domingo, 29 de março de 2015

COLUNA SÉRGIO SERPA:BURACO DA GIA!!



Esta coluna foi criada com o intuito de guardar histórias e estórias do América Futebol Clube, de seus torcedores e simpatizantes. Estas fábulas tem um pouco de tudo, tipo, coisas que vi, que ouvi ou que "viram". São verdadeiras "lendas" deste esporte maravilhoso chamado futebol e do Periquito de Casa Amarela.

No final dos anos 2000 ou primeira metade do século XXI o América peregrinou por diferentes paragens, estádios e cidades. Esta peregrinação trouxe histórias maravilhosas, dignas das " 1001 noites", esta ocorreu em Goiana.

O América estava disputando a série A2 do Campeonato Pernambucano, ou podia ser Copa Pernambuco, ninguém lembra o certo. O que interessava era que a casa do Periquito era Goiana,mais especificamente o estádio Agamenon Magalhães.

Goiana fica situada a 60 Km do Recife, cidade histórica, com pessoas receptivas e amigas. Tem um belo conjunto de casarios históricos, Igrejas e Conventos preservados. Na culinária regional um restaurante se destaca, o famoso " Buraco da Gia".

Diz a lenda que aluns diretores do Alviverde frequentavam o restaurante no dia do jogo, chegavam mais cedo, tomavam uns aperitivos e comiam a especialidade da casa. Infelizmente os jogadores não tinha acesso ao restaurante já que estavam na concentração!!

Em determinado momento da competição foi prometido aos jogadores, no caso de vitória, um jantar no Buraco da Gia. O grupo era bem jovem, onde a maior parte do elenco não conhecia o restaurante.
Foi uma tarde ruim, o time adversário não quis facilitar a vida dos alviverdes, o América perdeu o jogo...

Não teve Buraco da Gia, nem lanchinho, depois do banho todo mundo no ônibus, em silêncio, alguns dormindo outros fingindo. No meio do silêncio um barulhinho irritava, o coachar de um sapo!!

O barulho só fazia aumentar, tanto que o supervisor do time saiu a caça do sapo, a procura terminou na cadeira de um jovem lateral, dormia!! Acordado pelos companheiros, irritados pela descoberta, veio a resposta:
" P.....eu queria comer a gia, quando vi que o time ia perder fui atrás da barra e cacei este sapo aí!!
Sapo e Gia é a mesma coisa, já que não ia comer em Goiana vou comer em casa!!"

Na realidade o Buraco da Gia tem este nome por que havia no terreno um buraco cheio de sapos ou Jia, mas, a especialidade da casa é o Guaiamum e o Caranguejo!!!


Buraco-da-Gia
Na foto o proprietário, Sr. Luiz da Gia,  com a especialidade da casa!




AMÉRICA AVANÇA!!

A equipe da Uninassau/América confirmou a sua classificação para semifinais da LBF 2015 com uma grande vitória em cima da equipe do Presidente Venceslau pelo placar de 88 x 38. Foi a segunda vitória num confronto melhor de três, que acabou ontem a noite na quadra do SESC em Santo Amaro.
A quadra do SESC recebeu um bom público que assistiu uma boa partida de basquetebol, a partida iniciou num ritmo mais lento, mais brigado, onde o América perdeu algumas oportunidades e o time visitante aproveitou para mostrar que estava na briga. Foi necessário uma sacudida do treinador pernambucano e uma mudança na armação, primeiro período América 21 a 16.
No segundo período as " Periquitas do Dornelas" se soltaram mais e conseguiram impor o seu melhor jogo isto fica visível no placar do período 43 a 23. Roberto pode utilizar a equipe completa, já que as meninas do sub 20 retornaram da Paraíba, facilitando o aumento da vantagem da equipe pernambucana.
Placar final Uninassau/América 88 x 38 Presidente Venceslau, o time pernambucano vai esperar para conhecer seu próximo adversário, mais uma equipe paulista, pode ser Santo André ou São José.
A luta continua, parabéns pelo título universitário ( LDU) e vamos em frente!!!

sábado, 28 de março de 2015

Para saber mais sobre a decisão de hoje

Torcedor Esmeraldino, vale acessar a página da Uninassau/América e se informar mais sobre o jogo de hoje.

Vamos comparecer e torcer!


Na quadra, em busca das semi-finais

É hoje, um dia que pode marcar a história do América mais uma vez. América e Presidente Venceslau fazem a segunda partida pelas quartas-de-final da Liga de Basquete Feminino.

Foto: Robson Neves

No primeiro jogo, o América sobrepujou as adversárias pelo placar apertado de 62 a 60. O resultado foi a prova do equilíbrio nesta fase. E não representa nenhuma surpresa haja visto a ascensão do time de Presidente Venceslau na reta final da primeira fase. Mesmo assim, o América foi melhor e agora tem uma situação mais favorável, pois a vitória hoje garante o time de Dornelas na semi-final. 

Depois dos sustos no final da partida anterior que quase comprometeram o jogo, Dornelas exigiu ao longo da semana muita atenção para consertar os erros cometidos em São Paulo. Além disso o treinado espera mais equilíbrio e força na defesa para evitar surpresas.

O dia pode ser histórico para o América. Vale a pena todo torcedor Esmeraldino comparecer, torcer e se divertir. E ainda levar um colega com camisa de outro clube para assistir ao jogo, a festa pode ser bonita e ainda não custar nada!


Meninas em campo domingo



O jogo é contra o Náutico nos Aflitos em um horário conhecido da torcida Alviverde, mas desta vez os donos da casa são eles..

O América entra em campo pela terceira rodada do campeonato estadual de futebol feminino para encarar o Náutico. A equipe alvirrubra é a atual líder do grupo B do certame e o confronto pode representar a briga pela primeira colocação, já que o América é segundo colocado com quatro pontos contra os seis conquistados pelo time do Náutico.

O jogo está marcado para às 15:00 hs, um horário bem conhecido da torcida Esmeraldina.

terça-feira, 24 de março de 2015

América vence no feminino



Em jogo relativamente tranquilo, o América conseguiu importante vitória.

O América foi até Caruaru e venceu o Central por 3 a 0 neste último domingo, pela segunda rodada do campeonato pernambucano de futebol feminino. Com essa vitória agora o time Alviverde está isolado na vice-liderança do grupo com quatro pontos conquistados. O América também acabou sendo beneficiado pelo resultado da outra partida do grupo B, onde o Náutico venceu o Codif pelo placar de 4 a 0.

