quinta-feira, 2 de julho de 2015

AMÉRICA'S OLD PLAYERS: O MEIA DRAÍLTON

América-PE (1970)
Vamos descrever aqui um pouco da história de um dos maiores meio-campistas da história do América F. C. do Recife e do futebol pernambucano. Trata-se de Draílton José Lopes ou simplesmente Draílton. Filho do casal Dioclessiano Severino Lopes e Maria José da Silva Lopes, Draílton nasceu em 18 de setembro de 1949 no bairro do Ipsep na Zona Sul do Recife e aos 20 anos de idade, era integrante do grupo de atletas juvenis do time Alviverde da Estrada do Arraial, que contando com Draílton, faturou ainda em 1969 o título de campeão pernambucano da categoria de aspirantes. No América do Recife, Draílton disputou em 1970 o Campeonato Pernambucano e o Torneio Norte-Nordeste (no qual foi destaque em jogos como o empate sem gols contra o Treze F.C. em João Pessoa-PB no dia 8 de outubro e o empate em 1x1 contra o Ferroviário-CE nos Aflitos duas semanas depois).

Sport (1971)
            Depois de um bom estadual no ano seguinte, o jogador atraiu o interesse do Sport Club do Recife, que o contratou visando o Campeonato Brasileiro de 1971 e entrou no decorrer da partida de estreia, na qual, o Sport venceu o Flamengo-RJ por 1x0 na Ilha do Retiro no dia 7 de agosto. Seu bom futebol, o fez ganhar a titularidade e brilhou nas vitórias por 1x0 contra o América Mineiro em 12 de setembro e por 2x1 contra o Coritiba-PR em 20 de outubro. Depois de vestir a camisa rubro-negra até 1973, o Clube Náutico Capibaribe o contratou para a disputa do Campeonato Brasileiro de 1974, no qual, participou das vitórias contra o Atlético Mineiro por 2x0 em 10 de março, contra o Corinthians por 2x0 em 20 de abril e contra a Portuguesa em 19 de junho. A primeira passagem de Draílton pelo clube de Rosa e Silva foi coroada pelo título de campeão pernambucano de 1974, obtido após vitória por 1x0 contra o Santa Cruz em 11 de dezembro e uma boa participação no campeonato nacional de 1975.

Em 1976, Draílton pela primeira vez vestiria a camisa de uma equipe de fora do estado. O ABC F.C. o levou para Natal e o meia de 1,97 m de altura se consagrou no alvinegro do Rio Grande do Norte. Pelo campeonato potiguar, marcou o gol da vitória por 1x0 aos 6 minutos do 2° tempo contra o Baraúnas em Mossoró-RN no dia 14 de março e também marcou o gol da vitória do ABC por 1x0 contra o Potiguar de Mossoró aos 26 minutos do 2° tempo no dia 30 de maio. Esses gols fizeram parte da campanha que levou o ABC a conquistar o título de campeão estadual do ano de 1976, o 36° de sua história, no dia 18 de agosto após empate sem gols contra o América-RN. Draílton marcou época no futebol potiguar também por ter participado do clássico ABC 1x2 América de Natal em 4 de julho, cujo público de 50.684 torcedores, foi o maior da história do antigo Estádio Machadão (atual Arena das Dunas) em Natal. O ABC garantiu a sua participação no Campeonato Brasileiro de 1976 e com Draílton no elenco, conseguiu bons resultados, tais quais, o empate em 0x0 contra o Volta Redonda-RJ no Rio de Janeiro em 4 de setembro e o empate em 0x0 contra o Flamengo do Piauí em Teresina no dia 22 de setembro.

