quinta-feira, 16 de outubro de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS ESPECIAL: América 2x1 Torre em jan-1928. América, campeão 1927

Nasciam o ator britânico Roger Moore (ator nos filmes “007 Contra Octopussy” de 1983 e “Um Raio em Céu Sereno” de 1961), a atriz Laura Cardoso (atriz na novela “Fatalidade” de 1965 e no filme “Lua Cheia” de 1988), o poeta Ariano Suassuna (autor de livros como “Uma Mulher Vestida de Sol” de 1947 e “Auto da Compadecida” de 1955), o físico suíço Karl Muller (vencedor do prêmio Nobel de Física de 1987), o químico alemão Manfred Eigen (vencedor do prêmio Nobel de Química em 1967), o jogador húngaro Ferenc Puskas (campeão mundial de clubes com o Real Madrid/ESP em 1960 e campeão dos Jogos Olímpicos de 1952 em Helsinque na Finlândia), o ex-goleiro Castilho (campeão da Copa Rio de 1952 com o Fluminense) e o jogador Carlito (campeão brasileiro de 1959 com o Bahia). Faleciam o químico sueco Svante Arrhenius (vencedor do prêmio Nobel de Química em 1903), o escritor recifense Faria Neves Sobrinho (autor de livros como “Crepúsculo” de 1924 e “Quimeras” de 1890) e o ator norte-americano Earle Williams (ator no filme “Dominada Pela Vaidade” de 1926 e no seriado “A Deusa” de 1915). Alguns sucessos musicais foram “Anoitecer” com Gastão Formenti, “Casinha Pequenina” com Patrício Teixeira, “Não Quero Mais Saber Dela” com Francisco Alves e “Malandrinha” com Pedro Celestino.
Em 1927, o campeonato pernambucano de futebol foi disputado por sete equipes em sistema de pontos corridos e quem obtivesse a maior soma de pontos ao final das 14 rodadas, seria o campeão. A última rodada foi iniciada com as partidas do Sport contra o Equador no dia 15 de janeiro (já em 1928) e contra o Flamengo no dia 22 de janeiro, ambas vencidas pelo adversário rubro negro por WO. As atenções naquele dia 22 de janeiro de 1928 estavam voltadas para o grande confronto entre o América (líder com 17 pontos) e o Torre (vice-líder com 16 pontos) no Estádio da Jaqueira e os únicos candidatos ao título do certame de 1927. O time rubro vinha de um empate sem gols contra o Santa Cruz, enquanto que, o time verde vinha de uma vitória por WO contra o Equador e de um amistoso nos Aflitos realizado no dia seis de janeiro contra o Botafogo do Rio de Janeiro, no qual os cariocas abandonaram a partida após muito criticarem a marcação de um pênalti para os pernambucanos no início da peleja.
Nota do Jornal Pequeno de 21 de janeiro de 1928 sobre a partida que
decidiria o campeão pernambucano de 1927.
Depois da vitória do América por 3x2 sobre o Torre na preliminar, os alviverdes conquistaram o título da categoria segundos quadros e quando chegou a hora do duelo entre as equipes principais, ou seja, às 16h, o árbitro Alcindo Wanderley não se fazia presente, cabendo então, ao presidente da Federação Pernambucana de Desportos, o Sr. Renato Silveira, o encargo de apitar aquela decisão de título. Aos 5 minutos, o atacante Péricles do Torre chutou de fora da área e Ilo Just, goleiro do América, agarrou com dificuldade. O América respondeu dois minutos depois num belo chute de Meira, que passou à esquerda do goleiro Valença assustando-o. Na falta cobrada por Jorge Leça do América aos 10 minutos, a bola sobrou para o atacante Moacyr, que tocou por cima raspando o travessão de Valença. Dois minutos depois, o meia Pedro do Torre tocou para Chiquito, porém, este já se encontrava em impedimento bem observado pela arbitragem. 
Ilustração de América x Torre no Estádio do Parque da Jaqueira pelo
campeonato pernambucano de futebol de 1927
Aos 14 minutos foi a vez de Zé Tasso passar a bola para o atacante Eric e na hora do chute, Hermógenes do Torre afastou o perigo. Três minutos mais tarde, o atacante Péricles deu passe a Piaba na grande área e na hora do chute final, o zagueiro uruguaio Gandra do América impediu a jogada. Com 19 minutos, Ralf tocou para o alviverde Meira, que desferiu um balaço esplendidamente defendido pelo goleiro Valença do Torre. Dois minutos depois, Piaba do Torre entrou na área e tocou para o companheiro Oswaldo, todavia, Casado o desarmou evitando o gol rubro. Aos 23 minutos o uruguaio Gandra se agigantou em campo e desviou primeiramente o chute de Péricles e depois rebateu o chute de Oswaldo. Piaba pegou o rebote, driblou o meia Gama e chutou raspando o travessão de Ilo Just, perdendo grande chance para os torrenses. Num contrataque imediato, o americano Meira cruzou a bola na cabeça de Zé Tasso, que testou com força, mas, Valença defendeu levantando o público no Estádio da Jaqueira. Ilo Just (ex-ídolo do Santa Cruz) voltou a aparecer aos 25 minutos quando o atacante torrense Hermógenes correu pela esquerda e soltou a bomba, muito bem defendida pelo arqueiro esmeraldino. O primeiro gol do jogo surgiu aos 27 minutos, quando Meira driblou Faustino e entregou a bola para Zé Tasso, que com a categoria já conhecida, tocou no canto de Valença. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X0 TORRE e o quinto título de campeão pernambucano se aproximava. 
Nota do Jornal Pequeno de 23 de janeiro de
1928 sobre a vitória do América.
O Torre quase empatou aos 34 minutos, quando Ilo Just espalmou o chute forte de Chiquito e depois operou um milagre para defender o petardo de Hermógenes, fruto de seu rebote. Aos 38 minutos, Gama e Gandra derrubam Hermes do Torre dentro da grande área e o árbitro Renato Silveira marcou o pênalti. O mesmo Hermes cobrou forte no canto, mas, Ilo Just espalmou de maneira espetacular, salvando o América de tomar o empate. Dois minutos depois, Eric avançou e quase de frente com o guarda-meta Valença, foi desarmado pelo zagueiro Juquinha. No último minuto do primeiro tempo, o Torre subiu ao ataque com Piaba, que tocou para Péricles tocar no canto e empatar a partida. Comemoração rubra na Jaqueira. AMÉRICA 1X1 TORRE e primeiro tempo encerrado. O Torre veio para a segunda etapa com sede de gol e Péricles avançou aos 2 minutos, até que o uruguaio Gandra chutou para longe o perigo. O meia Deocéssio aos 4 minutos botou a mão na bola e o juiz marcou a falta. Na cobrança de Oswaldo, a bola ia entrando no cantinho, mas, Ilo Just saltou para uma defesa incrível. Dois minutos depois, foi a vez de Ilo Just defender um chute potente do torrense Péricles. Aos 8 minutos o América se livrou da pressão do “Madeira Rubra” e atacou com Eric, que chutou forte, entretanto, Valença pulou para defender. Três minutos depois, Meira passou pelo zagueiro Faustino do Torre, mas, não por Hermínio. Meira criticou a carga faltosa que sofrera e ambos começaram a se esmurrar, numa grande troca de socos, sendo depois separados pela turma do “deixa disso”. Ambos são expulsos do jogo pelo árbitro Renato Silveira e cada equipe ficou com dez atletas. Aos 13 minutos, o goleiro Valença do Torre defendeu forte chute do alviverde Moacyr, que havia recebido passe de bola do seu companheiro Ralf. Dois minutos depois, foi a vez do meio-campista Gama salvar o América, depois do chute quase certeiro do torrense Oswaldo.