Aliás, o Náutico é o próximo adversário do time de Fábio França e a partida está marcada para o próximo domingo, às 15:00 hs, nos Aflitos, onde a equipe alvirrubra joga como mandante.

segunda-feira, 23 de março de 2015

AMÉRICA LARGA NA FRENTE!!

Na estréia das quartas de final da LBF a equipe da Uninassau/América vence o Presidente Venceslau por 62 x 60 e larga na frente!!
A partida foi disputada no interior de São Paulo, sendo bastante disputada e teve um final apertado.

A equipe pernambucana viajou para São Paulo com um quadro limitado, já que algumas meninas vão representar a Uninassau na Liga Universitária e duas atletas, Sandora e Tatiane, estão machucadas. Na prática 8 atletas representaram o América em São Paulo.
Foto: facebook da Uninassau/América

As " Periquitas" iniciaram a partida impondo o seu jogo, marcando forte e abrindo o marcador,o primeiro quarto foi todo alviverde, 22 x 8. No segundo quadro a equipe da casa marcou mais a saída de bola e pressionou a equipe pernambucana conseguindo assim diminuir o marcador, esta postura foi determinante no terceiro quarto, tanto que a equipe paulista acreditou que poderia vencer o jogo.

Por outro lado, o banco reduzido facilitou o jogo das adversárias, já que não havia como mexer muito na equipe e o time sentiu o cansaço. A diferença ficou em dois pontos, porém, favorável ao América.

Parabéns meninas, no sábado estaremos lá!! 18 horas no SESC tem a partida de volta.

domingo, 22 de março de 2015

VAI COMEÇAR AS QUARTAS DE FINAIS!!

Acontece nesta segunda- feira o primeiro confronto entre as  equipes da Uninassau/América  e Unimed/Presidente Venceslau pela fase de quartas de final da LBF 2015.
A disputa entra as duas equipes será realizada num sistema " melhor de três", sendo uma partida em São  Paulo e duas (se necessário) no Recife. As duas equipes já se encontraram na etapa classificatória da Liga com duas vitórias das "Periquitas". No jogo de ida da primeira fase da competição, o Mequinha venceu o Venceslau por 80 a 65. Na volta, outra vitória, dessa vez pelo placar de 96 a 53.

A equipe pernambucana embarcou para São Paulo neste domingo com alguns desfalques, tanto na comissão técnica, como no campo das atletas. Isto se deve ao fato de algumas atletas disputarem a Liga Universitária que começa na próxima terça-feira. O time principal contará com Adrianinha, Tainá Paixão, Tiffany, Tamera, Erika, Nádia, Nicolle e Iza Andrade. Serão 8 atletas que seguiram com Roberto Dornelas. As outras meninas vão representar a Uninassau em João Pessoa na abertura da Liga Universitária.Serão dirigidas por Vanessa Gattei.
A equipe Pernambucana tem um grupo forte e vitorioso!

O treinador pernambucano reconhece que o fato é inusitado, que vai enfrentar dificuldades, inclusive em relação ao rodízio de atletas. Ele pediu atenção ao grupo e respeito ao adversário.

Boa Sorte Meninas!!!Joguem com paixão!!

sábado, 21 de março de 2015

América volta a campo no feminino



O América entra em campo neste domingo pelo campeonato feminino de futebol. O jogo é contra o Central pela segunda rodada do estadual e será realizado no Estádio Luiz Lacerda.

O América que estreou com um empate, está na terceira colocação. Já o Central não pontuou na primeira rodada e é o lanterna do grupo B, que terá na outra partida o enfrentamento entre Náutico, líder com três pontos e Codif, que divide a terceira colocação com o América.

Uma vitória diante do Central é muito importante para o América nessa primeira fase que classifica os dois primeiros colocados, e para ratificar sua condição de cabeça de chave e avançar para as semi-finais.

Fatos e reflexões sobre 2014-2015 VII



Enfim, chegamos ao fim. E agora um assunto um tanto mais polêmico. Vamos tratar do distanciamento dos Moreiras na gestão Muniz Filho.

O América é, sempre foi e dificilmente deixará de ser um clube de poucas e tradicionais famílias da sociedade recifense. Em outros momentos com participação mais massiva, congregando muitas famílias, mas nos tempos mais difíceis apenas algumas. Graças a essas famílias vivemos a realidade de hoje e graças a elas, também, teimamos em existir.

Nos anos mais complicados da sua história, o América tem teimado em existir devido o empenho principalmente dos irmãos Moreira. E foi na gestão de João Moreira que o América saiu do ocaso da série A2 e retornou a elite, voltando a ganhar espaço na imprensa e chamando novamente a atenção de torcedores. O clube renasceu e voltou a ter fôlego, mas em 2012 acabou decepcionando e retornando a série A2. A passagem pela A2 foi curta, pois João apoiou a criação da AFC/SA por Celso Muniz Filho e a nova gestão do futebol resgatou o clube que desta vez teve um hiato de apenas alguns meses longe da elite por conta do calendário da FPF. Em 2014 Celso Muniz assumiu a presidência do América e o ano foi marcado por uma movimentação incrível na Estrada do Arraial, com o América representado em várias modalidades, conquistando importantes e históricos resultados e ainda se mantendo na elite do futebol pernambucano.

Mas se durante a gestão de João Moreira os Muniz apoiaram o América, a recíproca não foi a mesma na gestão Celso Muniz Filho. Infelizmente o que se viu foi um distanciamento de nomes importantes do América que poderiam ter ajudado o clube mais ainda e dado um fôlego para a gestão Muniz Filho. Essa cisão só foi menor quando da batalha judicial enfrentada pelo América para garantir a posse de sua sede, vista no começo do ano.

Sejamos francos e verdadeiros conosco. O nosso América é um clube pequeno e com dificuldades maiores do que as enfrentadas por outros clubes, o que cria uma dinâmica gerencial e a movimentação do clube muito complexa e particular. Isso é agravado ainda mais pela falta de estrutura para atender a eventuais sócios, torcedores e aos próprios objetivos esportivos do clube. Mesmo assim, ninguém baixa a cabeça e vai a luta. Mas a luta de um homem só não é luta, é massacre. Por isso,  a importância do apoio de outros nomes, não apenas dos Moreiras, mas de tantos outros que outrora também se beneficiaram do América.

