terça-feira, 19 de janeiro de 2016

O fim de uma gestão histórica

Celso Muniz, ladeado pelo seu antecessor João Moreira (esq.) e Evandro Carvalho (dir.)

Nesta segunda-feira chegou ao fim a gestão Celso Muniz Filho, embora ele tenha se mantido na diretoria como vice-presidente do Clube Esmeraldino que agora será presidido por Augusto Moreira.

O grande fato é que entre erros e acertos, eu me arrisco (a primeira pessoa aqui é proposital) a dizer que esta foi a melhor gestão do América nos últimos trinta anos ou mais. E eu não me pauto em meros argumentos opinativos, mas em fatos.

O primeiro fato foi a entrada de Celso no América. O criador da AFC/SA resolveu assumir o clube Esmeraldino em 2013 em todas as suas categorias, ainda na gestão João Moreira. Nem todo mundo mundo sabe, mas o América não iria disputar a competição de acesso à série A1. E depois de um começo fulminante da AFC/SA formando bons jogadores e conseguindo chegar a semi-final do Pernambucano sub-20, Celso deu condições para a formação de um time que mesclava grandes jogadores do cenário pernambucano, como Kássio, Branquinho e Danilo Lins com jogadores da base como Maurício, Márcio e Palitinho. O acesso foi relativamente fácil e os sustos ficaram justamente por conta de erros fora de campo. Depois disso o futebol profissional não conseguiu grandes resultados, mas também não correu tão grandes riscos de queda para a famigerada A2.

Já como presidente do clube Celso se deparou com uma herança preocupante. A sede passou por um leilão que consistiu em acelerar um processo quase morto e de forma ilegal. Contando principalmente com o apoio de Mirinda e seu pai, Celso enfrentou a questão e conseguiu reverter a situação praticamente tirando a bola na linha do gol, quando para muitos a sede já havia sido perdida. Articulações com a Prefeitura do Recife e a entrada em um processo de tombamento no Conselho Municipal de Urbanismo também contribuíram para frear o processo. E ao contrário do que foi dito, não foi na sua gestão que a sede do América se transformou em colégio.

O outro feito grandioso da gestão Muniz foi a expressividade que a categoria de base tomou nos três anos em que Celso esteve a frente do clube. Como dito, em 2013 já começou ficando honradamente entre os quatro melhores do estado e repetindo o mesmo feito em 2014. Já 2015 a consagração veio com uma final, o vice-campeonato pernambucano e uma participação honrada na Copa São Paulo onde o América chegou a figurar como líder num dos grupos mais fortes da competição. Desta base vieram jogadores que prestam serviços valiosos para o América, como Márcio, Gláuber, Yuri e Jackson. E ainda tiveram Palitinho e Maurício, que infelizmente por erros de ambos os lados e má-intenção de terceiros acabaram saindo pelas portas dos fundos.

Mas sem dúvidas, a grande marca da gestão Celso Muniz Filho foi a permissão para exploração da imagem do América em outras modalidades. Isso fez o América aparecer como um clube vencedor em nível estadual e nacional! Campanhas vitoriosas no futebol feminino e vôlei feminino, no handebol masculino e a fantástica aparição do América em nível nacional via basquete feminino projetaram a imagem alvi-verde além do tradicional futebol, com parcerias que eram vantajosas para os dois lados. Enumerar os títulos aqui é quase desnecessário, mas principalmente tomaria muito espaço nesta postagem! Algo raro na vida do América e só visto pela última vez nos longínquos anos 1960. E aqui convém citar alguns nomes fundamentais, Fernando Galvão que foi o principal pivô dessa agitação nas modalidades amadoras no início da gestão; Fábio França que enfrentou uma série de dificuldades e levou o América a dois honrosos terceiros lugares no estadual feminino, além de ter formado uma atleta convocada para a seleção nacional; e obviamente Dornelas, quem apostou na marca do América e tem dado muitas alegrias ao coração sofredor dos Alviverdes.

Erros houveram e não foram poucos. Principalmente nos casos Palitinho e Maurício. Alguns erros provocados pelas circunstâncias, outros por forças externas. Poderia ter se investido mais na infraestrutura do clube para formação de jogadores e para até a própria evolução da AFC/SA; poderiam ter contratado melhor em alguns momentos; poderiam ter ousado mais em captação de recursos; poderiam ter construído parcerias mais organizadas e ainda mais eficientes. Mas isso não são fatos que inviabilizaram o saldo positivo e muito menos que obliteraram a passagem histórica de Celso Muniz Filho como presidente do América.

Fica aqui o registro histórico verdadeiro e definitivo.

5 comentários:

  1. Tive a oportunidade de ser voluntario de Celso Muniz durante sua gestão. Sobretudo na organização das solenidades do Centenário do Clube em 2014 e no lançamento do livro do Roberto Vieira, que aborda os 100 anos do clube. A abertura que Celso Muniz deu a torcedores, simpatizantes e antigos gestores do clube foi bastante salutar. Espero que a nova gestão continue mantendo as portas abertas do clube para todos que queiram somar e contribuir para o resgate do América Futebol Clube.

    ResponderExcluir
  2. E uma grande injustisa ate mesmo sacanagem, noa citát o diretor Osmundo Bezerra que foí a pece primcipal neste processo se resgate do Americe que a decadas se encontrava no ostrasismo. Trabalho feito na categoria se base e no futebol profissional,falo com autoridade de quem foi diretor dá base do šantán cruz realizamos um exelente trabalho. O pór defeito se um sér humano e a ingratidao

    ResponderExcluir
  3. Nobre Jose Carlos,
    sem dúvidas o nome de Osmundo deve ser lembrando. Nao só ele como também Josué que se mostraram colaboradores extremamente dedicados ao América. E nao só dedicados como apaixonados. Eles também podem ser criticados por erros ou determinadas decisoes, mas nao podem de forma alguma ser questionados quanto à dedicacao, respeito e carinho que tiveram com o clube nesses últimos tres anos. Até fazendo extremos sacrifícios pessoais.
    Mas nao os citei pois nao fiz comentarios diretos à Celso Muniz, mas à sua gestao e Osmundo e Josué foram símbolos desse momento.
    Os nomes citados no texto foram apenas mencoes ao empenho especial em modalidades que normalmente nao fazem parte da vida do América e nenhum deles tem participacao com o futebol profissional.

    ResponderExcluir
  4. E só reforcando, obrigado por comentar no Blog do Mequinha e pela opiniao emitida. Ela é muito valiosa pra gente que tenta construir a memória recente desse clube.

    ResponderExcluir
  5. OSMUNDO SEM DUVIDA UNO OS MAIORES DIREORES DE FUTEBOL QUE JÁ CONHECI PARA O ETERNO PRESIDENTE

    OBRIGADO PELA SUA DEDICAÇÃO E CARINHO PELO O GLORIOSO AMÉRICA

    FALCAO

    ResponderExcluir