Pôster do América, campeão pernambucano de 1927.
Com 20 minutos, o atacante Eric do América foi derrubado na área pelo zagueiro rubro Juquinha e Renato Silveira não falhou. Pênalti para o América. O mesmo Eric bateu forte, mas, Valença defendeu de forma impressionante, adiando o que seria o segundo gol esmeraldino. Dois minutos mais tarde, Oswaldo do Torre e Casado do América se desentenderam e trocaram vários socos e chutes um contra o outro e também foram apartados pela turma do “deixa disso”. Renato Silveira expulsou ambos os atletas e cada equipe ficou com nove atletas no gramado. Aos 30 minutos, o Torre quase marcou, quando Piaba disparou de fora da área e Ilo Just fez a defesa mais aplaudida da partida. Três minutos depois, Eric avançou em velocidade e mesmo recebendo a marcação de Juquinha, tocou no contrapé de Valença e anotou o que seria o gol do título do América. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X1 TORRE e festa alviverde no Estádio da Jaqueira. Com 35 minutos e já escurecendo na capital pernambucana, Eric teve a chance de ampliar quando chutou de longe, porém, o goleiro Valença defendeu. A torcida já se preparava para invadir o gramado aos 38 minutos, já sob os últimos raios de sol, Renato Silveira deu a partida por encerrada. O América venceu o Torre por 2x1 e conquistou seu quinto título de campeão pernambucano, no gramado do saudoso América Park no bairro da Jaqueira.
AMÉRICA
Ilo Just; 
Gandra e Jorge Leça; 
Deocléssio, Gama e Casado; 
Meira, Eric, Zé Tasso, Ralf e Moacyr.

TORRE
Valença; 
Juquinha e Hermínio; 
Faustino, Hermes e Pedro; 
Oswaldo, Piaba, Péricles, Chiquito e Hermógenes.

0 comentários:

Postar um comentário