Chegamos ao fim dessa tentativa de expor alguns dos problemas erros e também acertos do América nessa temporada 2014-2015. Acho que inicialmente qualquer crítica é recebida com alguma chateação. Mas somos torcedor desse clube e queremos e muito que ele dê certo. Que se torne um clube dos sócios, um clube vitorioso e um clube de expressão. Mas sei também que essas análises podem conter erros de avaliação, podem ter sido insuficientes em si. Por isso temos que aproveitar esse espaço democrático para colocar nossos pontos de vistas e opiniões, pois só assim pode existir evolução.

CAMPEONATO SUB 20!!

A Federação Pernambucana de Futebol promoveu uma reunião na última quinta-feira com o objetivo de discutir alterações no Campeonato Pernambucano de Futebol Sub 20. Na ocasião estavam os representantes das equipes que disputaram a primeira divisão de profissionais mais os representantes do Jaguar, existe a possibilidade de outras equipes participarem da disputa. 
Divulgação FPF
A principal alteração da competição se dá na idade limite dos atletas que pode baixar para 19 anos, ou seja, o Campeonato sub 20 se tornaria sub 19. De acordo com a mentora do futebol pernambucano foi que a competição siga a linha da Copa São Paulo de Juniores, que é a Sub-19.A adequação da competição se justifica porque é do estadual de juniores que se dá a classificação para o torneio paulista.
Acredito que seja importante informar a FPF que existe campeonato Brasileiro Sub 20.
O América foi representado por Josué Antônio, diretor da Base esmeraldina, nada foi definido nesta quinta-feira. Uma nova reunião ocorrerá na próxima semana, no dia 26 deste mês, às 16h, novamente na sede da FPF-PE.

Fatos e reflexões sobre 2014-2015 VI



Dando continuidade à esta série que está perto de chegar ao fim, agora vamos falar sobre as dificuldades de compra de camisa pelo torcedor.

Não é nenhuma demagogia dizer que o tratamento que a Garra dá ao torcedor Alviverde é bem melhor do que o que tínhamos com o outro fornecedor, pelo menos assim o foi em 2013 e 2014. Além disso, a beleza das camisas produzidas pela Garra é um dos pontos altos da parceria inciada em 2013. A tradição Alviverde é preservada nos uniformes dando espaço a desenhos modernos, equilibrados e bonitos que valorizam e muito as cores do clube Esmeraldino.

Mas esse ano fatos aconteceram negativos que irritaram o torcedor. As camisas vistas nos primeiros jogos do time animaram o torcedor para se lançar às compras, mas demorou muito para o produto começar a ser vendido. O mesmo aconteceu no basquete, que teve até dificuldades de receber o material para treino e posteriormente para venda. Além do basquete, o FUT7 foi campeão de um torneio importante usando o jogo de uniforme emprestado de outra agremiação! Lamentável.

O problema foi sanado, mas com um certo atraso que trouxe chateação para a torcida Alviverde. E mais chateação ainda por que a camisa era vista entre alguns torcedores, jornalistas e etc, mas não estava à disposição para a venda.

Antes de publicar essa reclamação passei no quiosque da Garra no Shopping Boa Vista (na última sexta-feira 21 de março), e lá haviam camisas do centenário, camisas da temporada e camisas do basquete. Os produtos já foram praticamente vendidos e não havia disponibilidade de camisas da temporada em tamanhos que não fossem o G e o GG. A informação que obtive é que o material chegaria nos próximos dias para a reposição do estoque e venda. Nos próximos dias voltaremos a checar novamente para exigir nosso direito de compra do material.

O Periquito Emudeceu

Peço licença aos amigos para reproduzir um artigo divulgado no Jornal do Comercio do dia 04 de março de 2015, de autoria de Arthur Carvalho, advogado e jornalista.

"Ao jovem pode parecer demagogia dizer que o América faz parte de algumas das lembranças mais caras de minha infância querida, que os anos não trazem mais, E explico.Comecei a frequentar o lendário Estádio da Graça, em Salvador, levado pelo meu pai e tios Heitor e Luiz Catharino, na década de 40, ainda menino.
O campo da Graça era pequeno e de péssimo piso, fincado no bairro nobre do mesmo nome.Para o leitor ter ideia da fragilidade desse verdadeiro alçapão, as arquibancadas e gerais eram de madeira. Por ser de dimensões reduzidas, os times de Salvador, neles abarracados, dificilmente perdiam para os de outros estados. O Bahia lavou o Vasco ( 7 x 0) em 17-03-48 e o São Paulo ( 7 x 2) em 26-10-49.
 Os times daqui, de Pernambuco,  não ganhavam uma para os baianos, até que o América foi jogar na Boa Terra.Não lembro com precisão dos resultados daquela memorável excursão que o América fez em Salvador, mas seu quiper era o mitológico Leça, um dos melhores que vi eu vi atuar.Sei que a temporada foi brilhante, e Leça contratado pelo tricolor de aço, que viria a defender por 10 anos, tornando-se um dos maiores ídolos do clube e formando um trio final inesquecível, com Arnaldo e Zé Grilo. O Alviverde era nessa época o esquadrão pernambucano mais respeitado na Bahia.

Vindo morar no Recife, curti ótimos Américas, com o goleiro Zé Paulo, o beque central Dadá, o fabuloso Dequinha, o zagueiro Astrogildo, que quebrou a perna de Ademir Menezes, num amistoso noturno na Iha do Retiro, contra o vasco da Gama, o habilidoso meia-construtor Neca, o maravilhoso ponta-de-lança Hamilton Pé de Pato, os médios Pedrinho e Capuco, e ainda o artilheiro Macaquinho, o elegante centroavante mineiro Dimas e o extrema-esquerda Dario.

Assisti a muitos treinos do Campeão do Centenário no gramado do Bebinho Salgado, em Apipucos. E cheguei a enfrentar, defendendo o Leão, seu excelente juvenil, que tinha um craque chamado Jurandir.

