terça-feira, 4 de novembro de 2014

MEMÓRIAS ESMERALDINAS: América 6x1 Sport em julho de 1918

Jornal Pequeno do Recife de 20 de julho de 1918.
Nasciam o ator norte-americano Jeff Chandler (ator nos filmes “Rastros da Corrupção” de 1955 e “Barcos ao Mar” de 1956), o físico sueco Kai Siegbahn (vencedor do prêmio Nobel de Física de 1981), o químico norte-americano Paul Boyer (vencedor do prêmio Nobel de Química em 1997), o sul-africano Nelson Mandela (presidente da África do Sul entre 1994 e 1999), o jogador sérvio Ratko Colic (defendeu a Seleção Iugoslava na Copa de 1930) e o jogador romeno Nicule Nagy (defendeu a Seleção Romena na Copa de 1938). Faleciam Francisco Inácio Marcondes Homem de Melo (autor de livros como “A Constituinte Perante a História” de 1863 e “A Minha Nebulosa” de 1903) e o romancista alemão Frank Wedekind (autor de livros como “A Caixa de Pandora” de 1904 e “Heracles” de 1917). Alguns sucessos musicais foram “O Malhador” com Orquestra Pixinguinha-Donga e “Canção do Marinheiro” com Bahiano.

Nota do Jornal Pequeno de 20 de julho de 1918.
A quinta rodada do campeonato pernambucano de 1918 foi aberta no dia 14 de julho, com a vitória do Flamengo do Recife contra o Santa Cruz e teria prosseguimento no dia 21 de julho com a partida entre América e Sport no Estádio da Jaqueira, sob a arbitragem do Sr. Forster. Os alviverdes, que vinham de vitória por 6x1 contra o Torre, apareciam na liderança do campeonato com oito pontos ganhos, enquanto que, os rubro-negros, que vinham de derrota por 1x0 contra o Santa Cruz, apareciam na vice-liderança com seis pontos ganhos e a vitória seria crucial para impedir que o clube americano disparasse na liderança, o que lhe aproximaria do seu primeiro título estadual. Quem chegou mais cedo, acompanhou a partir das 14h30 o confronto entre alviverdes e rubro-negros na categoria segundos quadros, sob a arbitragem do Sr. Alcindo Wanderley e viu o América de Lopes; Ernesto e Fred; Hoghes, Oliveira e Zé Fernandes; Lobo, Dubeaux, Mather, Lapa e Araújo vencer o Sport de Misael; Mota e Matos; Carlos, Roy e Adour; Campos, Elísio, Nequinho, Nelson e Mário, por 2x1 com gols de Lobo e Dubeaux para o clube da Rua da Conceição (ainda não havia a sede na Estrada do Arraial) e Nequinho para o clube da Avenida Malaquias (não havia ainda o estádio da Ilha do Retiro).

Ilustração de América x Sport no Estádio da Jaqueira em 21 de julho de
1918 em jogo válido pelo campeonato pernambucano.
A bola rolou às 16h e quem teve a primeira boa chance de gol foi o América, que atacou com Peres avançando em velocidade no meio da defesa rubro-negra e após passar por Briant, tocou a pelota para o atacante Siza e ele bateu no canto esquerdo do goleiro Marcio Franco para abrir o marcador na Jaqueira aos 15 minutos. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 1X0 SPORT. Atrás no marcador, os pupilos de Guilherme de Aquino, campeões de 1916 e 1917, foram em busca do gol de empate e aos 19 minutos, o meio-campista Ferramenta avançou pela lateral esquerda e cruzou a bola na grande área para o atacante Manta, que se livrou da marcação de Ayres e tocou por cima do gol defendido pelo arqueiro Jorge Tasso. Aos 24 minutos do primeiro tempo, o americano Bermudes roubou a bola do rubro-negro Rodrigo e rapidamente entregou-a na frente ao seu companheiro de clube Peres e este, vendo Siza escapar da marcação de Briant, lhe cedeu a bola e Siza bateu no canto direito de Marcio Franco. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 2X0 SPORT.