ABC (1976)
 De volta ao Náutico em 1977, iniciou sua segunda passagem pelo clube alvirrubro, passagem esta que duraria até 1979 e neste intervalo de tempo voltou a ser o velho Draílton de antes. Em 14 de outubro de 1977, Náutico e Sport jogaram a final do campeonato pernambucano e os alvirrubros tinham que vencer no tempo normal e vencer na prorrogação para levantarem o título. Ao clube rubro-negro bastava o empate. Draílton, aos 8 minutos do 2° tempo e de pênalti, marcou o gol da vitória por 1x0 do Náutico, o que forçou a realização de uma prorrogação. Após absurdos 58 minutos de prorrogação, Mauro do Sport acertou o gol do título do Leão da Praça da Bandeira. Duas semanas depois, Draílton voltaria a marcar o gol da vitória do Náutico, desta vez, contra o CRB de Maceió pelo Campeonato Brasileiro no Estádio do Arruda. No campeonato estadual de 1978, o Náutico venceu o Ferroviário do Recife por 1x0 no dia 18 de outubro e advinha quem fez o gol aos 20 minutos do 1° tempo! Se você respondeu Draílton, acertou. No Campeonato Brasileiro do mesmo ano, sua estrela voltou a brilhar. Na partida Náutico 2x1 Cruzeiro-MG em 10 de maio, os alvirrubros abriram o marcador com Marião aos 10 minutos e o Cruzeiro empatou aos 48 minutos do 2° tempo com Nelinho. Quando o empate parecia irremediável, Draílton acertou um balaço aos 50 minutos para dar a vitória aos pernambucanos.

Náutico (1979)
Após o vice-campeonato estadual em 1979 com o Náutico, Draílton foi contratado pelo São Bento de Sorocaba-SP para disputa do Campeonato Paulista. Em 21 de outubro, o São Bento recebeu o São Paulo F. C. do goleiro Waldir Peres e do atacante Serginho Chulapa e quando o jogo estava em 1x1 aos 30 minutos do 2° tempo, Draílton marcou o gol da vitória do São Bento. O time de Sorocaba-SP disputou no mesmo ano, o Campeonato Brasileiro e Draílton fez parte daquele São Bento que conquistou grandes resultados como a vitória por 3x2 em Maringá-PR contra o Grêmio Maringá em 18 de novembro, a vitória por 1x0 contra o ABC/RN em 21 de novembro e a vitória por 2x0 contra o Figueirense/SC em 28 de novembro.

A boa campanha chamou a atenção do São José de São José dos Campos-SP, que iria disputar o Campeonato Paulista da Série A-2 a partir de março de 1980. No clube do Vale do Paraíba, Draílton marcou o 2° gol na vitória do São José por 2x0 contra o Paulista de Jundiaí aos 36 minutos da etapa complementar no dia 24 de maio e o primeiro gol da vitória do São José por 2x0 fora de casa aos 19 minutos do 2° tempo contra o extinto Palmeiras de São João da Boa Vista - SP em 7 de setembro. O São José fez uma excelente campanha e se tornou campeão da Série A-2 depois de superar o Grêmio Catanduvense na final no Estádio do Pacaembu, o que assegurou o clube pela primeira vez na primeira divisão do estado de São Paulo. Draílton não marcou gol, mas, jogou no amistoso internacional São José 3x1 Seleção da Arábia Saudita, que ocorreu no dia 31 de agosto no Estádio Martins Pereira. O atleta revelado pelo América-PE vestiu a camisa do Operário Ferroviário de Ponta Grossa-PR, que no começo do ano de 1981 estava arrumando sua equipe para a disputa do Campeonato Paranaense. Ele fez o primeiro gol do Operário na vitória por 2x1 contra o Atlético-PR em Curitiba em 19 de julho e fez o gol da vitória por 1x0 do time de Ponta Grossa contra o Paranavaí em 16 de agosto, gols que ajudaram o Operário a ficar na 6ª colocação do campeonato.
Operário de Ponta Grossa-PR (1981)