 Celso Muniz, Jorge Tasso e Carlúcio precisam escrever alguma coisa sobre o tradicional Periquito, falando também de três figuras emblemáticas da fina flor da sociedade pernambucana - o glorioso América de " El Tigre" Zé Tasso, do veloz atacante Marcelo Cabral da Costa e do poeta João Cabral de Melo Neto.

O América que chegou a ser um dos quatro grandes do nosso futebol, juntamente com Sport, Náutico e Santa Cruz não merece tanta humilhação. Pelo que ele representa de tradição do nosso esporte bretão, deveria ser tombado e não penhorado.

*********************************************
No livro de Roberto Vieira, "O Campeão do Centenário", tem um relato sobre a passagem do América em Salvador.
Tem também uma "Memórias Esmeraldinas" de Bruno Barros.
http://blogdomequinha.blogspot.com.br/2014/08/memorias-esmeraldinas-america-2x1.html

sexta-feira, 20 de março de 2015

AMÉRICA'S OLD PLAYERS: O meia Otávio Souto

Otávio José Souto Pongelupe, mais conhecido pelo nome de Otávio Souto, foi um grande meio-campista da história do América do Recife. Otávio Souto é descendentes de italianos e holandeses e nasceu no dia 6 de dezembro de 1952 em São Paulo, filho de um homem paulista e uma mãe cearense.
Ingressou nos juvenis da Sociedade Esportiva Palmeiras com 15 anos em 1967 e começou sua carreira de jogador de futebol profissional aos 19 anos em 1971 na Associação Pontagrossense de Desportos de Ponta Grossa no Paraná, equipe resultado da fusão entre as duas principais equipes da cidade, que eram o Guarani e o tradicional Operário Ferroviário. O bom futebol apresentado na equipe paranaense (sétima colocada no campeonato paranaense de 1971), o fez ser contratado pelo Grêmio de Porto Alegre para a disputa das competições do ano de 1972. Vice-campeão gaúcho em 1972 e 10° colocado no Campeonato Brasileiro pelo Grêmio, Otávio Souto foi no ano seguinte jogar no Colorado Esporte Clube de Curitiba, mas, não chegou a jogar todo o campeonato paranaense (certame que o Colorado terminou em 4° lugar) e se mandou para Santa Catarina para defender as cores do Esporte Clube Internacional de Lajes. Ao final do campeonato catarinense, Otávio Souto foi contratado pelo Figueirense Futebol Clube de Florianópolis para a disputa do Campeonato Brasileiro e antes mesmo do seu término, despertou o interesse do Sport Club Corinthians Paulista, que o trouxe de volta a sua terra natal.
Otávio Souto com a camisa do Botafogo/PB em 1975.
Depois de um ano bastante agitado, passando por quatro clubes, o jogador desembarcou em Recife no ano de 1974 para se tornar um jogador de destaque no meio campo do América durante o campeonato pernambucano (ver Memórias Esmeraldinas do referido ano). Com Otávio Souto no meio campo, o América Futebol Clube de Recife-PE encerrou o estadual de 1974 na quinta colocação, atrás do trio de ferro e do surpreendente Ferroviário do Recife, que fez uma das melhores campanhas de sua história. No ano seguinte, o jogador foi adquirido pelo Botafogo Futebol Clube de João Pessoa para a disputa do campeonato paraibano e foi aí que o atleta virou pela primeira vez, ídolo maior de sua equipe, sendo peça importante para a conquista do título do segundo turno do estadual. O jogador caiu tanto nos gostos da torcida botafoguense, que ao final do ano, quando o Fortaleza enviou um emissário a João Pessoa para tratar uma possível transferência do atleta para terras cearenses, um enorme grupo de torcedores fizeram uma passeata até a casa do presidente do Botafogo com cartazes e pedindo a permanência do jogador no clube. O atleta tinha passe livre e queria jogar na cidade da sua mãe e desta forma, por 40 mil cruzeiros, o Fortaleza Esporte Clube levou o Otávio Souto para jogar no Pici.

Otávio Souto com a camisa do Fortaleza em 1977.


O problema foi entrar na vaga do meia Chinesinho, que era bastante estimado pela torcida do leão cearense. Com a saída do treinador Laerte Dória e a chegada de Urubatão, Otávio Souto ganhou chance de entrar no time titular, mas, na posição de zagueiro e agarrou esta oportunidade, vindo a ter tanto destaque, que foi convocado a defender a Seleção Cearense. Defendeu o Fortaleza até 1978 e nestes três anos, foi três vezes vice-campeão cearense. Em 1979 foi contratado pelo Esporte Clube Vitória de Salvador e lá, voltou a atuar como meio-campista até o ano de 1981. No rubro-negro baiano, conquistou dois vice-campeonatos baianos (em 1979 e 1981), um título de campeão baiano em 1980 e um 8° lugar no Brasileirão de 1979. Depois de três anos no Vitória da Bahia, Otávio Souto acertou com o América Futebol Clube de Natal-RN do treinador Erandir Montenegro e ajudou a equipe a conquistar o tricampeonato potiguar em 1981, voltando a atuar no setor defensivo. Em 1982, foi a vez de Otávio Souto vestir a camisa do Esporte Clube Bahia, do treinador Carlos Froner, clube em que conquistou o titulo de campeão baiano tanto em 1982, quanto em 1983. Otávio Souto hoje mora em Guarulhos, São Paulo e é taxista.

quinta-feira, 19 de março de 2015

Fatos e reflexões sobre 2014-2015 V


A hora de falar da casa.

Jogar nos Aflitos esse ano foi um exercício de saudosismo positivo e negativo. Positivo por que de certa forma o América se reaproximou de velhos conhecidos e de seu reduto original. Negativo justamente por que relembrou momentos ruins da história Alviverde. E essa sensação foi reforçada com um último jogo na Ilha do Retiro, que trouxe a tona o passado mambembe do América.

Afastar-se do Ademir Cunha foi ruim para o América, que já começava a ganhar uma identidade com Paulista e com um dos mais importantes estádios da Região Metropolitana. Mas jogar nos Aflitos não mudou completamente a postura do time, que esse ano até venceu mais jogos em casa do que no ano passado jogando no Ademir Cunha. Além disso, a decisão de jogar nos Aflitos foi induzida por problemas financeiros e políticos. De qualquer forma o Ademir Cunha faz parte da história recente do América e o retorno do estádio no cenário regional e nacional se deve em grande parte ao próprio América (vejam publicações mais antigas neste blog).