Exceto Sigismudo, o time do América que goleou o Sport por 6x1 em 1918.
Em desvantagem maior, o Sport tentou fazer o primeiro gol aos 29 minutos, quando o meia Salazar driblou o meia Bermudes e disparou em direção à meta até que já quase na linha de fundo, cruzou para trás, onde estava o atacante Benedito, que soltou o míssil, mas, Jorge pulou no canto certo e efetuou uma grande defesa. As coisas não iam bem para o lado rubro-negro e aos 32 minutos, o alviverde Rômulo ganhou a disputa de bola com o rubro-negro Teague e avançou em velocidade pelo canto esquerdo entregando a esférica para o atacante Zé Tasso, que de frente com o goleiro Marcio Franco, bateu no canto para ampliar a vantagem. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 3X0 SPORT na Jaqueira. Antes do término do primeiro tempo, o Sport teve uma ótima chance de diminuir o prejuízo, quando o atleta Mazullo levantou a bola na entrada da pequena área na cabeça de Manta, que acabou cabeceando por cima. O intervalo não foi suficiente para o Sport ajustar-se na partida e a equipe voltou para o segundo tempo com os mesmo erros do primeiro e aproveitando-se do insucesso rubro-negro, o América atacou aos 6 minutos com o atleta Soares, que ganhou em velocidade do adversário Chalmers e entregou a bola para Zé Tasso soltar a bomba de fora da área, indefensável para o goleiro Marcio Franco. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 4X0 SPORT e muita comemoração em verde branco no Estádio da Jaqueira. A situação tinha fisionomia de irremediável, todavia, o Sport tentou diminuir a humilhação aos 12 minutos por meio de Batista, que passou pelo experiente Robinson e entregou para Rodrigo, que passou por Alexi e bateu para fora, raspando a trave esquerda de Jorge Tasso. 

Nota do Jornal Pequeno de 22 de julho de 1918.
O recuo americano chamou o Sport para o jogo e aos 18 minutos da segunda etapa, Benedito recebeu o lançamento de Teague, driblou o zagueiro Ayres do América e não deu chances a Jorge Tasso, descontando o placar. AMÉRICA 4X1 SPORT. A empolgação pelo gol marcado demorou apenas oito minutos, isto por que aos 26, o atleta Robinson fez grande lançamento nos pés de Siza e este cruzou rasteiro nos pés de Karl, que de primeira mandou a pelota no fundo do gol rubro-negro, estufando os barbantes sustentados pelas singelas balizas de madeira. É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 5X1 SPORT na Jaqueira. Os atletas rubro-negros já se encontravam abatidos, mas, lutariam até o fim para diminuir o vexame perante seus amigos e familiares e com este pensamento, o meio-campista Ferramenta correu passando por Robinson e deu belo passe a Rodrigo, que viu Jorge Tasso se desdobrar para evitar o gol quase certo dos rubro-negros. O time que já havia massacrado o Náutico por 10 e o Torre por 6 ainda tinha fome de gol e aos 38 minutos, Bermudes passou o balão de couro para Peres, que foi desmarcado por Chalmers, contudo, Zé Tasso pegou o rebote e atirou um torpedo no canto de Marcio Franco, para fazer um hat-trick (três gols num jogo). É GOL DO AMÉRICA! AMÉRICA 6X1 SPORT.


Na última chance de gol da partida, o rubro-negro Mazullo cobrou falta e Manta chutou para uma ótima defesa de Jorge Tasso e depois disto, o América tratou de segurar a bola até o apito final do Sr. Forster. O Sport foi goleado, assim como, o Náutico e o Torre, num jogo cuja renda somou a quantia de cinco mil contos de réis. Ao final da partida, o elenco junto com o presidente do América, Coronel Tomaz Seixas, fizeram um jantar festivo no Restaurante Leite em comemoração ao grande resultado.

AMÉRICA
Jorge Tasso; 
Alexi e Ayres; 
Robinson, Bermudes e Rômulo; 
Karl, Peres, Zé Tasso, Siza e Soares.


SPORT
Marcio Franco; 
Briant e Chalmers; 
Salazar, Teague e Ferramenta; 
Rodrigo, Batista, Mazullo, Benedito e Manta. 

0 comentários:

Postar um comentário