição da Federação Pernambucana de Desportos (FPD). O treinador esmeraldino, Álvaro Barbosa, muito lamentava o fato de não poder contar com os atletas Deusdedith e Astrogildo para o duelo contra os rubro-negros maranhenses, em virtude de estarem ambos machucados. Por sua vez, o time dos astros Rui, Sandoval e Pepé era tido como o melhor da cidade e naquele mesmo ano, conquistaria o segundo título da sequência do heptacampeonato maranhense, hegemonia até hoje, nunca alcançada por seus rivais.


Nota do Diário de Pernambuco de 29 de julho de 1945.
Poucos minutos antes do início do amistoso entre pernambucanos e maranhenses, a torcida que comparecia ao Estádio Santa Izabel era de uma quantidade jamais vista e a expectativa de um público recorde no futebol do Maranhão, todos querendo ver o duelo entre o melhor clube ludovicense e o melhor clube recifense. Sob a arbitragem do Sr. Novais, a bola rolou no horário marcado para América x Moto Clube e quem primeiro atacou foi o clube pernambucano, quando o meio-campista Rubens tocou a bola para o atacante Oséas, que se livrou da marcação do zagueiro Carapuca e chutou rasteiro, passando a pelota à direita do arqueiro Rui do clube motense. Impulsionados pela imensa torcida que se espremia nas arquibancadas, o “Rubro Negro da Fabril” partiu para cima do América aos 10 minutos, momento em que o meia Frázio cruzou a bola pela esquerda no peito do atleta Jesus, que a dominou antes de driblar o americano Galego e disparou contra o gol de Leça, que defendeu com categoria. A partida seguia movimentada e aos 15 minutos o Moto Clube teve nova chance de abrir o marcador, quando Mourão deu belo passe de bola para o atacante Zuza e este chutou forte, entretanto, por cima do travessão do goleiro Leça.

Ilustração de América x Moto Clube no Estádio Santa Izabel em São Luis
do Maranhão em amistoso em 29 de julho de 1945.
A reação do campeão pernambucano de 1944 veio aos 26 minutos, por meio da disparada em velocidade do meia Capuco, que passou bem pelos marcadores Valdemar e Dudu antes de rolar a bola para os pés de Julinho e este bateu em cima do goleiro Rui, autor de uma defesa muito aplaudida pela torcida. A equipe maranhense começou a cair de produção e a perder jogadas na meia cancha e o América quase marcou aos 36 minutos, numa grande jogada de Djalma para Edgar, que passou por Carapuca e acertou a trave direita defendida por Rui, sendo a bola jogada para fora pelo atleta Sandoval. Aos 44 minutos do primeiro tempo, o Moto Clube subiu ao ataque com Jesus, que tocou a bola dentro da grande área para o companheiro Pepé, sendo então derrubado pelo pernambucano Galego e o árbitro apontou o pênalti para os rubro negros. Pepé bateu no canto alto e marcou o primeiro gol da partida para a alegria da torcida local. AMÉRICA 0X1 MOTO CLUBE e fim de papo na primeira metade da peleja.

Os filhos da capital do Reggae vieram para o segundo tempo com Rebolo no lugar do atleta Jesus para melhorar o ataque e logo aos 4 minutos numa jogada de bola dividida entre Capuco do América e Zuza do Moto Clube, o pernambucano levou a pior e torceu o tornozelo, ficando impossibilitada sua continuação no amistoso. Prontamente o treinador Álvaro Barbosa solicitou que o atacante Edgar suprisse o espaço deixado por Capuco no meio campo, fazendo com que Zezinho ocupasse a vaga de Edgar e que Janjoca aparecesse no time na vaga de Zezinho. Ainda entraram Elói no lugar de Djalma e o machucado Astrogildo no lugar de Oséas. As alterações melhoraram a postura alviverde em campo e aos 8 minutos Janjoca, depois de receber o passe de Rubens, bateu raspando a trave direita de Rui, quase empatando a partida. O Moto Clube teve grande chance de ampliar a vantagem aos 14 minutos quando Rebolo cruzou a bola para Galego, que driblou Galego do América e chutou no canto para Leça espalmar com habilidade cedendo escanteio ao adversário. Os cânticos da torcida empolgaram os rubro-negros, que tiveram nova chance para fazer o segundo gol quando o meia Sandoval tocou a bola na grande área para o colega Pepé, mas, este chutou por cima do travessão de Leça.

Diário de Pernambuco de 31 de julho de 1945.
O empate americano veio aos 30 minutos, quando Janjoca tocou a pelota para Edgar, que na grande área foi derrubado por Carapuca e o juiz não teve dúvida. Pênalti para o clube da Estrada do Arraial. Edgar bateu no canto e empatou. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X1 MOTO CLUBE e festa dos pernambucanos. O gol fez os motenses recuarem e com isso, o América partiu aos 43 minutos com o meia Pedrinho, que tocou para Zezinho e este de bem antes da grande área, soltou o míssil no canto indefensável de Rui para virar o placar. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X1 MOTO CLUBE. O campeão do Maranhão foi para o tudo ou nada e aos 45 minutos o atleta Galego ganhou na velocidade do alviverde Rubens, mas, foi derrubado com falta pelo zagueiro Barbosa na grande área e o árbitro sem pestanejar apitou o pênalti para o Moto Clube no Estádio Santa Izabel. O mesmo Galego bateu rasteiro no canto de Leça e assinalou o gol de empate. Final de jogo em São Luis com empate em dois gols para cada lado.


Nota do Diário de Pernambuco de 31 de julho de 1945.
Ao final da partida, o presidente do América, Sr. Anésio Silva, abriu mão do sorteio do troféu comemorativo à partida e o deixou nas mãos do presidente do Moto Clube, o Sr. César Aboud, atitude aplaudida de pé por toda a torcida maranhense presente ao Santa Izabel. Ainda sob o clima festivo, o jornalista Hélio Pinto, do Diário de Pernambuco deixou uma flâmula do América com César Aboud, em agradecimento à hospitalidade recebida por toda a delegação alviverde em São Luis. Devido às lesões da Capuco, Barbosa, Deusdedith e Astrogildo, bem como, à falta de transporte por ar ou por mar, a ida a Belém do Pará foi cancelada e com isso, a delegação pernambucana seguiria de ônibus até Fortaleza, local onde embarcaria no dia 6 de agosto no Navio Itanagé com destino a Recife. Antes da viagem de volta, os pernambucanos foram agraciados com uma grande festa no Hotel Central, onde o seu gerente, o Sr. Romeu Oliveira, presenteou o clube com uma taça de um metro de altura, na qual se lia em sua base “Lembrança dos Pernambucanos Residentes no Maranhão ao América Futebol Clube, São Luis, Julho de 1945”. A festa seguiu regada a muito champanhe, tudo por conta do Sr. César Aboud, presidente do Moto Clube.

AMÉRICA
Leça; 
Galego e Barbosa; 
Pedrinho, Capuco e Rubens; 
Zezinho, Julinho, Djalma, Edgar e Oséas.

MOTO CLUBE/MA
Rui; 
Dudu e Carapuca; 
Sandoval, Frázio e Valdemar; 
Galego, Mourão, Pepé, Zuza e Jesus. 

2 comentários:

  1. Caríssimo, estou fazendo uma pequisa sobre CAPUCO. Este jogador treinou a equipe local do "Mequinha" (América de Esperança), e gostaria muito de alguns detalhes de sua vida, como nome, posição etc. Informações para hau.ferreira@gmail.com Agradeço a colaboração. Att. Rau Ferreira

    ResponderExcluir