Jogar nos Aflitos ao mesmo tempo que aproximou a torcida antiga afastou os mais jovens e todo mundo. As péssimas condições do gramado que foram se acentuando com o tempo dificultava os jogos; o estádio sem laudo fez os jogos ficarem de portas fechadas em quase toda a segunda fase; e o acordo financeiro jogou as partidas da fase decisiva para um horário insólito. No fim, saldo negativo.

Enfim, qualquer que seja a perspectiva para o próximo ano, o que esperamos mesmo é ter um local adequado para jogar e treinar e para que o time tenha um rendimento que possa trazer alívio financeiro para a AFC/SA e alegrias para a torcida.

Fatos e reflexões sobre 2014-2015 IV



Agora é hora de falar sobre a escolha do técnico.

A temporada 2014-2015 foi marcada por algo inusitado e positivo. O América priorizou mudanças no elenco em detrimento de mudanças na comissão técnica. Foi feita apenas uma mudança, expressiva e significativa no contexto do campeonato, ao contrário do ano anterior, quando o América teve pelo menos três treinadores (principais!) diferentes e mais uma organização da comissão técnica um tanto confusa.

Nesse ano a escolha da comissão técnica foi feita de forma planejada. Maurílio foi escolhido o treinador da equipe e seu auxiliar assumiria as categorias de base. Mas a fórmula e o desempenho da comissão não agradou a diretoria e os torcedores. Embora Maurílio tenha uma bonita trajetória como jogador e tenha conseguido subir o Vitória em 2013, sua história como treinador em Pernambuco não é muito convincente. E a aposta inicial da diretoria se mostrou errada, assim como em 2013-2014, quando Edson Miolo praticamente abandonou o clube ainda na terceira rodada e jogou por terra todo um planejamento.

Curiosamente, tanto Maurílio, nessa temporada, quanto Edson, na passada, antes da saída questionaram as condições de trabalho e de jogo. Sintomas similares são provas da existência de um problema.

Ao menos o acordo com Humberto foi positivo. Humberto trouxe mais estabilidade ao time, embora não tenha conseguido emplacar uma sequência vitoriosa como se precisava. Mas com Humberto o time se tornou mais organizado e seguro, e com a chegada de reforços no meio e no ataque como Bala, Mauro, Gaibu e Maycon o time ficou mais eficiente ofensivamente. Pecou na organização da zaga e cometeu alguns erros, principalmente no jogo contra o Ypiranga no hexagonal do rebaixamento.

De qualquer form fica o aprendizado na hora de selecionar o nome para o comando. Todos sabem como o mercado é complicado e competitivo. E como a dificuldade financeira dos clubes de Pernambuco tem afastado alguns técnicos. Mas não custa nada um investimento em um bom técnico com compromisso. E inclusive tentar sair da mesmice. Antes da contratação de Humberto esse ano, o nome de Birigui foi aventado como uma possibilidade. Um técnico com um currículo efetivo que pode ser uma opção para o futuro.

A finalidade dessas reflexões é justamente elencar esses fatos para tentar evitar a repetição de erros.

quarta-feira, 18 de março de 2015

Fatos e reflexões sobre 2014-2015 III

Já que falamos de contratações e elenco, convém falar da contratação mais polêmica do campeonato: Carlinhos Bala.



Aqui talvez tenha sido a maior aposta e o maior trunfo da diretoria em 2015. O anúncio de Bala no América foi recebido de duas formas: com esperança e desconfiança. Estes sentimentos dividiram os torcedores Alviverdes. Os que acompanham mais de perto ficaram muito desconfiados com tudo e já esperaram pelo pior. Alguns poucos mostraram esperança.

Mas, na minha opinião, Carlinhos Bala veio, viu e venceu. Superou as dificuldades físicas e já na estreia deu uma vitória histórica ao América contra o Ypiranga. Não conseguiu fazer com que o time chegasse ao hexagonal do título mas sua participação foi fundamental no hexagonal do rebaixamento com gols e na criação de jogadas. Superou até um "dilema ético" permanecendo no América quando a maioria já dava como certa sua saída depois do fim da primeira fase. Boato fortemente sustentado pela imprensa de São Paulo e assumido como verdade por muitos, alguns que até agora acham que Carlinhos Bala nem jogou no América durante o hexagonal do título.

Enfim, esse foi um acerto da diretoria em assumir a reabilitação de um jogador como Carlinhos Bala... polêmico mas eficiente. 

Fatos e reflexões sobre 2014-2015 II



Retomando o debate dos acertos, erros e problemas de 2015, cabe agora falar do elenco.

Mais um ano, segundo de série A1 com a gestão da AFC/SA, e o América não conseguiu emplacar uma classificação para a disputa do título, ou ao menos não conseguiu uma campanha mais coerente com sua história e tradição.

Novamente o América apostou na base, principalmente na primeira parte da competição. Esse ano o destaque ficou por conta de Jackson. Um dos artilheiros do time Alviverde na primeira fase e com gols que garantiram pontos importantes, o criticado Jackson mostrou personalidade em uma das poucas vitórias do América no campeonato e fez boas partidas em outras. Mas a relação com a base começou mais ou menos atribulada, depois do desligamento de Everaldo e Maurício, dois nomes promissores e queridos da torcida Alviverde. Outras boas promessas como Yuri e Márcio oscilaram muito e não conseguiram a regularidade que tinham no sub 20, principalmente Márcio que ajudou a resolver os problemas da zaga Alviverde na série A1 2014. Rei surpreendeu positivamente no jogo contra o Atlético, mas não repetiu a atuação nas demais chances que teve.

Propalado como o segundo elenco mais caro dentre os seis que disputaram a primeira fase da competição, os jogadores que vieram não conseguiram corresponder. Deyzinho teve a participação mais importante dentre todos, mesmo perdendo muitos gols. Maycon foi outra contratação que deu muito certo no time. Já velhos conhecidos e esperanças deixaram o América de forma melancólica. Jaime e Kássio foram parados pelas contusões e pouco fizeram pelo América. Kássio ainda teve uma atuação memorável contra o Central no primeiro jogo, mas parou depois de se contundir contra o Pesqueira. Jaime mal conseguiu entrar em campo!