Treze (1982)
 O Treze de Campina Grande o contratou para a disputa do Campeonato Brasileiro e Paraibano de 1982. Em 07 de fevereiro, Draílton esteve em campo na partida Treze 1x3 Flamengo-RJ, que registrou o maior público da história do Estádio Amigão em Campina Grande, que foi de 41. 149 torcedores. O Treze conquistou bons resultados naquele Brasileirão como a vitória por 2x0 contra o Ferroviário-CE em 24 de janeiro e a vitória por 3x1 fora de casa contra o Botafogo-RJ em 24 de março. O empate por 2x2 contra o Campinense em 1 de dezembro levou o Treze à conquista de seu bicampeonato paraibano. Em 1983, Draílton voltou para o América para disputar o Campeonato Pernambucano, entretanto, o clube alviverde recifense não foi além de um quinto lugar, atrás dos três grandes e do Central de Caruaru. Seu último clube foi o Sergipe, que tendo Draílton no elenco, conquistou o título de campeão sergipano de 1984 após vencer o Estanciano por 1x0 no dia 25 de novembro em Aracaju. Draílton encerrou a carreira de jogador aos 35 anos e faleceu aos 43 anos de idade, mais precisamente no dia 22 de maio de 1993, vítima de problemas de saúde decorrentes do uso abusivo de álcool. Seu corpo foi sepultado no Cemitério de Santo Amaro na Zona Norte do Recife.
O Blog do Mequinha agradece a Marcos Nascimento do Blog do Marcão (http://brfut.blogspot.com.br/), a Ivan Xavier (companheiro de América-PE), a Dinara Souza Leão e a Draílton Junior (filhos do jogador Draílton) pela riqueza de informações passadas, que tornaram possível esta publicação.


14 comentários:

  1. Belo registro Bruno, atleta vencedor e importante demais no nosso futebol, foi campeão e brilhou em Pernambuco e fora de nosso estado, teve uma carreira longeva e cheia de grandes momentos não apenas pelos títulos mais também por suas grandes atuações, resultados, palcos em que atuou e público. Uma justa e merecida homenagem a esse gigante de nosso futebol.

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigada, Bruno, por essa lembrança de meu pai!

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente não tive a honra de ver meu Tio Draw como o chamavamos carinhosamente jogar, lembro-me bem das histórias que meu Pai, seu irmão contava. Chegamos a trocar alguns passas quando criança eu, meu e meu primo Drailton Jr e era lindo ver ele passar a bola entre os braços e por sobre as costas quase como um malabarista faz no circo. Tio Draw onde quer que o senhor esteja traganos a sua luz e nos guie por caminhos maravilhosos iguais a você.

    ResponderExcluir
  4. Faltou o nome da minhas outras irmãs.

    ResponderExcluir
  5. Tatiana karla, Daniela karla, e Manuella karla bruno.

    ResponderExcluir
  6. Tatiana karla, Daniela karla, e Manuella karla bruno.

    ResponderExcluir
  7. Belo texto Bruno!! Draílton Junior o Blog do Mequinha agradece a você e suas irmãs pela acolhida que deram ao nosso amigo Bruno

    ResponderExcluir
  8. Texto incrivel!
    Adorei mesmo, nós filhos só temos à agradecer esta linda homenagem ao nosso PAI.
    ������

    ResponderExcluir
  9. DUVIDO MILTON NEVES TER TANTAS INFORMAÇÕES NO SITE DELE "QUE FIM LEVOU".
    PARABÉNS AOS ENVOLVIDOS.

    ResponderExcluir
  10. O ex-prefeito de Brejinho, Agenor Ferreira dos Santos, de 92 nos, faleceu ontem. A causa da morte não foi revelada.Agenor  foi o sexto prefeito eleito de Brejinho. Votado em 15 de novembro de 1988 foi empossado em 31 de janeiro de 1989 administrando por quatro anos, até 1992.Agenor também foi desportista na juventude, chegando a jogar futebol profissional no América do Recife, nos idos dos anos 50, quando a equipe rivalizava com os outros grandes do Recife. Era um meia clássico.Ele era amigo do ex-prefeito João Pedro, que o indicou e apoiou nas eleições de 1988. A Prefeitura decretou luto oficial.

    ResponderExcluir