Elenco caro e pouco produtivo: erro de planejamento, falta de empenho ou de condições de trabalho? Talvez uma combinação dos três fatores.

O América jogou praticamente sem lateral esquerdo todo o campeonato. Misso, que é volante, ficou improvisado na posição quase todo o certame. Sem meias para substituir Kássio, o América ficou refém da falta de criatividade. Uma rápida olhada no site do elenco profissional e fica claro o excesso de volantes contratados em detrimento de meias e jogadores mais criativos. Equívocos de contratação foram resolvidos ao longo do certame, vieram a tempo da manutenção, mas chegaram tarde para o objetivo maior. Erros de planejamento que custaram tempo, dinheiro e chances de classificação.

Para quem estava na arquibancada ficou evidente que alguns se esforçavam mais do que os outros. Essa falta de compromisso, infelizmente passa por tantas questões que não dá para elencá-las aqui. Mas a diretoria sofreu e os torcedores mais ainda com jogadores que não se dedicaram tanto assim.

E as condições de treino? Esse é um tema para um debate e reflexão mais profundo entre os torcedores e a diretoria.  

Fatos e reflexões sobre 2014-2015



Terminou o campeonato pernambucano para o América e com ele a saga da permanência e o sofrimento da torcida Esmeraldina. Conseguimos o objetivo básico depois de sermos relegados para a disputa de uma vaga no campeonato de 2016 na série A1. Objetivo que precisou de apoio incondicional, mas agora é momento para elencar alguns fatos e levantar alguns debates.

Começando pela campanha. Em comparação com os estaduais recentes, a campanha 2014-2015 foi a que o América menos somou derrotas! Ao todo foram sete derrotas em 2014-2015 contra 13 no campeonato 2013-2014. Fato curioso, haja visto que o time não galgou os degraus que todos queriam. Isso aconteceu por que o América empatou quase metade das 24 partidas que disputou. Essa quantidade absurda de empates e as poucas vitórias obtidas na competição pesaram e muito na classificação e na luta pela permanência. Foram vários tropeços em casa que levaram o time a desperdiçar inúmeras chances de conseguir uma melhor posição no certame.

Motivos para isso podem ser citados aos borbotões, mas certamente um pesa mais do que os outros: condições ideais de treino. Em esporte de alto rendimento essas condições fazem total diferença. Basta olhar o desempenho de outros clubes no campeonato que possuem melhores condições para trabalho, ou mais tranquilas, e com elencos compatíveis ao do América. Isso pode ter sido o divisor de águas no detalhe que decidiu algumas partidas.

Embora a diretoria tenha conseguido uma fase preparativa antes do início do campeonato e arranjado as condições para treino nos Aflitos, o América ainda precisa de uma infraestrutura mínima se quiser viver como clube. No começo da competição, o então treinador Maurílio, comentava publicamente a dificuldade de encontrar as condições para treino, e as incertezas no planejamento do trabalho diário. Inclusive essa condição de treino é prerrogativa básica para uma empresa com as pretensões da AFC/SA. O futebol não deixa mais espaços para os improvisos.

Encontrar um caminho para solucionar isto é muito complicado num clube como o América. Mas a reflexão é já um bom começo e pode levar a algumas soluções. E a hora é essa, para aproveitar a energia e motivação de Celso Muniz como Presidente do Clube.

terça-feira, 17 de março de 2015

Fernando Galvão

Com a criação da AFCSA chegou ao América o professor Fernando Galvão, responsável pela coordenação e acompanhamento do projeto de estruturação da base, bem como de divisão de amadores.
Galvão fez um trabalho de bastidores, acompanhando treinos e fechando parcerias, deste forma surgiu o vôlei e o Handebol. Profissional destacado e respeitado passou 2 anos acompanhando o América em diferentes momento.

Infelizmente o profissional se despede do América, vai desempenhar atividades educacionais e esportivas em outra instituição. 

O Blog do Mequinha agradece ao profissional pela atenção dedicada e deseja boa sorte.


domingo, 15 de março de 2015

PAULÃO: do América, do Cruzeiro, Grêmio, Benfica e Seleção Brasileira

No final dos anos 80 o América trouxe de Minas Gerais  3 atletas de base, para ganhar experiência e fortalecer a equipe pernambucana. Isto ocorreu graças ao empenho do Sr. Francisco Lopes Bicalho que foi diretor de Futebol no final dos anos 80.

Mineiro, empresário e com boas ligações com o Cruzeiro Esporte Clube, Bicalho deu uma sacudida no futebol esmeraldino trazendo jovens promessas entre eler  Paulão e Marcelo.

A participação dos jovens no campeonato deu uma sacudida na equipe esmeraldina, o time tinha feito uma péssima campanha em 1987, ficando em penúltimo.

Disputou o campeonato de 1988 no grupo B, um grupo de times fracos a segunda divisão dentro da primeira, depois subiu para o grupo A onde enfrentou os grandes e realizou ótimas partidas.

Fez uma excelente participação no campeonato, terminou em quarto lugar.

Recentemente, no processo de desapropriação da sede encontrei a cópia da nota promissória do empréstimo de Paulão, jovem zagueiro que veio da base do Cruzeiro, disputou um campeonato pernambucano, voltou pra Minas onde deslanchou sua carreira profissional. Foi seleção brasileira.

Na ficha abaixo, encontrada num blog do Cruzeiro EC, esqueceram do América!! Nós Não!!

PAULÃO – zagueiro central                                             
Paulo César Batista dos Santos nasceu no dia 25/03/1967, em Itambacuri-MG.  1.8m/75kg.
Atuou de 1989-1992 – 55 jogos, 5 gols.
Iniciou nas categorias de base do Cruzeiro.
Janeiro de 1991 (final da Supercopa dos Campeões da Libertadores): Paulo César Borges, Nonato, Paulão, Adílson Batista e Célio Gaúcho; Ademir, Marco Antônio Boiadeiro e Luiz Fernando (Macalé); Mário Tilico, Charles e Marquinhos. Técnico: Ênio Andrade.
Seleção: 8 partidas, estreando com a Espanha, em 12/08/1990, até 16/12/2002. Também jogou contra o Chile, México, Paraguai, Argentina e Alemanha. Ficou no banco em um jogo pela Copa América 1993, com o seguinte time titular: Taffarel, Cafu, Antônio Carlos, Válber, Roberto Carlos; César Sampaio, Boiadeiro, Palhinha; Edmundo, Muller, Zinho. Treinador: Parreira.
Outros clubes: Grêmio-RS, Benfica-Portugal (1994/1995), Vasco, Atlético-MG, Guarani-SP, Atlético-PR, Colo Colo-Chile (1997), Internacional e Ponte Preta-SP (onde encerrou a carreira em janeiro de 2001).
Título principal: Copa do Brasil 1994, pelo Grêmio.
Em 2006 era treinador do juvenil do Atlético-MG.

Documentos que provam a passagem de Paulão no América!!




BASQUETE SHOW, 2ª PARTE

As imagens falam mais do que as palavras, verdadeira integração Equipe e Torcida!!



FOTO 1: Comissão técnica e atletas na mesma missão!





FOTO 2: Jairo, the Legend, sendo entrevistado por Chico de Assis (RCE FM).




MUITA GENTE DE VERDE NA ARQUIBANCADA, INCLUSIVE CRIANÇAS!!

PLACAR FINAL

ROBERTO FAZ SINAL A TORCIDA!!

JOGADORA DE SELEÇÃO BRASILEIRA: SIMPLICIDADE, JOGA MUITO, MESMO CANSADA NÃO NEGA UMA FOTO!!!ATÉ COM OS MARMANJOS!!

O pequeno Jairo entre: Nádia da Buzina e Érika




FIM DA TEMPORADA!!


Triste título da postagem a equipe do América disputou na noite de ontem a sua última partida no Campeonato Pernambucano de Futebol 2015. A equipe esmeraldina foi a Vitória de Santo Antão enfrentar a equipe do Vera Cruz, uma partida sem grandes expectativas, do nosso lado, já que a equipe esmeraldina já tinha confirmada a sua permanência na elite do pernambucano.

O time do Vera Cruz tinha necessidade de vencer e torcer por um empate ou derrota do Atlético Pernambucano, já que as duas equipes disputavam a última vaga.

Precisando do resultado o time da terra da cachaça pressionou o América o tempo todo, demonstrando pouca objetividade e muito nervosismo. O primeiro tempo foi marcado por poucas oportunidades dos dois lados ,por muitas faltas e reclamações.

No segundo tempo o Vera Cruz pressionou um pouco mais, o América atuava sem preocupações, apenas marcando o meio campo e saído com certa lentidão. O Vera Cruz marcou o seu gol aos 23 minutos do segundo tempo após uma bobeira da defesa e só.

O time do América pressionou mais com a entrada de Rei, Misso fez uma boa atuação, Gil como sempre segurou a rapadura e Alex Gaibu tentou movimentar mais o jogo.

De acordo com o técnico Humberto Santos a participação do América não foi de destaque, que ele chegou com a missão de evitar o rebaixamento, enfrentou problemas, mas, conseguiu o seu intento.
O América termina a participação no Campeonato de 2015 sem enfrentar os outros times do Recife, passou por grandes dificuldades e penou nas últimas colocações.

Agora tudo virou estatística, infelizmente negativa, agora vamos analisar os fatos e  pensar 2016.

BASQUETE SHOW


A equipe da Uninassau/América conquistou mais uma vitória na sua caminhada na Liga de Basquete Feminino - LBF 2015, desta vez desbancou a equipe do Sport Recife em plena Ilha do Retiro. Na realidade tratava-se de um encontro aguardado pela torcida adversária, já que foi o reencontro do treinador Roberto Dornelas com seu ex-clube e na casa do adversário.

Os torcedores rubro-negros tentaram provocar o treinador esmeraldino com faixas e palavras de ordem, teve até um que fez "propaganda de sabão em pó", isto não surtiu efeito.

O jogo iniciou dentro da normalidade, ou seja, as "Periquitas" ditaram o ritmo de jogo e colocaram uma larga diferença no primeiro quarto de jogo, 23 x 12. Continuou forte no segundo e terceiro quartos, com boa participação de Adrianinha, Erika, Nádia, Tiffany, Tamera, com boa participação das meninas do sub 20 ( incluindo a nossa  MUSA ) e da comissão técnica, ou seja, não tinha pra ninguém!!!

O placar construído foi de 85 para equipe da Uninassau/América e 53 para o Sport.

O jogo teve de tudo, bons arremessos de 3 pontos, disputas e tocos, belas passagens e umas " linhas de passes" que agradou a todos que foram assistir um belo jogo. Aproveito até para destacar a jogadora Wheller do rubro negro que fez belas cestas de três pontos.

O meu destaque particular vai para o show da arquibancada, a torcida do América compareceu em grande número. Fato que animou as próprias atletas do América, foi bonito ver Erica, Nádia e Izabela batendo palmas no ritmo da torcida!!

Parabéns aos meninos da Império Verde, a Jairo, "the Legend", da Buzina, ao amigo Fábio Jaques, e muitos que vão ao SESC torcer pelas "Periquitas do Dornelas" o show foi na quadra e na arquibancadas.

A  primeira fase da LBF foi concluída, que venham os "playoffs"!!

NA BOLA LARANJA.... #SOMOSAMERICA!!


sexta-feira, 13 de março de 2015

CLÁSSICO PERNAMBUCANO NO BASQUETE

Teremos na manhã deste sábado um grande clássico pernambucano, só que desta vez no basquete. A equipe da Uninassau/América visita o Sport as 11 horas, lutando para manter a liderança da competição.
No primeiro turno a equipe esmeraldina deu uma verdadeira "lavagem" nas rubro -negras, 92 x 26, o jogo do sábado vai ser bem diferente. A equipe do Sport recebeu novos reforços, está melhor entrosada e promete devolver a derrota.

O treinador Roberto Dornelas promete uma equipe sólida, mesmo com a ausência de Sandora Irvin, muita luta e disposição para manter a posição de líder. Ele acredita que sua equipe tem condições de sair da Ilha vitoriosa, mesmo assim ele respeita a equipe do Sport e espera fazer um bom jogo.

Os ingressos para a partida estão sendo vendidos nas bilheterias do Ginásio Marcelino Lopes, na Ilha do Retiro, pelo valor de R$5 (meia), R$10 (inteira) e R$30 (área VIP). 150 ingressos foram disponibilizados para a torcida visitante.

Na ocasião a equipe do América vai jogar com o uniforme "rosa" numa homenagem as mulheres!!

BOA SORTE !! QUE A FORÇA NOS ACOMPANHE!! NO GARRAFÃO!!#SOMOSAMERICA

Jogodasestrelas1

quarta-feira, 11 de março de 2015

O AMÉRICA RESISTE! PERMANÊNCIA ASSEGURADA, MAS...




Por BRUNO LIMA


É muito pouco! Diferentemente de anos anteriores, a pequena, mas, fiel torcida esmeraldina não comemorou muito a permanência do clube da Estrada do Arraial na elite do futebol de Pernambuco. Claro que dos males o menor, mas, para o que foi planejado e falado pelas pessoas que comandam o clube, deixou muito a desejar na prática. Ontem, contra o Pesqueira, o América entrou no gramado da Ilha do Retiro e com o apoio de sua fiel torcida, que marcou presença, venceu o adversário pelo placar mínimo de 1x0, gol de Deysinho, aos 13 minutos do segundo tempo, depois de um primeiro tempo agitado com chances para ambos os lados e uma bola na trave em um dos ataques do clube alviverde.




OS JOGOS QUE DEFINIRAM A PERMANÊNCIA: Enquanto isso, o Porto vencia o Atlético por 4x2, placar que jogava a equipe de Carpina para parte de baixo da tabela e o América subia para a terceira posição. Faltava então o jogo da noite entre Ypiranga x Vera Cruz. Muitos não contavam com esse jogo pelo fato do Ypiranga já estar rebaixado e não apresentar ameaça alguma a nenhum adversário, mas, o que aconteceu foi bem diferente. A vitória da Máquina de Costura por 2x0 frente ao Vera Cruz, decretou a permanência do América para o Pernambucano A1 de 2016, restando o último jogo contra o Vera Cruz no Carneirão, apenas para  o  cumprimento de tabela para a nossa equipe.


REFLEXÕES, ALERTAS, E COBRANÇAS:

O América evoluiu, sim é verdade. De um clube praticamente esquecido, hoje é assunto de bastante interesse em redes sociais, páginas esportivas e até naquele barzinho onde você se reúne com amigos para falar de futebol, porém, ficamos muito perto de darmos um passo atrás. Infelizmente, devido a esse calendário esdrúxulo que a CBF dá para as competições estaduais, ficaremos o resto do ano parados sem disputar nada pelo futebol masculino profissional. Muito trabalho a se fazer nas bandas Estrada do Arraial e a torcida tem que estar junto sempre, seja para apoiar ou criticar. No futebol não evoluímos e nem recuamos, estamos na mesma. Isso não pode mais acontecer. Precisamos de conquistas, boas campanhas, competições nacionais, etc. Tivemos chances claras, todavia, esbarramos em erros internos e externos. Acreditamos que tendo a segunda melhor folha salarial entre os clubes intermediários, nós poderíamos muito mais e as pessoas que fazem o clube devem saber bem disso.


A torcida agora tem que chegar junto nos projetos do clube, abraçar mais nossos desportos amadores, que estão indo muito bem esse ano e nossas meninas do basquete, que nos dão um show de competência e profissionalismo nas quadras e fora delas. Esperamos que a parceria feita com a UNINASSAU se amplie mais e mais, podendo por que não, atingir outros desportos amadores, enaltecendo ainda mais a nossa marca AMÉRICA FUTEBOL CLUBE.

Quanto a nossa sede, a luta continua e essa luta é de todos nós, torcedores. O clube luta ainda na justiça, entretanto, nós é que temos que lutar e atuar entre nós mesmos, com mobilizações e atos. O que for possível para conscientizar a opinião pública do pecado mortal que seria o América perder a sua sede. A luta tende a continuar... Voltando ao futebol, sim, isso é uma crítica, muita coisa precisa ser melhorada. Os times que geralmente são montados em inicio de temporada não vingam e começam as mudanças às pressas sabendo que a competição infelizmente é de tiro curto. Esse mesmo filme não pode mais se repetir e aguardaremos confiantes que a diretoria do clube juntamente com a presidência, tomará as medidas cabíveis.

A LUTA CONTINUA... SALVE O AMÉRICA!



terça-feira, 10 de março de 2015

HOJE TEM AMÉRICA X PESQUEIRA




Hoje tem América X Pesqueira na Ilha do Retiro, uma partida de extrema importância para equipe Alviverde que luta para permanecer na primeira divisão.Faltam duas partidas para o fim do Campeonato Pernambucano de 2015, sendo esta na última partida no Recife.

O time esmeraldino vem de um empate contra o Ypiranga em Santa Cruz do Capibaribe, tem um ponto de vantagem em relação ao penúltimo colocado portanto uma vitória é fundamental. Os atletas estão cientes da responsabilidade e da necessidade de vitória.

A partida irá ser disputada na Ilha do Retiro as 15 horas, a presença da torcida está liberada, vamos ao estádio torcer por mais uma vitória.

segunda-feira, 9 de março de 2015

AMERICA'S OLD PLAYERS: O GOLEIRO IRECÊ

Um dos grandes goleiros que já vestiram o manto sagrado alviverde do América do Recife foi goleiro Irecê, baiano e nascido na cidade homônima. Irecê teve uma passagem rápida pelo clube do bairro de Casa Amarela, aparecendo com destaque no Campeonato Pernambucano de 1970, especialmente numa partida emocionante, na qual o clube verde e branco saiu vitorioso de Caruaru pelo placar de dois a zero contra o Central, no dia cinco de julho, com dois gols do atacante Bosco. (Ver Memória Esmeraldina referente).


Goleiro Irecê à esquerda defendendo o São Domingos/AL.
Irecê substituiu o arqueiro Jagunço (ex-Íbis) e titular da posição durante o campeonato de 1969. Irecê não foi o titular no Torneio Norte-Nordeste de 1970 (perdeu a vaga para o goleiro Nunes) e dois anos depois, deixava de vestir a camisa do América para se firmar no futebol alagoano. Irecê disputou os campeonatos alagoanos de 1972 a 1974 pela equipe da Associação Sportiva São Domingos de Maceió e em 1976 voltou a vestir a camisa vermelha, azul e branca do São Domingos, depois de um ano defendendo outra camisa verde e branca, a do Ferroviário Atlético Clube da capital alagoana.